Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
A Pianista de Auschwitz - cover

A Pianista de Auschwitz

Fania Fénelon

Publisher: alma dos livros

  • 0
  • 1
  • 0

Summary

15 de abril de 1945. A execução dos músicos estava marcada para a parte da tarde. Fania definhava, sem esperança e à beira da morte, quando o exército aliado entrou no campo de Bergen-Belsen. Por insistência dos soldados, tocou, no único piano disponível e durante cerca de meia hora, uns improvisados God Save the King, A Marselhesa e A Internacional.

Antes de se tornar prisioneira, Fania Fénelon tocava piano e cantava em Paris. Capturada pelos nazis, foi levada para Auschwitz, onde se juntou à orquestra feminina que existia no campo, composta exclusivamente por reclusas. E ora tocava para os prisioneiros que rumavam às câmaras de gás, ora para os oficiais alemães que relaxavam das suas macabras tarefas.

Com uma capacidade surpreendente de encontrar humor e sentido onde apenas o desespero devia prevalecer, a autora relata a sua história no campo de concentração e escreve sobre o amor, o riso, o ódio, o ciúme e a tensão que atormentavam este grupo «privilegiado» de mulheres. Cada qual à sua maneira, faziam música para sobreviver num lugar onde o horror inimaginável se misturava com os pesadelos mais terríveis.

A Pianista de Auschwitz narra, denuncia e preserva a memória do que aconteceu num dos momento mais terríveis da história, e também motiva a reflexão para o contraste entre os valores éticos necessários, válidos e defensáveis diante da iminente ameaça de morte.
Críticas de imprensa
«Uma celebração do poder do espírito humano.»
The New York Times Book Review

Nota do autor
Tinha de me curar dos campos. Isso demorou anos, uns atrás dos outros… Após trinta anos de silêncio, ao longo dos quais me esgotei a tentar esquecer o que não podia sê-lo, percebi que era escusado, que não esqueceria...»
Fania Fénelon

Other books that might interest you

  • A Luz da Ásia - cover

    A Luz da Ásia

    Edwin Arnold

    • 0
    • 0
    • 0
    Um extraordinário príncipe indiano uniu as melhores qualidades de um ser humano à inteligência e à dedicação de um mestre. Levou a sua mensagem através dos povos e mostrou-lhes o caminho da iluminação. Esse homem foi Siddhartha Gautama, o Buda. Esta é a sua história. Siddhartha era um príncipe bem-educado e nobre. Casou-se com uma bela mulher e teve um filho. Num dos seus passeios, ficou chocado e triste ao perceber o sofrimento do povo e os abusos infligidos aos animais. Deixou o palácio e renunciou a todos os prazeres mundanos para ir em busca da verdade e do significado da vida.
    
    Mais de uma terça parte da Humanidade deve as suas ideias morais e religiosas a este ilustre príncipe, cuja personalidade, embora revelada de um modo imperfeito pelas fontes de informação disponíveis, surge como a mais elevada, mais amável, mais santa e mais benéfica na história do pensamento. Na sua essência, A Luz da Ásia é um relato do percurso mais ou menos lendário da vida e da carreira espiritual do príncipe Siddhartha, o Buda, e um resumo dos princípios do grande sistema religioso que nele teve a sua origem. É abundantemente embelezado com alusões indianas e expressa completamente o próprio espírito do Oriente.
    Show book
  • Uma Nova História do Mundo Clássico - cover

    Uma Nova História do Mundo Clássico

    Anthony Spawforth

    • 0
    • 0
    • 0
    A magnífica civilização fundada pelos antigos gregos e romanos é o maior legado do mundo clássico e o verdadeiro berço da civilização tal como a conhecemos hoje. No entanto, as descrições vulgarmente aceites sobre ambos os impérios estão longe de ser precisas.
    
    Uma Nova História do Mundo Clássico, de Tony Spawforth, professor de História Antiga e uma figura proeminente no campo da História do Mundo Antigo e da Arqueologia, oferece-nos uma imagem verdadeiramente original dos povos e culturas que deram origem à nossa civilização.
    
    Desde a ascensão do mundo micénico, no século XVI a. C., Spawforth traça um caminho através do antigo Egeu até ao culminar do estado helénico e a ascensão do Império Romano, a chegada do cristianismo, e as consequências do primeiro califado.
    
    Este livro conta-nos a história de uma «civilização» da qual sem dúvida que subsistem a beleza e, certamente, o fator humano: a subtileza estética dos artistas que ainda hoje nos cativam; o entendimento da Humanidade e a sua descrição objetiva do que constitui as nossas breves vidas, são aspetos que suspendem o desespero face às limitações da natureza humana. Trazem-nos alegria e esperança.
    
