Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Poemas de Clarice - Uma iludida anônima - cover

Poemas de Clarice - Uma iludida anônima

Maria de Fátima Fonseca

Publisher: Editora fross

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Poemas de Clarice é uma obra que foi inspirada na história de uma jovem que está passando por frustrações e sentimentos, que a fazem se sentir iludida por amores não correspondidos, gerando os sofrimentos que garota passou no silêncio das noites mal dormidas. Parte dos poemas são inspirados no convívio com amizades que ela conquistou no passado e no presente.Os poemas são modernos, com uma linguagem bem atual e fazendo uma abordagem reflexiva sobre os fatos e os momentos que a maioria dos jovens já vivenciou na vida. Este livro causará uma interatividade com o leitor que vai se identificar com os sentimentos apresentados.Cada poema é uma história diferente, um sentimento incompreendido, momentos ímpares que a personagem viveu. Foi uma maneira pelo qual a autora pode se expressar, trazendo à tona o que estava guardado dentro do seu interior e dentro do coração daqueles com quem ela conviveu.
Available since: 07/09/2021.

Other books that might interest you

  • Flores de Inverno - cover

    Flores de Inverno

    Filipa Amaral

    • 0
    • 0
    • 0
    É sobre a beleza resiliente, sobre a intensa resistência que conforma a vida, que Filipa Amaral escreve em "Flores de Inverno". Nasce entre as suas poesias um manifesto contra a desumanização provocada pela exaustão e a ignorância e, simultaneamente, um apelo ao que de belo permanece entre nós. Ante o questionamento e reflexão exigidos por cada um dos seus textos, a poeta apresenta-nos a busca pelo que é estável e perene num mundo dominado pela efemeridade e azáfama. Em 76 poemas livres, Filipa Amaral fala-nos "dos sorrisos francos, mãos generosas, esperanças grandes" numa exploração da sua maneira de ver, sentir e dizer. Presta homenagem aos "homens francos" que "dançam ao sol e ouvem música nos ares que cada vez mais poucos escutam". E evoca a coragem de permanecer, em nós, as flores resilientes que enfrentam e superam o mais inóspito inverno.
    Show book
  • Somente - cover

    Somente

    Sérgio Marino

    • 0
    • 0
    • 0
    35 Poemas por Sérgio Marino. Fotografia de Linda Cancela. Sérgio Luís de Sousa Marino, nascido há 40 anos nas Barrocas, Cova da Piedade, Almada. O que isto diz de mim? Nada. E é isso, nada. Quando te conheces morres. Conhecer-te será a última aventura que teremos os dois. Este livro não tem missão, nem pretende ser o que quer que seja. Somente reflexões sobre o prazer, o desejo e as mulheres. Se vos tocar de alguma forma, amem ou odeiem, então está concluído o que quer que seja. Dedico-o principalmente à minha mãe, ao meu avô e à minha irmã. E dedico-o com um profundo agradecimento a todos os meus amigos e conhecidos que de alguma forma me têm acompanhado na subida e descida ao meu abismo. A todos vocês dedico cada letra, cada lágrima e cada sorriso. Aproveitem tudo. Fotografia: Linda Cancela Publicação por Obscurena Records Ltd
    Show book
  • Os Pecados predilectos - Poemas escolhidos - cover

    Os Pecados predilectos - Poemas...

    Inês Lourenço

    • 0
    • 0
    • 0
    Os pecados predilectos, tendo como subtítulo Poemas escolhidos, é uma antologia da poeta portuguesa Inês Lourenço, organizada e posfaciada por Ronaldo Cagiano, consagrado escritor e poeta brasileiro, e recebeu prefácio do escritor António Carlos Cortez. Abrange poesia publicada entre 1980 e 2017, correspondente a 12 livros e duas revistas literárias de referência, publicados em Portugal. O antologiador intitulou o seu posfácio de “Breve inventário de um percurso poético e existencial”, a que acrescentou biografia e bibliografia e “Excertos da fortuna crítica”. Os poemas antologiados revelam o labor poético de mais de 35 anos, incluindo todas as temáticas versadas nesta poética como: a infância, a identidade feminina, a magnífica destreza dos animais, a temporalidade e o telúrico, a cidade natal, as diversas artes, as faces do amor, a consciência da mortalidade, e também sobre os limites e deslimites da escrita poética.
    Show book
  • Manancial de Poesia - cover

    Manancial de Poesia

    Ary Rodrigues

    • 0
    • 0
    • 0
    Quantas palavras enfeitam as nossas lembranças? Muitas ― é a resposta ―, e elas nos chegam através de poesias nascidas lá trás, em tempos distantes, e também agora, nesses tempos difíceis de viver.Mas todas mantêm a força e a vontade de contar e recontar histórias, de pontuar momentos singulares que se tornaram inesquecíveis.Este livro é uma clara homenagem à vida e a tudo o que sentimos ao trilhar nossa  estrada, onde são muitos os encontros, todos eles envoltos em poesias a nos recitar sonhos, verdades e amores.  Um Manancial de emoções que só um grande poeta é capaz de conceber.
    Show book
  • Uxé - cover

    Uxé

    Ana Crespo

    • 0
    • 0
    • 0
    Uxé mora no Pantanal. Todos os dias ela pesca com seu pai, faz bichinhos de barro com sua avó, e pinta o rosto de vermelho.  Ela é uma menina feliz.  Um dia, a vovó fica muito doente. Desesperada, Uxé embarca numa aventura em busca de remédio para a vovó, sem imaginar que vai enfrentar um grande perigo.
    Show book
  • A Água Volta Como Memória - cover

    A Água Volta Como Memória

    Silvino Ferreira Jr

    • 0
    • 0
    • 0
    Nos primeiros versos de A Água Volta Como Memória, Silvino Ferreira Jr convida o leitor a acompanhá-lo em uma viagem através da memória auditiva de uma água. Água cristalina, água da nascente. De volta à foz de um rio, ao mesmo tempo, real e imaginário, o poeta reencontra uma face e uma voz esquecidas e, como numa revelação, descobre que a foz desse rio é ponto de partida para um longo percurso. Como um rio corrente, os poemas tomam as páginas numa profusão de afluentes sonoros e, numa metáfora da vida, abordam do visível da superfície ao fundo de águas profundas, por vezes, subterrâneas. Vai de um simples recorte do tempo, através da memória, aos nossos mais recorrentes dilemas. Mas este rio também é condutor do leitor pelas múltiplas formas que pode navegar os poemas. Quer partindo da foz, seguindo até onde ele desemboca; ou por desvios e atalhos, aos saltos, onde cada poema é rio afluente. A Água Volta Como Memória é um lugar para onde o leitor sempre pode voltar, quando tiver sede de poesia. 
     
    Show book