Instant satisfaction for your thirst for knowledge!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Read online the first chapters of this book!
All characters reduced
Divagaísmo - cover

Divagaísmo

Claudio Furtado

Publisher: Jaguatirica

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Divagaísmo' é essa arte de sair só e lentamente da realidade. Se antes os poetas flanavam para encontrar inspirações nos ares das ruas, hoje eles divagam através do éter, através desse grande espaço mágico, único e interminável que é a existência. Os poemas de Cláudio Furtado vão revelando surpresa, dúvida, deslumbramento, espanto, encontrando um mundo que não precisa ser real e concreto, mas que pode ser ideal e criado com as palavras.

Other books that might interest you

  • Um novo tempo - cover

    Um novo tempo

    Arlinda Iza Almeida De Souza

    • 0
    • 0
    • 0
    Obra poética com belos e sublimes poemas e poesias para enlevo espiritual, meditação e contemplação. Especial trabalho que traz como essência principal o amor, com versos de fácil entendimento e que alimenta a alma.
    Show book
  • Brincando em cordel - cover

    Brincando em cordel

    Cleusa Santo

    • 0
    • 0
    • 0
    Este audiolivro contém os textos: A lenda da galinha d'angolaJoselito e sua cabraSúplica de um papagaioA menina que viajou no arco-írisA lagartinha e a rosaRino, o rato que roeu a roupa do rei de RomaUm amor para o SaciO casamento da chapeuzinhoUma formiga em HollywoodAninha e seus cachinhosCleusa Santo é poetisa cordelista, com cinco livretos publicados pela editora Luzeiro. Entre eles está Rino, o rato que roeu a roupa do rei de Roma, que recebeu o prêmio Mais Cultura de literatura de cordel em 2010, edição Patativa do Assaré, do Ministério da Cultura. É arte educadora, contadora de histórias e dirige a companhia teatral Gratitude.
    Show book
  • Duas histórias e um programa de tv - cover

    Duas histórias e um programa de tv

    Stella Bento

    • 0
    • 0
    • 0
    Escrevi Duas histórias e um programa de TV numa tentativa de refletir sobre superexposição; sobre confusão entre ser famoso e ser artista; sobre a falta de jornalismo e de informação e excesso de "coisa-nenhuma" em programas pretensamente jornalísticos. É um início de diálogo. Há muito o que ponderar e dialogar sobre o assunto.
    Stella Bento
    Show book
  • Conversas com versos e mares de marés - cover

    Conversas com versos e mares de...

    Mario Lago Filho

    • 0
    • 0
    • 0
    Impressiona o ritmo que Mário Lago Filho imprime aos seus versos. Nenhuma sílaba fora de lugar, nenhuma palavra desnecessária, sem firulas, mas sofisticados em sua simplicidade. Revela um poeta quixotesco, cavalgando no combate aos redemoinhos, casamento da loucura com a sensatez, sem grades ou muros. Poemas com forte sotaque carioca, samba de subúrbio, cerveja quente da Lapa, papo de cachaça e boteco, revestidos daquela sabedoria  de quem sempre ousou o avesso e escapou incólume. Uma conversa sobre a solidão do homem urbano, sobre amores que permanecem, ou se esvaem ao primeiro sol da manhã. Mário Lago Filho é um andarilho que ousa as vertigens dos labirintos profundos, aguenta o tranco  e permanece de pé.  Apresentação de Mano Melo.
    Show book
  • Desencantos - cover

    Desencantos

    Joaquim Maria Machado de Assis

    • 0
    • 0
    • 0
    Desencantos é uma curta peça em dois atos, obra da juventude de Machado de Assis, publicada muito antes do seu livro de poemas, "Crisálidas" e de seus muito famosos romances. (Sumário escrito por Leni) 
    Cast:Narrador – MattClara de Souza – LeniLuís de Melo – PonteduraPedro Alves –  Vicente Costa FilhoUm criado –  Vicente Costa Filho
    Show book
  • Poemas de vida e de morte de um médico à noite - cover

    Poemas de vida e de morte de um...

    Gustavo Nobre de Jesus

    • 0
    • 0
    • 0
    O escritor e poeta Gustavo Nobre de Jesus, um médico habituado aos longos plantões no hospital da cidade de Lisboa, nos seus 14 poemas nos fala sobre aquilo que o assombra nas noites mais frias, sobre 'estar só / estar indelevelmente só', já que há sempre algo de dramático em escrever poemas. As noites são cativas, as solidões são desperdiçadas entre os barulhos da cidade, televisões, leituras e crianças que correm no andar de cima. 'Nós éramos um filme, Hollywood era Lisboa, eu sentia-me Bogart e junto aos lábios fiz o que pude'. Assim são os poemas - crus e de uma realidade arrebatadora - de Gustavo Nobre, um homem, um médico, que se depara com a crueza da vida nos corredores assépticos de um hospital e, paradoxalmente, é arrebatado nas páginas daquilo que escreve, com a assepsia do contato humano, sempre mediado por livros, telas, links do Youtube e aplicações de iPad.
    Show book