Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Mulheres pessegueiro - cover

Mulheres pessegueiro

Patsy Cecato

Publisher: EDIPUCRS

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Troféu esperteza para os homens que não me quiseram para casar, que me preteriram pela bonita, pela rica, pela inteligente, pela esposa e mãe de seus filhos. Ninguém merece uma mulher sem sentimentos como eu. Fiquei expert em levar fora, titia, quatro noivados e um funeral, porque um dos noivos eu matei dentro de mim, mas os outros três eu encontro de vez em quando para um chopinho, uma roda de samba... (Betinha Pessegueiro)

Other books that might interest you

  • Uma Espécie de cinema - cover

    Uma Espécie de cinema

    Joana Matos Frias, Luís Miguel...

    • 0
    • 0
    • 0
    Os organizadores dessa antologia reuniram 50 poemas brasileiros e 50 poemas portugueses, em função da presença temática e estrutural do cinema. Diz Herberto Helder que as palavras têm a virtualidade de ganhar autonomia, reportando-se à um universo que descreve como 'uma espécie de cinema das palavras/ ou uma forma de vida assustadoramente juvenil'. Em alguns dos textos selecionados é, de fato, a valorização do fluxo das imagens e dos processos de montagem que determina um vínculo com o cinema. No entanto, a relação entre a poesia contemporânea e o cinema não se esgota neste tipo de articulação, como também o demonstram outros textos convocados, nos quais são sobretudo visíveis as articulações temáticas e os processos ecfrásticos que retomam sequências fílmicas específicas.
    Show book
  • De amor ardem os bosques - cover

    De amor ardem os bosques

    Maria Azenha

    • 0
    • 0
    • 0
    Há qualquer coisa de panteísta na poesia de Maria Azenha. O sagrado confunde-se com a natureza em intensa viagem por seus versos, e os sentidos desdobram-se em dimensões dormentes, que só o poema proporciona. A rebeldia instintiva dos bosques serve de cenário a um profundo diálogo com a existência metafísica de objetos, sentimentos, animais e plantas. Em seu novo livro De amor ardem os bosques, dividido em cinco folhas, Maria Azenha conduz e envolve o leitor por diferentes momentos dessa interação. A poeta portuguesa não se faz só e chama para seus versos autores consagrados, com quem conversa sobre elementos diversos, como árvores, amor e nuvens, imagens, simbólicas e concretas, simbioticamente ligadas, que aqui transcendem seu sentido original e previsível.
    Show book
  • Divagaísmo - cover

    Divagaísmo

    Claudio Furtado

    • 0
    • 0
    • 0
    Divagaísmo' é essa arte de sair só e lentamente da realidade. Se antes os poetas flanavam para encontrar inspirações nos ares das ruas, hoje eles divagam através do éter, através desse grande espaço mágico, único e interminável que é a existência. Os poemas de Cláudio Furtado vão revelando surpresa, dúvida, deslumbramento, espanto, encontrando um mundo que não precisa ser real e concreto, mas que pode ser ideal e criado com as palavras.
    Show book
  • Uxé - cover

    Uxé

    Ana Crespo

    • 0
    • 0
    • 0
    Uxé mora no Pantanal. Todos os dias ela pesca com seu pai, faz bichinhos de barro com sua avó, e pinta o rosto de vermelho.  Ela é uma menina feliz.  Um dia, a vovó fica muito doente. Desesperada, Uxé embarca numa aventura em busca de remédio para a vovó, sem imaginar que vai enfrentar um grande perigo.
    Show book
  • Poemas inconstantes - cover

    Poemas inconstantes

    Siomara Spinola

    • 0
    • 0
    • 0
    A vida pela ótica poética de uma multiplicidade de eus, fora de rótulos, de um ser-em-devir, cheio de vontades, divergências, afetos; um ser que busca e rebusca o amor, com suas dobras de pensamento, suas distâncias e escolhas dentro da geografia de um tempo-espaço visto como potência de beleza e caos. Siomara Spinola é uma poeta múltipla, transbordante, feita de trilhas fugidias e palavras que compartilham acalento, perda e liberdade. Como a própria autora afirma: “Por que ser uma, por que ter de ser ou não ser se o ser e o não-ser são criaturas inconstantes que coabitam em mim num caos sem começo nem fim?”. Imanentes e inconstantes, seus poemas refletem essa personalidade de “loba solitária desgarrada da matilha, livre, selvagem, bicho arisco em ronda vigilante, espreitando territórios, cautelosa, nômade por natureza, estranha incógnita”. Seus versos são de uma grande verdade íntima, trazem uma sensação de sopro e a possibilidade de usar a poesia como um eco na multidão.
    Show book
  • Aos nascidos em 1979 - cover

    Aos nascidos em 1979

    Luiz Belmiro Teixeira

    • 0
    • 0
    • 0
    A poesia de Luiz Belmiro funda-se na mistura de temas que exploram as relações, as sensações, o toque, o contato. O poeta é um guardião das horas, alado, pontual, que pode roubar a substância do abstrato e dialogar com os elementos que trazem vida à sua poesia: o amor, o feminino, a pele, o corpo. Neste belo livro de estreia ‘Aos nascidos em 1979’, seus versos passeiam pela geografia do espaço, sua Curitiba, a cidade surreal. A multiplicidade dessa vida na cidade propõe novas percepções sobre o local, seus silêncios, suas pulsações. Ao construir sua linguagem, o autor ainda nos oferece uma sensível visão sobre a profundidade da existência do ser poeta. E nisso reside sua riqueza: a multiplicidade da vida, poética e real. Distintos tons que, nas palavras do poeta, são um vislumbre de todos os demais.Luiz Belmiro Teixeira é curitibano, graduado em Ciências Sociais pelaUniversidade Federal do Paraná (2004), Mestre em Sociologia pelaUniversidade Federal do Paraná (2006) e é professor de Sociologia no IFPR. A poesia o encontrou cedo,e desde então procura os versos para escrever sobre Curitiba, o amor, política, a vida, o universo e tudo mais. Traz referências da cultura pop (cinema, música e hq’s) para compor seus poemas. Antes da estreia emlivro próprio, publicou em coletâneasde concursos e oficinas literárias.
    Show book