Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Cuba livre (e vive) em mim - diário de vivências - cover

Cuba livre (e vive) em mim - diário de vivências

Walêska Dayse Dias De. Sousa

Publisher: Autografia

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Que é possível ter uma análise mais honesta do contexto de Cuba, sem os pré-conceitos, reducionismos e estereótipos veiculados pela mídia convencional. 
Que Cuba é diversa, rica, com problemas e potencialidades como qualquer outro país do mundo.
Que Cuba sofre o peso de suas escolhas políticas desde a crise com os Estados Unidos em 1959 e paga caro até hoje por isso, com um bloqueio que a impede de se desenvolver sob muitos aspectos.

Other books that might interest you

  • O marxismo de Che Guevara - cover

    O marxismo de Che Guevara

    Carlos Tablada

    • 0
    • 0
    • 0
    Em  "O marxismo de Che Guevara", Carlos Tablada resume com acerto, em  poucas linhas, o senso inteiro de um pensamento crítico que ultrapassa o ambiente econômico. O autor oferece ao leitor uma brisa nova de reflexão, uma contribuição adicional ao estudo original, fazendo voltar a atenção para os horizontes presentes do debate sobre o socialismo, para a recuperação do pensamento guevariano em plenitude de sua vitalidade. Aqui o livro ergue o olhar sobre o debate de hoje e para o horizonte de amanhã..
    Show book
  • Autoritarismo líquido: - o golpe no Brasil - cover

    Autoritarismo líquido: - o golpe...

    Pedro Uczai

    • 0
    • 0
    • 0
    O golpe é contra o povo e contra a nação. O golpe é misógino, o golpe é homofóbico, o golpe é racista. É a imposição da cultura da intolerância, do preconceito e da violência. Falo aos mais de 54 milhões e meio de votos, falo principalmente aos brasileiros que durante o meu governo superaram a miséria, realizaram o sonho da casa própria, começaram a receber atendimento médico, entraram na universidade e deixaram de ser invisíveis aos olhos da nação. Eu vivi a minha verdade, dei o melhor de minha capacidade. Não fugi de minhas responsabilidades. Travei bons combates. Perdi alguns, venci muitos, e neste momento me inspiro em Darcy Ribeiro para dizer: “Não gostaria de estar no lugar dos que se julgam vencedores. A história será implacável com eles como já o foi em décadas passadas. Nós voltaremos, voltaremos para continuar nossa jornada rumo a um Brasil em que o povo é soberano. Dilma Rousseff
    Show book
  • Diário de Uma Democracia - 600 Dias que Marcaram o País! - cover

    Diário de Uma Democracia - 600...

    Rafael Moia Filho

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro procura detalhar o período compreendido entre o fim do governo Temer e o começo das movimentações para a eleição presidencial de outubro de 2018, reproduzindo, através de vasta pesquisa e opiniões do autor e de jornalistas, todas as nuances vividas desde o momento do lançamento das candidaturas até o decorrer dos seiscentos dias de posse do novo governo. Uma trajetória que acabou se misturando com a pandemia do novo coronavírus, que tomou de assalto o mundo em que vivemos, trazendo ainda mais problemas do que alegrias em meio à gestão do novo governo federal. Escrito como se fosse um diário de bordo, este livro detalha a campanha eleitoral, a posse do novo presidente e as histórias que seguiram com o país, que mesmo com suas instituições democráticas funcionando nunca alcançou a tranquilidade que desejávamos. Traz à tona justamente as nuances que a nossa democracia vive mesmo após uma eleição democrática, livre, sem fraudes, com todas as garantias preservadas aos eleitores, candidatos e cidadãos do país. Tudo isso por conta da instabilidade emocional de um presidente que não tem a bagagem necessária para lidar com críticas e diferenças de opiniões, naturais no processo político e democrático. Um presidente que defendeu em público no plenário da Câmara Federal o torturador Carlos Brilhante Ustra. Que nunca admitiu que houvéssemos vivido uma Ditadura Militar, fruto de um golpe na noite de 31 de março ou na madrugada de 1º de abril, como querem alguns historiadores. Que, embora eleito pelo voto popular, prefere incitar seus seguidores a apoiar a reedição de um novo AI-5 – Ato Institucional nº 5, o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal. Neste turbilhão de confrontos e ódio, o país assiste à inércia de uma gestão que, ao invés de tentar resolver os graves problemas da nação, se limita a fingir que está em campanha eleitoral para 2022. Boa leitura.
    Show book
  • As cores da economia - cover

    As cores da economia

    Buarque Author

    • 0
    • 0
    • 0
    Para os jovens que escolheram a carreira de economista. Esperando que ajudem o mundo a pintar a economia do futuro.Artigos sobre Economia  Selecionados de  Cristovam Buarque  em Jornais e Revistas  (2007 – 2011)
    Show book
  • Partidos Sindicatos e Conselhos Operários - cover

    Partidos Sindicatos e Conselhos...

    Anton Pannekoek

    • 0
    • 0
    • 0
    Os partidos políticos e os sindicatos perderam grande espaço na sociedade moderna. Antes a crença nos sindicatos e no sindicalismo e seu potencial transformador era grande, bem como a ideia de um partido revolucionário que geraria a transformação social era defendida por milhares de ativistas. Porém, uma análise crítica do significado dos partidos e sindicatos já havia sido feito no início e decorrer do século 20. Pannekoek realiza duras críticas aos partidos e sindicatos e apresenta os conselhos operários como alternativa de organização dos trabalhadores na luta pela transformação radical e total das relações sociais.
    Show book
  • Ato Poético - Poemas pela Democracia - cover

    Ato Poético - Poemas pela...

    Luis Maffei, Márcia Tiburi

    • 0
    • 0
    • 0
    Manifestação antifascista com cerca de 70 escritoras/es na forma de livro de poemas.Neste livro encontra-se gente que escreve. É uma nossa condição.Humana. E essa condição é política, queiramos ou não. A política, nestes tempos(assombrados? Assassinos? Desonestos?) em que muito do que nos assola querjustamente dirimir a força da política através da encenação de uma não políticaque é, no fundo, a pior espécie de política, precisa ser refeita. Escrita, reescrita.Com mãos e vozes que intervenham, pensem e se deixem afetar, propondopossibilidades novas de comum. Este tempo o exige.
    Show book