Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
De amor ardem os bosques - cover

De amor ardem os bosques

Maria Azenha

Publisher: Jaguatirica

  • 0
  • 1
  • 0

Summary

Há qualquer coisa de panteísta na poesia de Maria Azenha. O sagrado confunde-se com a natureza em intensa viagem por seus versos, e os sentidos desdobram-se em dimensões dormentes, que só o poema proporciona. A rebeldia instintiva dos bosques serve de cenário a um profundo diálogo com a existência metafísica de objetos, sentimentos, animais e plantas. Em seu novo livro De amor ardem os bosques, dividido em cinco folhas, Maria Azenha conduz e envolve o leitor por diferentes momentos dessa interação. A poeta portuguesa não se faz só e chama para seus versos autores consagrados, com quem conversa sobre elementos diversos, como árvores, amor e nuvens, imagens, simbólicas e concretas, simbioticamente ligadas, que aqui transcendem seu sentido original e previsível.
Available since: 07/30/2019.

Other books that might interest you

  • Famosas últimas palavras - cover

    Famosas últimas palavras

    Luís Filipe Cristóvão

    • 0
    • 0
    • 0
    O poema sem o corte do verso. Este é o melhor modo de apresentar a poesia de Luís Filipe Cristóvão. O autor português, de escrita prolífica, tem 38 anos de palavras acumuladas na cabeça, já publicou mais de sete livros e obriga o leitor a investigar a sua própria identidade, sua noção de pertencimento, como também a identidade do poema. Luís Filipe mexe com nossa antecipação leitora, rompe com nosso ritmo, obriga-nos a pensar. Em 'Famosas últimas palavras', depois de um grande hiato desde 2009, Luís Filipe volta a escrever com um sabor próprio de despedida, com o cheiro característico da maresia a envolver suas palavras. Como revela Cristóvão em sua poesia, ‘Onde quer que esteja a realidade, não está nas páginas dos livros’.
    Show book
  • À Cidade (Integral) - cover

    À Cidade (Integral)

    Mailson Furtado

    • 0
    • 0
    • 0
    Vencedor do Prêmio Jabuti 2018 - Livro do Ano Com elementos geográficos, históricos, sociológicos, políticos, físicos, metafísicos, folcloristas, genealógicos, à cidade é um poema que vem apresentar de forma contemporânea uma visão de uma cidade do sertão, com plano de fundo para aquelas banhadas ou mudadas indiretamente pelo caminhar do Rio Acaraú na Zona Norte do estado cearense.
    Show book
  • Uma Espécie de cinema - cover

    Uma Espécie de cinema

    Joana Matos Frias, Luís Miguel...

    • 0
    • 0
    • 0
    Os organizadores dessa antologia reuniram 50 poemas brasileiros e 50 poemas portugueses, em função da presença temática e estrutural do cinema. Diz Herberto Helder que as palavras têm a virtualidade de ganhar autonomia, reportando-se à um universo que descreve como 'uma espécie de cinema das palavras/ ou uma forma de vida assustadoramente juvenil'. Em alguns dos textos selecionados é, de fato, a valorização do fluxo das imagens e dos processos de montagem que determina um vínculo com o cinema. No entanto, a relação entre a poesia contemporânea e o cinema não se esgota neste tipo de articulação, como também o demonstram outros textos convocados, nos quais são sobretudo visíveis as articulações temáticas e os processos ecfrásticos que retomam sequências fílmicas específicas.
    Show book
  • Entre a Lua o Caos e o Silêncio: a Flor - Antologia de Poesia Angolana - cover

    Entre a Lua o Caos e o Silêncio:...

    Irene Guerra Marques, Carlos...

    • 0
    • 0
    • 0
    Entre a Lua, o Caos e o Silêncio: a Flor é a antologia mais completa e abrangente já publicada de Poesia Angolana, incluindo os períodos e os autores mais marcantes da sua história. Esta é uma edição histórica, oferecendo um retrato sistemático, plural e riquíssimo do admirável património literário angolano aos leitores de língua portuguesa em todo o mundo. Com excepcional organização de Irene Guerra Marques e Carlos Ferreira, a Antologia de Poesia Angolana divide-se em três partes. A primeira, dedicada à literatura oral, oferece a transcrição literal dos poemas nas línguas nacionais, seguida de tradução acompanhada por notas explicativas que contextualizam cada poema. A segunda secção, referente aos precursores, abarca nomes sonantes da poesia angolana, de Luís Félix Cruz a Jorge Rosa, levando o leitor numa viagem do século XVII, assinalado pelos primeiros textos poéticos manuscritos, até ao século XIX. «Modernidade e Contemporaneidade» é a última parte da antologia e nela irrompem os poetas dos séculos XX e XXI, contrastando, a cada virar de página, manifestações artísticas distintas – as «continuidades e descontinuidades» a que o subtítulo dessa secção alude.
    Show book
  • Por toda a minha vida (Integral) - cover

    Por toda a minha vida (Integral)

    Danilo Barbosa, Janaina Rico, LM...

    • 0
    • 0
    • 0
    Ele é um sonhador incurável. Ela, a mulher com os dois pés presos ao chão.Como duas pessoas tão opostas podem dar tão certo?Quando o jovem e romântico Max decidiu estudar artes plásticas, jamais imaginou que encontraria em seu caminho alguém capaz de transformar o seu mundo, cores e pincéis em emoções. Carina, a metódica e controladora estudante de engenharia, nunca imaginou que fosse se apaixonar por alguém tão oposto a ela. Mas o amor, quando é verdadeiro, encontra a sua forma de acontecer, mesmo em duas pessoas tão opostas que se entregam a um sentimento capaz de durar uma vida inteira, algo tão imenso que não cabe nem mesmo nas estrelas do céu.Em uma história contada a oito mãos, os autores Danilo Barbosa, Janaina Rico, L.M. Gomes e Lucy Berhends apresentam Por toda a minha vida com um enredo como você nunca viu, que vai muito além do Felizes para sempre. Acompanhe a trajetória real de um casal, seja testemunha dos melhores - e piores - momentos do viver a dois, envolva-se na atmosfera de sentimentos e romantismo com os quais é impossível o leitor não se identificar.
    Show book
  • Desertos - cover

    Desertos

    Rui José Carvalho

    • 0
    • 0
    • 0
    A pena poética de Rui José Carvalho propõe-se discorrer habilmente sobre a imagem do fotógrafo António Caeiro, numa obra que explora os recantos subjetivos da primeira pessoa. 'Desertos', com a Folha de Sala de Paulo José Miranda, apresenta-nos uma díade que causa uma vertigem no texto. A imagem falaria por si só, mas o texto traduz para palavras uma atmosfera indizível — assim acontece o encontro do poeta com o fotógrafo. Rui José Carvalho caminha por três vielas estreitas que convergem naturalmente para uma estrada comum: a poesia que é prosa, que é ensaio, que é absoluta poesia. O recorte fotográfico de António Caeiro inspira a crueza deserta da lente humana, isolando pormenores estáticos a nu, que provocam pelo canto do olho a crueza da alma do leitor, a quem resta absorver de um trago uma dupla inevitável.
    Show book