Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
À amiga do carinho - cover

À amiga do carinho

Leandro A. Rodrigues

Publisher: Digitaliza

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Quinze anos de um amor profundo e tocante transformado em poesia: eis o que nos apresenta este lírico e delicado "À amiga do carinho". Ante tamanha importância, o autor decidiu eternizá-lo em poemas que expressam a convivência do casal, do namoro à maturidade, provas concretas de suas alegrias, tristezas, angústias e, sobretudo, do seu amor e carinho mútuo.

Other books that might interest you

  • Instantes - sentimentos traduzidos em versos - cover

    Instantes - sentimentos...

    Crisiane Carvalho

    • 0
    • 0
    • 0
    Versos que tocam fundo o nosso coração e que despertam emoções. Um livro que fala também da natureza, de lugares e momentos que fazem a vida se tornar mais bela.  Suas páginas trazem poemas escritos por uma mulher que é esposa, mãe, professora e dona de casa, apaixonada pela vida e com grande fascínio pela arte de escrever.
    Show book
  • Veludo Fino - Uma Coletânea de Versos e Amores - cover

    Veludo Fino - Uma Coletânea de...

    Saulo Pavão

    • 0
    • 0
    • 0
    Veludo Fino – Uma Coletânea de Versos e Amores é uma Obra em textos Ecléticos.
    Hora Livres, hora amarrados, Poemas Simples ou Complexos, Carpintados em Letras Musicais, ou em Reflexões Poéticas, ou Existenciais. Escritos entre os Anos de, 2003 e 2019, e estão divididos em Três Capítulos.
    Tânia – A Musa: Totalmente dedicado a Mulher como Figura de Inspiração, Inspiração de Amor. Tendo Tânia como Figura Principal.
    Reflecsons: Poemas e Textos Reflexivos, voltados à Existência, e a Relação Relativa entre as Pessoas e suas Músicas.
    Veludo: Poemas Escandilados em Variadas Formas. Entre os Poemas de, Veludo, dez deles deram origem ao Álbum de Música Pop Instrumental, Veludo Fino, de Saulo Pavão, lançado originalmente em 2015, e relançado em todas as Plataformas Digitais em 2020.
    Capítulos 1 e 2 foram escritos entre os Anos de, 2012 e 2019. Todos estes Textos foram Publicados na Internet, Instagram e/ou Facebook. Capítulo 3 foi Escrito no Ano de 2003.
    Show book
  • Aos nascidos em 1979 - cover

    Aos nascidos em 1979

    Luiz Belmiro Teixeira

    • 0
    • 0
    • 0
    A poesia de Luiz Belmiro funda-se na mistura de temas que exploram as relações, as sensações, o toque, o contato. O poeta é um guardião das horas, alado, pontual, que pode roubar a substância do abstrato e dialogar com os elementos que trazem vida à sua poesia: o amor, o feminino, a pele, o corpo. Neste belo livro de estreia ‘Aos nascidos em 1979’, seus versos passeiam pela geografia do espaço, sua Curitiba, a cidade surreal. A multiplicidade dessa vida na cidade propõe novas percepções sobre o local, seus silêncios, suas pulsações. Ao construir sua linguagem, o autor ainda nos oferece uma sensível visão sobre a profundidade da existência do ser poeta. E nisso reside sua riqueza: a multiplicidade da vida, poética e real. Distintos tons que, nas palavras do poeta, são um vislumbre de todos os demais.Luiz Belmiro Teixeira é curitibano, graduado em Ciências Sociais pelaUniversidade Federal do Paraná (2004), Mestre em Sociologia pelaUniversidade Federal do Paraná (2006) e é professor de Sociologia no IFPR. A poesia o encontrou cedo,e desde então procura os versos para escrever sobre Curitiba, o amor, política, a vida, o universo e tudo mais. Traz referências da cultura pop (cinema, música e hq’s) para compor seus poemas. Antes da estreia emlivro próprio, publicou em coletâneasde concursos e oficinas literárias.
    Show book
  • Os Estatutos do Homem Pós-Pandemia - Poema - cover

    Os Estatutos do Homem...

    Raquel Braga

    • 0
    • 0
    • 0
    A pandemia do novo coronavírus mexeu com a vida do planeta e deixou grandes ensinamentos a quem abriu o coração aos verdadeiros valores da vida. Assim surgiu a ideia de escrever “Os Estatutos do Homem Pós-Pandemia”, baseado no poema “Os Estatutos do Homem”, de Thiago de Mello. A poesia não poderia calar-se diante de um momento tão marcante para a história da humanidade. Raquel Braga canta ao mundo, através de seus versos, que os milhares de vidas ceifadas por esse mal não podem ser esquecidos, assim como a vitória daqueles que conseguiram superar a doença. Mas, principalmente, vem lembrar que a vida é incerta e o ser humano é pequeno; que, não querendo nos ver sozinhos e egoístas, Deus nos fez semelhantes; e que é preciso melhorar muito a si próprio para enxergar a vida em plenitude nesta Terra.
    Show book
  • Ressurgência - cover

    Ressurgência

    Romildo Muniz

    • 0
    • 0
    • 0
    Ressurgência.
    É um fenômeno oceanográfico que ocorre em poucos lugares no mundo. No Brasil sua intensidade é maior nas regiões de Cabo Frio e Arraial do Cabo. Nele, as águas profundas e geladas afloram trazendo nutrientes e aumentando a vida marinha. Mas esse não é um livro sobre oceanografia.
    Ressurgência é, acima de tudo, surgir de novo. É juntar os cacos, catar as cinzas e renascer. É levantar-se após uma queda. Erguer a cabeça, individual ou socialmente, após uma grande guerra, após uma pandemia mundial. É atravessar o deserto. É manter a fé. É reconhecer-se vivo após uma perda, de alguém, de algo, de um sonho. Voltar à vida. Metafisicamente, mas também, fisicamente. Concretamente. É ressurreição.
    Show book
  • Flores de Inverno - cover

    Flores de Inverno

    Filipa Amaral

    • 0
    • 0
    • 0
    É sobre a beleza resiliente, sobre a intensa resistência que conforma a vida, que Filipa Amaral escreve em "Flores de Inverno". Nasce entre as suas poesias um manifesto contra a desumanização provocada pela exaustão e a ignorância e, simultaneamente, um apelo ao que de belo permanece entre nós. Ante o questionamento e reflexão exigidos por cada um dos seus textos, a poeta apresenta-nos a busca pelo que é estável e perene num mundo dominado pela efemeridade e azáfama. Em 76 poemas livres, Filipa Amaral fala-nos "dos sorrisos francos, mãos generosas, esperanças grandes" numa exploração da sua maneira de ver, sentir e dizer. Presta homenagem aos "homens francos" que "dançam ao sol e ouvem música nos ares que cada vez mais poucos escutam". E evoca a coragem de permanecer, em nós, as flores resilientes que enfrentam e superam o mais inóspito inverno.
    Show book