Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Silêncio - cover

Silêncio

Marcelo Moraes Caetano

Publisher: Jaguatirica

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Os 68 poemas do novo livro ‘Silêncio’, de Marcelo Moraes Caetano, são prefaciados por Roberto Crema e pelo Professor Antonio Carlos Secchin, que encontram, nesta obra, a sinergia e a interação do autor com os poetas clássicos, compositores e profetas. Roberto Crema anota que o autor é “um artesão peregrino das letras, das melodias, dos insights e da embriaguez da poesia”, um “buscador inquieto, que aprendeu a saber não saber”, premissa para um poeta que se queira invulgar. Já o Professor Secchin observa em Marcelo a faceta de um “poeta nômade” que atravessa não só espaços culturais e geográficos, como transita bem na forma poética, caminhando entre o verso livre e a prática das formas fixas, como nos belos sonetos deste ‘Silêncio’. E está certo o autor em empreender conversas e reflexões infindas com aqueles que vieram antes dele, ou mesmo de caminhar por intermédio do mundo e do fazer poético. Se o dom da profecia é, como dito por Paolo Prodi, praticado apenas por quem sabe ler os signos dos tempos, se é o dizer de Deus na voz do povo, a poesia é a arte da palavra e a palavra em estado de arte. Neste sentido, Marcelo, neste livro, mostra que segue as tradições poética e profética, na medida em que ambos, em seus ofícios, precisam escutar o silêncio, o invisível, o inefável, o divino. E é isto a que Marcelo se dedica em toda a sua vida, em todos os seus fazeres e saberes: a escutar o silêncio essencial, a perscrutar o vazio escuro e criador que precede a luz, e a praticar o ato primordial que foi concedido ao Homem pelas divindades: a criação.
Available since: 04/01/2020.

Other books that might interest you

  • Versos Negros - Clamores Africanos - cover

    Versos Negros - Clamores Africanos

    Antonio Fernando Mattza

    • 0
    • 0
    • 0
    Luz na escuridão das senzalas, o negro grita seus medos e verdades, a escravidão desfila sua história sangrenta pelas ruas do Brasil.A palavra de ordem é a liberdade e a poesia faz coro com o sentimento de escravos e abolicionistas que buscavam a igualdade entre brancos e negros, algo que até hoje se busca achar.A dor e o sonho, o medo e a busca, a força e a verdade fazem parte de cada uma das páginas desse livro, revelando de maneira marcante e emocionante o que foi a escravidão no Brasil.
    Show book
  • Sexo a três - cover

    Sexo a três

    Vinni Corrêa

    • 0
    • 0
    • 0
    Nada mais erótico na poesia do que o haicai. Nessa obra, são mais de 100 poemas do estilo com uma linguagem pornopoética adicionada a eles. Em 'Sexo a Três', o erotismo e a poesia são uma mesma unidade sustentada pelo tripé Corpo, Alma e Palavra. Essa obra poética traz para o leitor prazer, gozo e orgasmo físico, mental e linguístico. Os jogos de palavras dos haicais dão significado místico às cenas de dança entre os corpos e a teia de desejos e fantasias do ser. 'Sexo a Três' demonstra que qualquer tema pode ser tratado poeticamente, sobretudo, o pornô.
    Show book
  • Mulher - cover

    Mulher

    Antonio Ramalho

    • 0
    • 0
    • 0
    O livro 'Mulher', do escritor, médico e poeta António Pereira Ramalho, traz uma colecção de poemas dedicados à mulher na sua essência, naquilo que é, e que só ela representa. Há, nas poesias de António Ramalho, traços de histórias de um tempo e de um lugar, no toque da paixão que sente o coração do poeta. Pelos versos do poema, pode-se amar o que ela é, e o que não é; pode-se amar a quem diz saber a direcção para tentar sempre, o rosto que se oferece sempre aberto aos demais, a partilha de uma luz que acontece quando menos se espera.
    Show book
  • Ecos do Leste da República Democrática do Congo: Poemas de uma Terra de Guerra Perpétua - cover

    Ecos do Leste da República...

    Marien-Edgard Ngbali BEMI

    • 0
    • 0
    • 0
    Descubra uma viagem poética arrebatadora através dos ecos do leste da República Democrática do Congo com a coleção "Ecos do Leste da República Democrática do Congo: Poemas de uma Terra de Guerra Perpétua". Através de 13 capítulos cativantes, mergulhe nas profundezas desta região marcada por um conflito perpétuo. 
    Os poemas ressoam como testemunhos pungentes da dor do conflito, expondo as cicatrizes invisíveis deixadas por décadas de violência. Explore a resiliência das almas, a natureza ferida e a frágil esperança, à medida que cada capítulo revela uma faceta emocional desta terra marcada por cicatrizes. 
    "Ecos do Leste da República Democrática do Congo" transcende os limites da poesia tradicional, mergulhando em temas sociais e políticos complexos. Desde a história angustiante das crianças até às repercussões da violência sexual como arma de guerra, cada poema é uma nuance na paleta emocional desta realidade complexa. 
    A procura da paz e a luz na escuridão oferecem um vislumbre de esperança, enquanto o paradoxo da RDC encerra esta viagem com uma reflexão sobre as contradições de uma terra rica em recursos mas empobrecida pela guerra. 
    Cada página desta coleção é cuidadosamente tecida, cada poema é uma sinfonia de emoções. Quando se fecha o livro, os ecos destes poemas permanecem, convidando os leitores a sentir, compreender e agir. "Ecos do Leste da República Democrática do Congo" é muito mais do que uma coleção de poemas; é um apelo à compaixão, à justiça e à construção de um futuro onde a poesia conta uma história de resiliência e reconstrução. Mergulhe nesta experiência literária inesquecível.
    Show book
  • Poemas de vida e de morte de um médico à noite - cover

    Poemas de vida e de morte de um...

    Gustavo Nobre de Jesus

    • 0
    • 1
    • 0
    O escritor e poeta Gustavo Nobre de Jesus, um médico habituado aos longos plantões no hospital da cidade de Lisboa, nos seus 14 poemas nos fala sobre aquilo que o assombra nas noites mais frias, sobre 'estar só / estar indelevelmente só', já que há sempre algo de dramático em escrever poemas. As noites são cativas, as solidões são desperdiçadas entre os barulhos da cidade, televisões, leituras e crianças que correm no andar de cima. 'Nós éramos um filme, Hollywood era Lisboa, eu sentia-me Bogart e junto aos lábios fiz o que pude'. Assim são os poemas - crus e de uma realidade arrebatadora - de Gustavo Nobre, um homem, um médico, que se depara com a crueza da vida nos corredores assépticos de um hospital e, paradoxalmente, é arrebatado nas páginas daquilo que escreve, com a assepsia do contato humano, sempre mediado por livros, telas, links do Youtube e aplicações de iPad.
    Show book
  • Rede de orvalho - cover

    Rede de orvalho

    Maria Gorete de Moura

    • 0
    • 0
    • 0
    Rede de Orvalho que banha a noite e os sonhos. Palavrasque simbolizam uma história, pontuam um tempo, falam doamor e da vida de uma mulher.Este é um livro pensado para as mulheres mas quemerece ser lido pelos homens, pois assim se pode conhecerde perto o coração marcado pela alegria e até mesmo pelador que bate no peito feminino.Uma obra que através de vigorosas poesias nos leva acaminhar por uma estrada de desejos, onde a realidade fazpar com a ficção.Rede de Orvalho chega de maneira sincera para nosenvolver durante noites e dias, sempre aconchegante eterno, fazendo uso de verdades e sinceras declarações deamor a vida.
    Show book