Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
O rio e a criança - cover

We are sorry! The publisher (or author) gave us the instruction to take down this book from our catalog. But please don't worry, you still have more than 500,000 other books you can enjoy!

O rio e a criança

Rama Amaral

Publisher: Cia do eBook

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Estavam todas dispersas pelos cantos da casa entre livros pastas, cadernos… Às vezes, até no bolso de um calça velha; outras, já estiveram em lugares distantes nacionalmente, e até em outros países de língua portuguesa. Eis que surge a vontade de agrupá-las com uma só identidade: O Rio e a Criança!
Imersos no corpo desse senhor (livro), sentimentos, fantasias, fé, mistério, razão, realidade, fingimento… Versificados em nome dessa ilustre arte, a poesia.
E é através dessa ilustre forma de elevação da palavra e com um estilo flexível para abordar temas diversos, sobretudo ecológico e social, com leve lirismo e, claro, sem perder o romantismo, que Rama Amaral estreia na literatura, onde títulos como Caricatura da Exclusão, Estupro, Uno, Causa Perdida, Melodia, e outros poemas que fazem deste livro um prato de palavras degustável e extraordinariamente revelador.
Available since: 08/21/2020.

Other books that might interest you

  • Fretes & Mudanças - cover

    Fretes & Mudanças

    Edvard Vasconcellos

    • 0
    • 0
    • 0
    Fretes e mudanças' é um livro de poesia feito a dois, Edvard Vasconcellos e Douglas Fagundes Murta. Assim como nos carretos de mudanças literais, Edvard e Douglas trazem - fora das caixas de papelão - visões de mundo diferentes, e são igualmente impactados por uma vida cuja única certeza é a impermanência.
    Show book
  • Um objeto cortante - cover

    Um objeto cortante

    Alexandra Maia

    • 0
    • 1
    • 0
    Em "Um objeto cortante", segundo livro da poeta Alexandra Maia, a força do feminino modela as palavras e as transforma em faca. Faca que corta, certeira, faca que rabisca imagens com a delicadeza necessária para colocar o leitor em um fio suspenso, equilibrado pela autora com mestria. Alexandra é íntima das palavras, faz delas corpo robusto, encarando a vida em sua complexidade, entre proximidades e distâncias intensas.
    "Um objecto corta, entre margem de sorriso e margem de nervo, a nossa paz de ler sem sermos tocados. Aqui os objectos escritos, descritos, falados, propostos — tocam. E pode doer." (Ondjaki)
    
    "Precisei viver outras coisas para lançar esse segundo livro", explica a escritora, que dessa vez escreveu sobre o amor e a falta dele. "Não só o amor pelo outro. Também pela solidão, pelo escrever, pelo tempo, pelas pessoas que me rodeiam. E é também um mergulho. Há um poema logo no início ("Depois"), que fala sobre o que é mergulhar em si e, de dentro, entender as pérolas que os poemas são", afirma Alexandra, que recebeu elogios pela obra do poeta angolano Ondjaki e da premiada poetisa brasileira Adélia Prado.
    Show book
  • Extremos - cover

    Extremos

    Edite Anesi Dias Dias

    • 0
    • 0
    • 0
    Extremos é a catarse de cada dia a dia, são as possibilidades que temos para interagirmos com o outro
    Show book
  • Pátio - cover

    Pátio

    Jorge Reis-Sá

    • 0
    • 0
    • 0
    A poesia de Jorge Reis-Sá já é conhecida há muito nos circuitos literários brasileiros, eis que a extensão e a qualidade da sua biografia dispensam maiores apresentações nos meios editoriais. Neste ‘Pátio’, após ter publicado onze livros nos últimos vinte anos, Jorge Reis-Sá torna a apresentar o seu texto poético repleto de simbologias, em que inicia pela contemplação de ‘Lápide’ e atravessa os espaços abertos, de forma elegante e em passos precisos, com excertos, referências e poesias de poucas palavras e muitos significados. Todas elas se estendem debaixo desta espécie de sol morno, quase frio, que emoldura sentimentos, incertezas, inquietudes, sensações inusitadas do confronto permanente entre a tristeza e a felicidade. Afinal, é diante da morte que somos capazes de sentir a presença concreta da vida. Neste pátio imaginário, dialoga Reis-Sá com alguns dos grandes poetas do seu tempo, como Daniel Faria, Gastão Cruz, Luís Quintais, Pedro Mexia e em especial António Carlos Cortez, prefaciador deste belo volume, e que anotou com propriedade o “realismo de nevoeiro, pouco nítido” do qual exsurge a vida, essa hera forte e resiliente que cresce enquanto não estamos a olhar, e do qual igualmente nascem os poemas de Reis-Sá, palavras que encerram os espaços míticos nos quais o autor, de modo mágico, faz(-nos) “recordar quem somos e quem tivemos na nossa vida”.
    Show book
  • O Ano em que Morri em Nova York - um romance sobre amar a si próprio - cover

    O Ano em que Morri em Nova York...

    Milly Lacombe

    • 0
    • 0
    • 0
    Nova edição do livro de Milly Lacombe: uma viagem de autoconhecimento e, acima de tudo, uma história de amor-próprio. 
    A protagonista deste romance vai do paraíso ao inferno em poucas páginas. Casada com a mulher que ama, ela suspeita de que tenha sido traída durante uma de suas viagens de negócios. A angústia de não saber o que se passa, o medo de perguntar, a desconfiança e a dúvida, que nunca tiveram espaço na relação – considerada perfeita pelos amigos –, agora rondam o casal. Mas será mesmo que a traição existiu? Ou era o amor que estava minguando? O ano em que morri em Nova York não é só a história de um casamento desfeito por conta de uma suposta traição. Estas páginas trazem a trajetória de uma mulher em sua redescoberta após o doloroso rompimento. 
    Jornalista que se tornou ativista LGBTQIAP+, Milly Lacombe cria neste seu primeiro romance, com viés autobiográfico, uma história densa, mas aliviada pelo humor. Um livro que é também uma viagem de autoconhecimento e, acima de tudo, uma história de amor-próprio.
    Show book
  • Da roça e outros cantos - cover

    Da roça e outros cantos

    Antonio Fernando Mattza

    • 0
    • 0
    • 0
    Semente doce silo da vida. Na letra de Armandinho encontrei o que esta obra quer dizer: 'Semente, semente, semente, semente, semente. Se não mente fale a verdade. De que árvore você nasceu? Eu sou a terra, você minha semente, na chuva a gente se entende, é na chuva que a gente se entende. Oh semente!'Esse livro é semente rica, que brota e, quando desabrocha, traz histórias inteiras para dentro de nós. É lição de terra molhada, chão de plantar emoção, é roça doce, área vasta capinada, é palavra de encantar cidade e campo, é alimento de palavra e emoção.Um livro que canta a literatura que alimenta um país, é doce alimento, pontuado de bem dizer, é a lavoura rica e verde, é palavra que podemos comer.Cada linha vem completa, traz o sabor do que brota no chão, vem repleta de raízes que se entrelaçam em nossas mãos.Da porteira pra dentro é lavoura, pasto e canção, é viola que nos toca por inteiro, palavra de livro, livro-plantação.
    Show book