Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
O Padre o doutor e os diabos que os carregaram - Brasil Fantástico - cover

O Padre o doutor e os diabos que os carregaram - Brasil Fantástico

Antonio Luiz M. C. Costa

Publisher: Editora Draco

  • 0
  • 1
  • 0

Summary

Conto fantástico de Antonio Luiz M. C. Costa, autor de Crônicas de Atlântida. Um padre narra suas aventuras no Rio da Contas, onde encontra uma misteriosa tribo, tão pura quanto libertina. O resultado muda totalmente a visão que ambos os povos ‘atrasados’ tinham uns dos outros.

Other books that might interest you

  • Aventuras fabulosas por universos extraordinários - Space Opera - cover

    Aventuras fabulosas por...

    Roberta Spindler

    • 0
    • 0
    • 0
    Alerta vermelho! Todos aos seus postos! A nave Space Opera está pronta para a batalha final.Poderosas naves atravessam o hiperespaço e desbravam fronteiras galácticas. Seres exóticos, robôs, pós-humanos e suas aventuras e peripécias.Frágeis e indefesas princesas planetárias em apuros e as destemidas e habilidosas heroínas que não fogem à luta. Inteligências artificiais fora do controle e heróis do espaço em sua batalha constante contra as forças do mal que ameaçam a paz galáctica.A luta pela sobrevivência da humanidade e os insondáveis mistérios do universo.Assim é a “space opera”, o mais famoso subgênero da ficção científica, celebrado no cinema, TV e literatura. Após o sucesso da primeira antologia brasileira de ficção científica espacial, publicada pela Editora Draco em 2011, e de seu segundo volume em 2012, a trilogia se encerra com o último episódio deste projeto, capitaneado pelos organizadores Hugo Vera e Larissa Caruso.Com prefácio de Flávio Medeiros Jr, vencedor do prêmio Argos de melhor conto de Ficção Científica em 2012, este último volume traz contos e noveletas da intrépida tripulação de autores brasileiros e portugueses: Roberta Spindler, Luis Filipe Silva, Antonio Luiz M. C. Costa, Júlia Durand e Rui Leite, Sid Castro, Carol Chiovatto, Pedro Vieira, Hugo Vera e Cirilo S. Lemos.Descubra por que a Space Opera se tornou sinônimo de ficção científica no mundo todo.
    Show book
  • A Pianista de Auschwitz - cover

    A Pianista de Auschwitz

    Fania Fénelon

    • 0
    • 1
    • 0
    15 de abril de 1945. A execução dos músicos estava marcada para a parte da tarde. Fania definhava, sem esperança e à beira da morte, quando o exército aliado entrou no campo de Bergen-Belsen. Por insistência dos soldados, tocou, no único piano disponível e durante cerca de meia hora, uns improvisados God Save the King, A Marselhesa e A Internacional.
    
    Antes de se tornar prisioneira, Fania Fénelon tocava piano e cantava em Paris. Capturada pelos nazis, foi levada para Auschwitz, onde se juntou à orquestra feminina que existia no campo, composta exclusivamente por reclusas. E ora tocava para os prisioneiros que rumavam às câmaras de gás, ora para os oficiais alemães que relaxavam das suas macabras tarefas.
    
    Com uma capacidade surpreendente de encontrar humor e sentido onde apenas o desespero devia prevalecer, a autora relata a sua história no campo de concentração e escreve sobre o amor, o riso, o ódio, o ciúme e a tensão que atormentavam este grupo «privilegiado» de mulheres. Cada qual à sua maneira, faziam música para sobreviver num lugar onde o horror inimaginável se misturava com os pesadelos mais terríveis.
    
    A Pianista de Auschwitz narra, denuncia e preserva a memória do que aconteceu num dos momento mais terríveis da história, e também motiva a reflexão para o contraste entre os valores éticos necessários, válidos e defensáveis diante da iminente ameaça de morte.
    Críticas de imprensa
    «Uma celebração do poder do espírito humano.»
    The New York Times Book Review
    
    Nota do autor
    Tinha de me curar dos campos. Isso demorou anos, uns atrás dos outros… Após trinta anos de silêncio, ao longo dos quais me esgotei a tentar esquecer o que não podia sê-lo, percebi que era escusado, que não esqueceria...»
    Fania Fénelon
    Show book
  • Temos que cumprir a cota - Space Opera - cover

    Temos que cumprir a cota - Space...

    Letícia Velásquez

    • 0
    • 0
    • 0
    Conto de Letícia Velásquez. A humanidade tem que pagar um terrível preço por sua ousadia em desafiar os senhores do espaço. Resta saber se conseguirão atingir a cota a tempo.
    Show book
  • Comunicação Não-Violenta - cover

    Comunicação Não-Violenta

    Marshall Rosenberg

    • 0
    • 0
    • 0
    Num mundo violento, cheio de preconceitos, conflitos e mal-entendidos, procuramos ansiosamente por soluções que melhorem a relação que temos com os outros. Infelizmente, durante séculos, a nossa cultura nos ensinou a pensar e a falar de maneira a perpetuar o conflito, a violência e até a dor.
    
