Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
John Holloway: Regime de Acumulação Integral e o debate sobre como mudar o mundo sem tomar o poder - cover

John Holloway: Regime de Acumulação Integral e o debate sobre como mudar o mundo sem tomar o poder

Diego Marques

Publisher: Edições Enfrentamento

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

John Holloway ficou famoso ao publicar o seu livro Como mudar o mundo sem tomar o poder e sua obra teve repercussão numa época em que o zapatismo também tinha influência nos movimentos políticos, partidos e setores da intelectualidade. Diego Marques apresenta uma crítica importante ao livro e teses de Holloway, resgatando o contexto histórico e social em que vivemos, o regime de acumulação integral, apontando as similaridades entre Holloway e o pós-estruturalismo, bem como a crítica leninista deste autor, para mostrar uma outra concepção crítica. Esta obra contribui para conhecer a obra de Holloway e seus limites, bem como nos ajuda a superar o canto da sereia de discursos ambíguos.

Other books that might interest you

  • Chapados de cloroquina: a morte da empatia - cover

    Chapados de cloroquina: a morte...

    Alexandre Gossn

    • 0
    • 0
    • 0
    O que houve conosco durante esta pandemia? Assassinamos a empatia? Estávamos conscientes ou embriagados...  talvez, como diziam os versos de Jim Morrison no poema Stoned Immaculate: “Aqui no perímetro não há estrelas; aqui a gente tá chapado...Imaculado.” (Tradução livre).
    
    Nosso governo federal estocou como nunca uma medicação ineficaz para tratar a doença que causou a maior mortandade da nossa história: doentes de malária não puderam se tratar porque esgotamos a cloroquina, droga ineficaz para tratar a Covid-19, mas que trata justamente as febres do plasmodium. Tratamos criaturas sem células como vírus como se fossem seres unicelulares como protozoários e vidas humanas como se fossem descartáveis como insumos econômicos inesgotáveis. Nenhum evento, doença, revolta, insurreição ou guerra matou tantos brasileiros como a Covid-19. E o que fizemos? Chapamos. Chapamos nas festas clandestinas, nas aglomerações evitáveis e nas abominações que cometemos.  Chapamos nossos celulares e redes sociais de ódio, fakenews, egoísmo e futilidades, chapamos muito... mas ao contrário dos versos de Jim Morrison, ficamos chapados, mas nada imaculados.
    
    Neste novo ensaio, Alexandre Gossn reflete sobre as causas de uma segunda epidemia em nossa sociedade: o narcisismo e a falta de empatia com nossos semelhantes. Invocando o estudo feito nos anos 40 do séc. XX pelo filósofo Karl Jaspers sobre a culpa pelo nazismo entre os  cidadãos alemães, o autor deixa a pergunta: o que as futuras gerações dirão de nós?
    Show book
  • A Revolução Mundial - cover

    A Revolução Mundial

    Herman Gorter

    • 0
    • 0
    • 0
    A partir de 1917 o problema da revolução russa se entrelaça com o da revolução mundial. Esse tema esteve presente na discussão política das organizações políticas revolucionárias e progressistas em geral. Os bolcheviques e outros colocam o sucesso da revolução russa na dependência de uma revolução mundial, ou, pelo menos, na Alemanha. Gorter realiza uma análise crítica do significado da revolução russa e mostra o seu caráter burguês, bem como analisa suas condições, os erros dos bolchevistas, bem como suas possibilidades. Gorter apresenta uma análise internacional da situação da revolução russa e coloca a necessidade de uma nova internacional, a Internacional Comunista Operária, em oposição à III Internacional.
    Show book
  • Vem pra rua - a história do movimento popular que mobilizou o Brasil - cover

    Vem pra rua - a história do...

