Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Fotodiário - Registro celular do cotidiano - cover

Fotodiário - Registro celular do cotidiano

Henrique Koifman

Publisher: Jaguatirica

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

As 100 fotos selecionadas por Henrique Koifman escaparam da febre de filtros que vem criando gênios e feiticeiros dos gadgets. As legendas que acompanham as fotos primam por uma simplicidade elegante, chamando a atenção para o maior talento do autor: o de fino cronista.
Available since: 02/26/2016.

Other books that might interest you

  • The Beatles - cover

    The Beatles

    Carlos Santa Rita

    • 0
    • 0
    • 0
    Cavaleiros do Apocalipse? De certa forma sim! Afinal eles fizeram a maior revolução musical do século.
    Show book
  • Em torno da imagem e da memória - cover

    Em torno da imagem e da memória

    Elcio Loureiro Cornelsen

    • 0
    • 0
    • 0
    'Os diversos ensaios que compõem o presente volume, 'Em torno da imagem e da memória', organizado por Elcio Cornelsen, Elisa Amorim e Gonzalo Leiva Quijada, transitam entre diversas expressões artísticas como a pintura, o cinema, a literatura, o desenho, a colagem e, sobretudo, a fotografia, seja enquanto retrato, registro documental, ou enquanto refotografia, fotopintura, fotografia pós-morte e pictorialismo. Assim, nos textos que procuram estabelecer relações entre imagem e memória na arte contemporânea, o que se observa predominantemente é o caráter híbrido da imagem apresentada pelos artistas, o seu caráter intermediático, que se configura na fronteira entre as diversas linguagens. Já nos ensaios que se voltam para as imagens de eventos traumáticos, ou que se voltam para a busca do que resta do passado no presente, evidencia-se o caráter de resistência da arte: resistência contra o horror, contra o trauma, contra a ausência e, sobretudo, resistência à política do esquecimento. Assim, este livro apresenta ao leitor o olhar múltiplo e instigante de diversos pesquisadores, artistas e escritores, em diálogo com alguns dos pensadores e filósofos indispensáveis para que se reflita o presente e para que se possa vislumbrar os rastros do passado que sobrevivem e insistem nos tempos atuais.'
    Show book
  • Do mundo de Herberto Helder - cover

    Do mundo de Herberto Helder

    Luis Maffei

    • 0
    • 0
    • 0
    Do mundo de Herberto Helder ensina: 'A luta é dolorosa desde sempre/ antes de Homero escrever/ cantar que a luta é dolorosa' (Maffei, Vista de Olímpia, 2016). Aceite o ensaio como gênero impuro (Goulart), no limiar do poema, sem estabelecer dependência de qualquer lei de gênero (Silvina Rodrigues Lopes), enquanto acadêmico e ensaísta, Luis Maffei não teme interrogar a hipótese de haver uma pedagogia da poesia em geral e da herbertiana em particular, sabendo que ensinar literatura é já um paradoxo. Leitor incendiado por dentro do fogo que a faca não corta, Maffei coloca-se no centro da ferida-Herberto – quem será este tipo? quem será este texto? –, em combate e embate frontal com o poema, puro e duro, em cópula. Resultado do trabalho de mais de década e meia de investigação, este livro participa da lição (e é dela réplica, também sísmica) de Camões e de Herberto-leitor-de-Camões, conforme à metamorfose do amador em que se transforma o leitor na coisa lida. Em pathos e patologia partilhada com raros ensaístas que pertencem à comunidade aflitiva que lê A poesia portuguesa hoje (Gastão Cruz), Luis Maffei é, dos da sua geração, um dos mais antigos, informados e potentes leitores da atualidade, sujeito forte em diálogo revolto e desobediente com parte do cânone da literatura portuguesa, que se refaz com a sua leitura. A concepção eminentemente atual do poema (Ruy Belo, Na senda da poesia) herbertiana é, pela leitura de Maffei, expandida a um programa: o exercício de um poder que atende pelo nome arriscado de liberdade. A luta é dolorosa e a poesia não salva. E, no entanto, há raros leitores como Maffei (um dos ensaístas vivos que me interessa mais), que criam uma zona de liberdade transitável. Este lugar (em que é livre também ser contaminado) é lição a ser aceite por quem ler 'os livros atrás a arder para toda a eternidade'.
    Show book
  • Aretha Franklin - cover

    Aretha Franklin

    Carlos Santa Rita

    • 0
    • 0
    • 0
    Aretha Franklin era filha de um pastor batista, recebeu o apelido de A voz de um milhão de dólares. A vida dura na estrada expôs Aretha Franklin ainda com pouca idade a compromissos de uma pessoa adulta. Aos 14 anos, ela se tornou mãe do primeiro filho. Aretha foi a primeira artista feminina a ser introduzida no Rock and Roll Hall of Fame e também foi premiada com um doutorado honorário da Universidade de Detroit. Teve câncer e continuou sendo uma das maiores divas da musica até falecer em 16 de Agosto de 2.018. Sua vida foi cheia de fatos inusitados que valem a pena serem ouvidos aqui no Music And History.
    Show book
  • Arte Santeira - barro e madeira no imaginário na devoção e no trabalho do povo - cover

    Arte Santeira - barro e madeira...

    Marco Antonio Fontes de Sá

    • 0
    • 0
    • 0
    á vários anos eu estava no Piauí fotografando artesãos e encontrei um santeiro, Charles de Castro Silva, modelando uma imagem de São Camilo em barro. Ele me contou que quando era menino, na época do Natal, sempre pedia para que a mãe comprasse um presépio, mas nunca era atendido. Um dia resolveu modelar, ele mesmo, um presépio de barro. Dessa época em diante, nunca mais parou de fazer santos de barro. A motivação de Charles é o ponto de partida para esta pesquisa, cujo objeto geral é a Arte Santeira, frequentemente chamada também de Arte Imaginária por vários autores.Quantos artesãos deve haver hoje que, como Charles, são motivados por uma devoção?Quantos esculpem santos em madeira ou barro porque se encantaram com essa forma de arte?Quantos fazem a mesma coisa porque descobriram que podem viver desse trabalho?É de se esperar que todo artesão tenha a escultura como forma de trabalho e de geração de renda, mas também é de se esperar que essa motivação possa ser consequência de uma das outras, e que nem sempre seja a razão primeira do engajamento nessa produção artística. Charles é um exemplo de alguém que fez do seu desejo de contemplar um presépio, uma forma de ganhar a vida. Os trabalhos sobre arte santeira que existem publicados no Brasil são, na maioria, análise de peças do barroco colonial dos acervos de museus e de colecionadores, ou são biografias de artesãos contemporâneos. Esse trabalho tem a intenção de ser uma fusão dessas duas formas deexaminar o tema.
    Show book
  • Esse Gato Ninguém Segura O Pulo do Gato - 45 Anos de sucesso do programa de rádio - cover

    Esse Gato Ninguém Segura O Pulo...

    Claudio Junqueira

    • 0
    • 0
    • 0
    Esse Gato Ninguém Segura relata os 45 anos de sucesso do programa de rádio O Pulo do Gato. Há quase meio século (45 anos, mais precisamente), São Paulo acorda ao som do mesmo miado – o miado do “gato radiofônico” mais famoso do Brasil: o d’O Pulo do Gato, da Rádio Bandeirantes.
    Show book