Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Anistia um passado presente? - cover

Anistia um passado presente?

Tatyana De Amaral Maia, Ananda Simões (Orgs.) Fernandes

Publisher: EDIPUCRS

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

A obra aqui apresentada é resultado de duas ações no campo da história pública: a exposição Anistia: um passado presente e um ciclo de conferências que reuniu especialistas sobre o tema, fruto da parceria entre a Escola de Humanidades da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e o Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul. Os textos resultantes do ciclo de conferência integram esta coletânea. Ambas as ações estiveram centradas no debate acerca da cidadania, dos direitos humanos e das lutas pela democracia, porém, não deixaram de destacar as derrotas em decorrência de uma Lei imparcial e que, até hoje, garante a impunidade de crimes cometidos na Ditadura, mas que garantiu que reconhecêssemos a manutenção da luta pela adoção de uma justiça de transição. Ainda que tardias e limitadas, foram essas ações que inviabilizaram o silêncio, trazendo para o espaço público uma memória subterrânea que impede que o terrorismo de Estado seja esquecido.

Other books that might interest you

  • “Matar muito prender mal” - desigualdade racial como efeito do policiamento ostensivo militarizado em SP - cover

    “Matar muito prender mal” -...

    Maria Carolina Schlittler

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro analisa as relações entre práticas policiais cotidianas e a conformação do policiamento ostensivo militarizado, desempenhado pela Polícia Militar. A pesquisa foi construída a partir de entrevistas e análise de dados oficiais da segurança pública paulista, para compreender como se executa o policiamento nas ruas. Constatou-se que durante o policiamento ostensivo estão disponíveis à PM, sobretudo, três recursos: a abordagem, o confronto e o tirocínio policial enquanto ferramenta para diferenciar bandidos e cidadãos de bem. Uma das principais conclusões do livro é o aspecto racializados do tirocínio – isto significa que, para a fundamentação da suspeita policial são usados marcadores raciais. O livro analisa em detalhes como a racialização das práticas policiais é uma ameaça à vida da população jovem e negra.
    Show book
  • O Nomos da Terra no direito das gentes do jus publicum europaeum - cover

    O Nomos da Terra no direito das...

    Carl Schmitt, Alexandre Franco...

    • 0
    • 0
    • 0
    Considerado um dos maiores juristas e pensadores políticos do século XX, Carl Schmitt (1888-1985) foi também uma das personalidades mais controvertidas da história intelectual contemporânea. Sua adesão ao nazismo em 1933 custou-lhe um longo isolamento que começou a ser revertido nas últimas três décadas. Desde então, sua obra vem sendo resgatada e seu pensamento, frequentemente alçado à condição de clássico.
    
      No conjunto de uma produção de aproximadamente cinquenta livros e trezentos artigos, que se estendeu por um período de quase setenta anos, "O nomos da Terra no direito das gentes do jus publicum europaeum", publicado em 1950, ocupa um lugar central: é um dos seus trabalhos de maior fôlego e extensão, e também o livro mais importante da última fase dessa longa trajetória intelectual. Representa uma mudança em relação aos estudos realizados pelo jurista até o início da década de 1930, prioritariamente voltados para o Estado e sua ordem interna.
    
    
        A partir de 1936, depois de frustradas suas principais ambições políticas no Terceiro Reich, Carl Schmitt se volta para o direito internacional. O livro de 1950 é o principal resultado dessa inflexão. Seu conceito central é a ideia de nomos. Com essa palavra grega, muitas vezes traduzida por "lei", Schmitt procura evitar uma compreensão do direito como sinônimo de norma legal. Para ele, o direito precisa ser compreendido em seu aspecto concreto, o que implica considerar, para além da regra abstrata, os processos de tomada, divisão e repartição do espaço, graças aos quais uma ordem ganha uma localização histórica particular. Daí a definição de nomos como uma unidade de ordenação e localização.
    
    
        O livro que o leitor tem em mãos apresenta uma narrativa da formação e declínio de uma ordem espacial planetária, o nomos da Terra, que teria se constituído a partir do século XVI com a crise do direito das gentes da Cristandade medieval, a ascensão do Estado moderno, a expansão do mundo europeu pelos mares mundiais e a descoberta e tomada das terras do Novo Mundo. Esses processos de alcance global estariam na base de uma ordem jurídica centrada na Europa, o jus publicum europaeum, cuja grande façanha histórica teria sido a circunscrição da guerra e a relativização da inimizade, ou seja, a contenção do potencial destrutivo dos conflitos bélicos. Nessa narrativa, o mundo do jus publicum europeum se manteve enquanto sua lógica espacial e política foi preservada.
    