    Profundamente informativa e cativante, esta é uma obra única e acessível, que relata a extraordinária História do mundo clássico em toda a sua extensão e grandiosidade.
    Críticas
    «Uma obra imensamente agradável, que devolve a vida ao passado.»
    Peter Frankopan
    
    Críticas de imprensa
    «Um excelente trabalho de pesquisa. Para além da descomplicada narrativa histórica, Spawforth faz conexões bastante inesperadas, mas relevantes. É um deleite.»
    Publishers Weekly
    Show book
  • O Castelo - cover

    O Castelo

    Luis Zueco

    • 1
    • 2
    • 0
    Esta história decorreu há mil anos, na Idade Média, uma época sombria e perigosa, em que a vida pouco valia e as religiões se enredavam em guerras sangrentas.
    Tudo começa quando um corajoso monarca, o rei Sancho III, decide construir uma fortificação numa cadeia de montanhas escassamente povoadas, onde o inimigo podia ser avistado a dez quilómetros de distância.
    Com a promessa de um futuro melhor, o rei atraiu para aquele lugar um grupo de homens e mulheres para quem a sobrevivência diária constituía um ato de heroísmo. Entre eles, um mestre de obras lombardo, Juan, o carpinteiro, e o seu filho, Fortún, Ava, a arqueira, Javierre, um rapaz cuja ambição desmedida cresceu juntamente com o castelo, e um sacerdote fiel ao antigo rito hispânico, acompanhado da inteligente e misteriosa Eneca. Apesar dos seus escassos meios e conhecimentos, estas pessoas superaram todas as limitações que lhes foram impostas, até ao culminar da força religiosa e militar. Tudo isto contribuiu para a afirmação de um dos principais reinos medievais da Europa, o qual assumiu um papel preponderante na Reconquista.
    
    O Castelo de Loarre não foi construído somente por reis, nobres e bispos, mas também e sobretudo pelo povo. Esta é a epopeia dos homens e das mulheres que converteram um sonho em realidade.
    Entre a planície e os Pirenéus aragoneses localiza-se o monumento românico mais importante da Europa: o Castelo-Abadia de Loarre. Uma fortaleza impressionante construída quando aquela área era ainda uma perigosa zona fronteiriça. Como foi construído? Quem realizou tal feito?
    
    Este é um incrível romance histórico sobre a construção do grande e imponente Castelo de Loarre, uma das maiores fortalezas medievais do planeta.
    Loarre é considerado o castelo românico mais bem conservado do mundo, e espera-se que em breve integre a Lista do Património da Humanidade da UNESCO
    Show book
  • Piadas para Todos Ed 40 - Humor Inteligente e Consciente - cover

    Piadas para Todos Ed 40 - Humor...

    Edicase Publicações

    • 0
    • 0
    • 0
    Humor Inteligente e Consciente: diversão e risadas com a família e os amigos!
    Show book
  • Portugal - Os Grandes Momentos da História - cover

    Portugal - Os Grandes Momentos...

    João Portugal

    • 0
    • 0
    • 0
    Para compreendermos a origem e o estabelecimento de um povo, as ações que lhe deram estabilidade e consistência, os progressos que o conduziram à prosperidade e à glória, e os erros ou calamidades que levaram à decadência, temos de olhar em perspetiva para a sua História e para os seus protagonistas. Neste livro, além de uma coleção de momentos gloriosos, e de ações famosas obradas pelos Portugueses na pátria e além-mar, apresenta-se a contextualização cronológica dos factos, facilitando assim a compreensão e o conhecimento da História nacional.
    
    A HONRA E A CORAGEM DE UM POVO ÚNICO
    Quem rejeitará contemplar a lealdade da palavra prometida e o sacrifício heroico com que souberam guardá-la um Egas Moniz, um Martim de Freitas, um Nuno Gonçalves de Faria? Quem negará o tributo à coragem e ao amor que dedicaram ao seu povo um D. Afonso Henriques, um D. João da Boa Memória, uma D. Maria I? Quem não sentirá orgulho num Infante D. Henrique, num D. Nuno Álvares Pereira, num D. João de Castro? Quem não reconhecerá a valentia de um destemido Vasco da Gama, de um Marquês de Pombal, e mesmo de um D. Sebastião, apesar da desventura do seu esforço e valentia?
    Show book
  • A Arte de Ganhar Dinheiro - cover

    A Arte de Ganhar Dinheiro

    Phineas Taylor Barnum

    • 0
    • 0
    • 0
    Publicado pela primeira vez em 1880, A Arte de Ganhar Dinheiro é um pequeno livro que incentiva o público a aspirar à riqueza através de métodos simples: construindo poupanças, gerindo negócios com integridade, aprendendo o verdadeiro valor do dinheiro, trabalhando pelo que se ganha, evitando extravagâncias, sempre com foco nos bons investimentos e numa correta gestão do dinheiro. Baseado nas experiências do quotidiano do próprio autor, este livro é mais a afirmação de uma filosofia de vida do que um guia para um rápido enriquecimento.
    
    Apesar de ter sido publicado no século XIX, transmite conselhos valiosos e notáveis a leitores de todas as idades que desejem ser mais prósperos com as suas finanças.
    
    A Arte de Ganhar Dinheiro não nos diz apenas como ganhar dinheiro; fala-nos também do melhor modo de viver uma vida feliz e com propósito, ter sucesso e encontrar a verdadeira satisfação financeira através da nobreza de coração. Os ensinamentos aqui contidos são intemporais. P. T. Barnum foi um empreendedor astuto. Um dos seus princípios passava por tratar cada cliente com o máximo respeito - e provou ser um homem extremamente atencioso. Tornou-se num dos mais bem-sucedidos de sempre. Ainda que os seus conselhos se aproximem do senso comum, mais parece que andam arredados da prática corrente nas instituições, nas empresas ou na vida.
    Show book