    Mas saber ouvir o que está de facto a ser dito pelo outro e ser capaz de expressar o que de facto queremos dizer pode parecer simples, mas não o é. Nesta obra, Marshall Rosenberg apresenta o método da comunicação não-violenta que conjuga aptidões práticas com uma consciência e vocabulário poderosos, para ajudar qualquer pessoa a conseguir aquilo que deseja de forma pacífica.
    
    Quando compreendemos as verdadeiras necessidades que temos, criamos um território comum com os nossos interlocutores e as relações tornam-se mais satisfatórias e profundas. Nesta obra, Marshall Rosenberg ensina-nos a descobrir os sentimentos que pulsam em nós por trás das aparências. Mostra-nos também que as nossas ações são baseadas em necessidades humanas que todos procuramos preencher.
    
    A comunicação não-violenta resulta da integração de 4 aspetos:
    Consciência: um conjunto de princípios que apoiam uma vida de empatia, colaboração, coragem, autenticidade e liberdade.
    Linguagem: entender como as palavras contribuem para a ligação ou o distanciamento.
    Comunicação: saber como pedir o que queremos, como ouvir os outros mesmo com opiniões diferentes das nossas e como avançar para soluções que funcionem para todos.
    Influência: partilhar «poder com os outros» em vez de usar «poder sobre os outros».
    Críticas
    «Marshall B. Rosenberg pôs em primeiro plano a simplicidade da comunicação bem-sucedida. Sejam quais forem as suas questões, as suas estratégias para a comunicação com outras pessoas preparam o leitor para ganhar sempre.»
    Tony Robbins
    
    «A comunicação não-violenta pode mudar o mundo. Ainda mais importante, pode mudar a nossa vida. Não consigo recomendá-la tanto quanto ela merece.»
    Jack Canfield
    
    «Não é normal que se viva num mundo no qual há milhares de ogivas nucleares apontadas para o inimigo e o terrorismo é um ato religioso aceitável (…) A comunicação não-violenta liga a alma das pessoas e promove a sua regeneração.»
    Deepak Chopra
    Show book
  • Uma Princesa de Stroff-Binger - Space Opera - cover

    Uma Princesa de Stroff-Binger -...

    J�lia Durand

    • 0
    • 0
    • 0
    Conto da antologia Space Opera: Aventuras fabulosas por universos extraordinários por Júlia Durand e Rui Leite. O casamento da princesa Eramithe com Gazkzak Von Stoff-Bingen não foi o conto de fadas que ela esperava. Já Victor não tem grandes planos na vida a não ser, no momento, entregar a carga de polvos radioativos que transporta em sua nave. Quando os dois se cruzam em um restaurante espacial perdido no meio de uma nebulosa ácida, partem em uma fuga conjunta por toda a galáxia, que os levará a enfrentar jornalistas intrometidos, pirilampos libidinosos e escapar à perseguição constante de Aldus-Tera, um ser bicorpóreo a serviço da corte de Stroff-Bingen. E para piorar, ainda é só segunda-feira.
    Show book
  • Portugal Razão e Mistério - cover

    Portugal Razão e Mistério

    António Quadros

    • 1
    • 1
    • 0
    A razão de Portugal, a razão de ser deste país antigo, encontra-se envolta na mais densa bruma. Tornou-se um mistério ou é um mistério? A emergência da nação lusíada, o seu destino inesperadamente fulgurante, o seu projecto áureo, a sua persistente resistência à adversidade, a sua longa e relutante decadência, os seus mitos de regeneração, as suas obras de génio, tudo é hoje interpretado casualmente, a partir de teorias da história opacas, diminutivas, reducionistas, que no fundo espelham o dominante espírito empedecido da nossa época positivista, materialista, utilitarista.
    
    Portugal, Razão e Mistério é por uma parte a razão, razão teleológica, que guiou a inteligência portuguesa na aventura do seu ser e do seu estar no mundo, e por outra parte o mistério, subjacente ao seu destino glorioso e infeliz, universalista e contudo sempre problemático.
    
    Ao abordar temas como a caracterização de um Portugal arquétipo, a Atlântida finalmente identificada com a civilização megalítica galaico-portuguesa ou as raízes templárias, cistercienses e joaninas do nosso país nos seus primeiros séculos, e, seguidamente, o que foi o projecto áureo de um Império do Espírito Santo, e depois os caminhos labirínticos para onde nos levou a saudade da Pátria prometida em termos cíclicos de mito, de decadência e de desejo regenerador, António Quadros procura mostrar-nos simultaneamente um Portugal profundo, um Portugal imaginário e também um Portugal ainda potencial, que depende menos de uma vontade política do que de um saber da sua essência ocultada e empecida.
    Show book