    Rogerio Chequer, Colin Butterfield

    • 0
    • 0
    • 0
    O Movimento Vem Pra Rua mobilizou e continua motivando milhões de brasileiros a fazer grandes mudanças na política do país. Olhando a multidão nas ruas gritando contra a corrupção, exigindo reformas e pedindo justiça, é difícil imaginar como isso tudo começou: duas pessoas que pensaram um Brasil melhor, dividiram com outros seus ideais e partiram para a ação.
    A história deste livro é a história da construção desse movimento. É sobre como o desejo de mudar começou, viralizou,
    ganhou mentes e apoios. Como se multiplicaram as convocações via redes sociais. Como os políticos foram pressionados. Como o Vem Pra Rua ajudou a criar uma nova cidadania. Cada um que se indignou com os desvios nos rumos da nação – e demonstrou essa indignação – faz parte desses novos tempos. E, de um jeito ou de outro, vai se encontrar neste livro.
    Show book
  • Concepção Marxista da Sociedade - cover

    Concepção Marxista da Sociedade

    Ferrnado Ocáriz Braña, Antonio...

    • 0
    • 1
    • 0
    A concepção marxista da sociedade é um tema muito amplo, especialmente porque, segundo o marxismo, toda a realidade é essencialmente social. Por isso, uma primeira delimitação do assunto será a de centrá-lo naqueles aspectos que todos – e não só os marxistas – consideram como essencialmente sociais. Porém, para captar o alcance do pensamento marxista acerca deles, é necessário não perder de vista que, segundo Marx, tudo é sociedade e a sociedade é tudo.
    Show book
  • Liberdade Sufocada - cover

    Liberdade Sufocada

    Luiz Augusto Flores

    • 0
    • 0
    • 0
    Esta obra é crítica de interesse público, baseada na verdade de quem viveu os fatos, é narrativa de fatos reais, liberdade de expressão e de imprensa sufocada, regime de APARTHEID, viagens, projetos, ações e investigações, experiências e exemplos de vida, depoimentos, poesias.
    Show book
  • A era da intolerância - O início do século XXI e o desafio da sociedade democrática - cover

    A era da intolerância - O início...

    Thales Guaracy

    • 0
    • 0
    • 0
    Em A era da intolerância, o jornalista, cientista social e escritor Thales Guaracy põe em perspectiva a história do início do século XXI, do atentado às Torres Gêmeas, em Nova York, à pandemia do coronavírus: duas décadas que marcam o fim do capitalismo industrial e o surgimento do capitalismo tecnológico e da Sociedade da Informação, com seus avanços, incertezas e conflitos.
    Usando como fio condutor os acontecimentos econômicos, políticos e sociais, marcados por uma grande revolução tecnológica, Guaracy nos leva a uma análise profunda dos desafios do mundo contemporâneo. A mesma liberdade que expandiu a democracia pelo globo – e permitiu grandes avanços na economia e no comportamento – deu impulso ao desemprego em massa e à exclusão social. Paradoxalmente, a tecnologia ajudou a expandir fenômenos supostamente arcaicos, como o fundamentalismo religioso, o radicalismo político, a xenofobia e as rivalidades nacionais, que se imaginava extintas após o fim da Guerra Fria. 
    
    A era da intolerância expõe como o globalismo, levado um passo adiante com a revolução tecnológica, gerou riqueza – e também um cenário de conflitos e medo, catapultando a intolerância, que encontrou no meio digital, segundo as palavras do autor, o “ambiente ideal para prosperar”. 
    Tendo em vista a superpopulação, a ameaça climática e a crise surgida com a mudança estrutural da economia, A era da intolerância aponta o grande desafio dos sistemas democráticos: resgatar sua promessa de entregar uma vida melhor para todos, diminuindo o estresse social. E vencer as forças demagógicas ou autoritárias que levam a conflitos com poder destrutivo de alcance apocalíptico.
    História da inseminação do passado no presente, ou ensaio sobre o equilíbrio orgânico da civilização, A era da intolerância afirma o princípio de que somente a liberdade pode resolver os problemas criados pela própria liberdade. E resulta numa obra para figurar não apenas na galeria das grandes reportagens históricas, como também entre os ensaios essenciais à criação de soluções para a sociedade de hoje e de todos os tempos.
    Show book