Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
O Anatomista - e outros contos - cover

O Anatomista - e outros contos

Adir ben Kauss

Publisher: Outras Letras

  • 0
  • 1
  • 0

Summary

'O anatomista', segundo livro de Adir ben Kauss, reúne 30 histórias que transitam pelos desamores e esperanças de homens e mulheres comuns, com quem, sem perceber, cruzamos nas grandes cidades, e que, por vezes, são protagonistas de dramas urbanos.O autor se utiliza de técnicas narrativas para uma construção ficcional realista, também impregnada de um certo expressionismo literário. As histórias circulam pelo universo dos desencontros, das frágeis e intensas relações que configuram o sentido trágico da existência.O conto que dá título ao livro contém uma tentativa insana do protagonista de mudar o curso da vida e da morte como sua consequência natural.Não é um livro sombrio e amargo. Ao contrário. Seus personagens caminham destemidos no sentido de viver como sujeitos e não objetos de suas próprias existências, tendo consciência do direito de escolherem os seus destinos, mesmo sabendo do seu final trágico – a morte a que todos estamos condenados.Assim, é possível observar nos personagens das histórias contadas uma certa dose de luz representada pela crença na aventura humana.

Other books that might interest you

  • A Vida é um sorvete derretido - cover

    A Vida é um sorvete derretido

    Flávio Sanso

    • 0
    • 0
    • 0
    O livro ‘A vida é um sorvete derretido’, composto por 56 crônicas de Flávio Sanso, é uma tentativa de refrescar-se, um pequeno deleite em meio ao cotidiano, um ponto de alívio sobre a contemplação de um punhado de possibilidades sobre os rumos urbanos, esse bailado aleatório. As histórias delicadamente contadas são atalhos no tempo, e nós somos puxados como em um “barbante imaginário”, podendo olhar sem demora, degustando “prazer e percalços, euforia e incômodo” como quem se delicia com um sorvete na orla da praia. Transeuntes, vendedores, mães, filhas, passageiros de ônibus, casais, músicos, a tecnologia diária, os cachorros... O invisível se torna protagonista nas esquinas da vida, nos contornos das ruas, nas calçadas que se vão, os meandros do urbano e o cotidiano, visto com acalento e “resistência à decrepitude”. ?Flávio Sanso, cronista que já coleciona alguns prêmios, é um observador refinado, um “espião fajuto”, uma espécie de colecionador de curiosidades, que se mantém em movimento, porém numa “contemplação acanhada”. Ao fim de suas pequenas viagens, ele nos presenteia com sabores, entre fôlegos e alívios. A obra é um apanhado “encantadamente peculiar”, algo que se agita, “quer sair, ganhar o mundo, propagar-se por grandes distâncias”, ou talvez só “um olhar distraído para o lado e pronto”.
    Show book
  • A Rua do tempo - Uma escrita fora do mapa - cover

    A Rua do tempo - Uma escrita...

    Eduardo Carvalho

    • 0
    • 0
    • 0
    A escrita de Eduardo Carvalho é como uma inquietação singela. A beleza de suas crônicas está nos pequenos detalhes, no conforto do pertencimento, na beleza desensaiada de um Rio de Janeiro poético, como se estivéssemos sempre no meio do 'silêncio de um abraço muito, muito longo'. 'A rua do tempo: uma escrita fora do mapa' é um reencontro diário com a saudade de um tempo de outrora, uma sensação de acolhimento, um amor sublime, a contemplação sobre a alma da cidade singular, seja ela carioca ou francesa.
    Show book
  • Escute Amor - Crônicas de Affonso Romano de Sant'Anna - cover

    Escute Amor - Crônicas de...

    Affonso Romano de Sant'Anna

    • 0
    • 0
    • 0
    Nesta coletânea, Affonso Romano de Sant´anna nos fala sobre o amor em 26 crônicas. Mas, longe de tentar estabelecer teses, Affonso ora flerta com o amor, ora observa suas sutilezas; às vezes, admira sua simplicidade, outras vezes, deixa-se destroçar por sua tormenta. O amor, para Affonso, pode ser o amor da espera ou o amor infeliz, pode ser o amor infiel ou o da mulher madura; às vezes, está nas pequenas seduções cotidianas; outras vezes, evidencia-se entre os homens de negócio; pode ser o melhor — ou o pior — amor. Affonso Romano de Sant'Anna trabalha como cronista de grandes jornais brasileiros, lecionou no Brasil e no exterior e teve importante atuação na área executiva das políticas públicas voltadas para a difusão do livro no Brasil. Mas, sobretudo, Affonso é um poeta, um homem de letras e literatura. Tem mais de quarenta livros publicados e já recebeu vários prêmios importantes na área literária, como o Prêmio União Brasileira de Escritores (recebido duas vezes) e o Prêmio APCA - Associação Paulista de Críticos de Arte, pelo conjunto da obra. Atualmente, escreve para os jornais Estado de Minas e Correio Brasiliense.
    Show book
  • O coração apaixonado do baobá - cover

    O coração apaixonado do baobá

    Rafo Díaz

    • 0
    • 0
    • 0
    "O coração apaixonado do baobá" reúne sete histórias narradas pelo escritor peruano Rafo Díaz e ilustradas pelo artista moçambicano Osias André. Os contos são inspirados nos inúmeros mitos africanos sobre a árvore do baobá, também chamada de embondeiro, uma árvore gigante, sagrada, lendária e secular, cercada de mistérios e muita magia.
    Show book
  • Khaos e Khalmaria - Contos para um café da tarde - cover

    Khaos e Khalmaria - Contos para...

    Daniel Constantini

    • 0
    • 0
    • 0
    Khaos e Khalmaria apresenta um universo de luz e trevas, boas histórias narradas por uma inusitada figura que te convida para se acomodar e degustar cada gota deste mundo como um bom café
    Show book
  • O elo invisível - cover

    O elo invisível

    Patricia Maia Noronha

    • 0
    • 1
    • 0
    Existe quase sempre um elo, um aro, um anel, uma fotografia, um medalhão… objeto ou ideia que nos liga a algo ou a alguém. Afinal, não somos nós gregários e elementos da tribo? De uma qualquer tribo, a qual e por vezes, apenas acidental e circunstancialmente integramos, mal conhecendo o(s) outro(s) e a ele(a) nos ligando por um qualquer fio condutor geralmente por demais invisível ao olhar e sentir do outro elo. O da união. Do comum. Da partilha. (...) A escrita é limpa. Depurada. Despojada de adereços mas fulgente como a vida. A vida sem concessões.
    — Paulo Neto, director da revista literária "aquilino"
    Show book