Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Introdução à Crítica da Ideologia Gramsciana - cover

Introdução à Crítica da Ideologia Gramsciana

Nildo Viana

Publisher: Edições Enfrentamento

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Gramsci é um dos nomes mais destacados do pensamento social moderno. Ele se tornou uma das grandes referências do chamado “marxismo ocidental”. Apesar disso, sua obra não recebeu abordagens críticas, tal como ocorreu no caso de Marx, Lênin, Rosa Luxemburgo, entre outros. O livro de Nildo Viana é apenas um esboço de tal crítica, por isso “introdução” de uma obra mais vasta, que futuramente o autor pretende publicar sobre Gramsci. Apesar de obra introdutória, apresenta as ideias principais de Gramsci e realiza a sua crítica, inicialmente a partir da comparação com o pensamento de Karl Marx e depois em suas próprias contradições e limites, bem como distanciamento da realidade concreta.

Other books that might interest you

  • Guerra na Imprensa ou Imprensa de Guerra? - A Imprensa Brasileira nos Campos de Batalha da Guerra do Paraguai - cover

    Guerra na Imprensa ou Imprensa...

    Edgley Pereira De Paula

    • 0
    • 0
    • 0
    A Guerra da Tríplice Aliança ou Guerra do Paraguai (1864 – 1870) foi a primeira na América do Sul a ter forte cobertura jornalística. Guerra de imensas proporções, jamais vista na Bacia do Prata até então, seja no envolvimento militar, através do recrutamento de grande contingente de pessoas, seja através de notícias de milhares de mortes decorrentes de combate e de doenças, de enormes dispêndios de recursos de toda monta, esse acontecimento marcou os diferentes processos de consolidação e afirmação dos projetos de Estado-Nação dos países que se envolveram no conflito. No Brasil, passado o ardor patriótico dos primeiros meses do conflito, houve tanto periódicos que apoiaram o governo como os que o atacavam, ligados a grupos de oposição, dependendo de qual partido estaria conduzindo os rumos da guerra e da rede de clientelismo e favorecimento que o jogo político ditava em lealdades fugazes que envolviam, além dos políticos (da Corte e das províncias), editores, redatores, chefes militares e correspondentes de guerra. Por seu caráter totalizante, a Guerra da tríplice Aliança também se desenvolveu em outros “teatros”, como na imprensa. Os jornais de época repercutiram em suas páginas não só as batalhas travadas como também todo sofrimento, toda contradição e todo entusiasmo nacionalista propagado nos países contendores. Nessa perspectiva, penso que as publicações ilustradas e os jornais que proliferaram depois do início da guerra (1864), divulgadas quase que diariamente na imprensa, causaram forte impacto em toda a sociedade brasileira e, por consequência, nos homens que estavam sendo arregimentados e enviados para lutarem nas campanhas militares na região platina. A guerra foi total! E, vai atingir a produção de periódicos que nesse período, aos poucos, se profissionalizava. Como se deu esse envolvimento? Como se produziram as informações que circulavam em todo o Império e na bacia do Prata? Quem as produziam? A que preço?É o que resolvemos contar...
    Show book
  • A força da mídia social - Interface e linguagem jornalística no ambiente digital - cover

    A força da mídia social -...

    Pollyana Ferrari

    • 0
    • 0
    • 0
    Como entender a constelação de relacionamentos, sentimentos, informações e desejos que circulam em fluxos nas mídias sociais?
    
    As divagações (wandering) podem ser percebidas nas postagens do Facebook, nos grupos do WhatsApp, nos blogs, ou em tuites de 140 caracteres. Recorremos à filosofia, à cognição, à tecnologia da informação e à sociologia para tentar mapear essa narrativa orgânica e remixada. Em constante mutação, ela carrega a mudança social como uma textura. A sociedade mudou e a comunicação é um agente fundamental para construção de memória e sentido nesse novo contexto social. Por ora, teremos como comunicadores, de nos concentrar em propor melhorias para promover o uso da não-linearidade, cuja cognição ocorrerá conforme a bagagem cultural e sígnica de cada leitor.
    Show book
  • Marx e o Estado - cover

    Marx e o Estado

    David Adam

    • 0
    • 0
    • 0
    David Adam realiza, através de uma leitura rigorosa dos escritos de Marx, uma desmistificação da ideia falsa segundo a qual ele seria um estatista. Indo desde os escritos de juventude de Marx e chegando até os da maturidade, Adam mostra que ele sempre foi um crítico do Estado. David Adam esclarece a concepção de Estado em Marx, demonstrando que sua ideia de 'ditadura do proletariado' é mau interpretada, bem como mostra os equívocos de Bakunin em sua interpretação do autor de O Capital.
    Show book
  • Literatura - cover

    Literatura

    Rubens Souza

    • 0
    • 0
    • 0
    Excelente material para estudo e pesquisa sobre a Literatura brasileira. Traz o desenvolvimento dos movimentos literários em ordem cronológica do trovadorismo à literatura contemporânea.
    Show book
  • Gênero e violência - Repercussões nos processos psicossociais e de saúde - cover

    Gênero e violência -...

    Marlene Neves Strey, Sabrina...

    • 0
    • 0
    • 0
    Como se pode perceber através de uma breve leitura dos artigos que compõem este livro, as temáticas apresentadas são variadas e as possibilidades de reflexão, incontáveis. Acreditando que os estudos possam contribuir para novos e necessários debates no que tange aos aspectos relacionados à violência e ao gênero na sua interlocução com a saúde, convidamos a todos os leitores e as leitoras a se aventurar pelo percurso dos textos aqui apresentados. Esperamos que a leitura seja proveitosa e que as reflexões suscitadas acompanhem a todos e a todas na busca por uma sociedade mais justa, igualitária e menos violenta.
    Show book
  • Guia Segredos do Império - Astecas - Guia Segredos do Império - cover

    Guia Segredos do Império -...

    ON LINE EDITORA Editora

    • 0
    • 0
    • 0
    O local onde se encontram a América do Norte e a América do Sul, e onde atualmente está localizado o México, abrigou uma poderosa civilização há centenas de anos. Os astecas chegaram pelo norte no século XII e dominaram os povos que viviam na região entre os séculos XIV e XVI. Em 1325, construíram a capital do império, a cidade de Tenochtitlan, em ilhotas erguidas sobre o lago Texcoco. Em apenas dois séculos, os astecas se tornaram os poderosos senhores da Mesoamérica. Esta incrível civilização venerava as montanhas e chegou a construir 25 templos em forma de pirâmide. Na agricultura, os astecas foram os pioneiros no cultivo do milho, tão comum no preparo das tortilhas mexicanas, e do cacau – para os astecas, o chocolate era uma bebida sagrada. Cultivavam ainda amendoim e tomates. Nesta edição, mergulhe a fundo na origem deste povo, nas lendas, na medicina, arquitetura e costumes dos astecas. Conheça sua história, seu legado e curiosidades que estão presentes até hoje na cultura mexicana.
    Show book