    
        A partir de fins do século XIX, o caráter especificamente europeu e estatal dessa ordem se dissolve e suas estruturas espaciais são desfiguradas, culminando na Primeira Guerra Mundial. As consequências trágicas da dissolução do antigo nomos se tornariam então evidentes: nesse novo contexto, a guerra pode se tornar total e a inimizade, absoluta. Carl Schmitt escreveu "O nomos da Terra" em plena Segunda Guerra Mundial e sob o impacto de seus efeitos catastróficos. Sua reconstrução histórica do jus publicum europaeum, como apontam alguns intérpretes, tem algo de idealizado. Isso não torna menos relevantes as questões que o livro suscita. Em uma conjuntura em que a tecnologia reconfigura o espaço, em que se polemiza sobre o declínio da soberania estatal e as inimizades políticas se radicalizam sob o signo de convicções religiosas ou humanitárias, "O nomos da Terra" continua ser uma referência imprescindível para a compreensão do presente.
    
    
      Bernardo Ferreira
    
      Pedro Villas Bôas Castelo Branco
    Show book
  • Comunicação diálogica e reputação eleitoral - O percurso gerativo do voto - cover

    Comunicação diálogica e...

    Fábio Gomes

    • 0
    • 0
    • 0
    A conquista do voto é um desafio para qualquer político. Embora haja a pregação cômoda das fórmulas fáceis, da “publicidade mágica”, a conquista do voto não é um fato trivial. Este livro se dedica ao voto conquistado em processos de interação candidato-eleitor e de comunicação política, embora reconheça os votos sem processos de decisão, como as escolhas idiossincráticas, imposições por forças e ameaças, compra de votos. A obra argumenta que a decisão do voto é facilitada pela reputação eleitoral alcançada pelo candidato em seu relacionamento contínuo com os eleitores. A partir de reflexões teóricas e práticas que subsidiam o planejamento de comunicação política e de gestão de reputações eleitorais, o livro defende que candidatos que interagem com eleitores em processos de comunicação com o objetivo de (trans)formar reputações eleitorais apresentam vantagem competitiva em disputas eleitorais. Desde 2003 o Instituto Informa pesquisa intensamente em todas as regiões do país,  alcançando a marca aproximada de mais de quatrocentas pesquisas de opinião realizadas tanto para governos e empresas da área pública, quanto para o empresariado da iniciativa privada. O Informa também é especialista em pesquisas eleitorais, nas quais obtém índices de acerto excepcionais, pois adota e  desenvolve metodologias diversificadas, em consonância com os mais avançados centros de pesquisa do mundo. Neste livro 'Comunicação dialógica e reputação eleitoral: o percurso gerativo do voto', o autor Fábio Gomes conta a sua trajetória e as peculiaridades do mundo da comunicação política, das pesquisas de opinião pública e de comportamento eleitoral.
    Show book
  • Tudo Sobre a Reforma da Previdência - cover

    Tudo Sobre a Reforma da Previdência

    Luiz Augusto Flores

    • 0
    • 0
    • 0
    Disponibilizamos o livro digital ilustrado colorido de história em quadrinhos do conhecimento ”Tudo sobre a Reforma da Previdência”, cujo conteúdo foi editado com base na Emenda Constitucional nº 103 de 12 de novembro de 2019, também chamada de Reforma da Previdência Social de 2019. Transformados os termos jurídicos para linguagem simples, de fácil entendimento e leitura, apresentando seu conteúdo de leitura nos balões de diálogo dos personagens, um trabalhador e dois adolescentes, com o personagem o jornalista da editora, que esclarece tudo sobre a reforma da previdência de 2019.
    Show book
  • Diário de Uma Democracia - 600 Dias que Marcaram o País! - cover

    Diário de Uma Democracia - 600...

    Rafael Moia Filho

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro procura detalhar o período compreendido entre o fim do governo Temer e o começo das movimentações para a eleição presidencial de outubro de 2018, reproduzindo, através de vasta pesquisa e opiniões do autor e de jornalistas, todas as nuances vividas desde o momento do lançamento das candidaturas até o decorrer dos seiscentos dias de posse do novo governo. Uma trajetória que acabou se misturando com a pandemia do novo coronavírus, que tomou de assalto o mundo em que vivemos, trazendo ainda mais problemas do que alegrias em meio à gestão do novo governo federal. Escrito como se fosse um diário de bordo, este livro detalha a campanha eleitoral, a posse do novo presidente e as histórias que seguiram com o país, que mesmo com suas instituições democráticas funcionando nunca alcançou a tranquilidade que desejávamos. Traz à tona justamente as nuances que a nossa democracia vive mesmo após uma eleição democrática, livre, sem fraudes, com todas as garantias preservadas aos eleitores, candidatos e cidadãos do país. Tudo isso por conta da instabilidade emocional de um presidente que não tem a bagagem necessária para lidar com críticas e diferenças de opiniões, naturais no processo político e democrático. Um presidente que defendeu em público no plenário da Câmara Federal o torturador Carlos Brilhante Ustra. Que nunca admitiu que houvéssemos vivido uma Ditadura Militar, fruto de um golpe na noite de 31 de março ou na madrugada de 1º de abril, como querem alguns historiadores. Que, embora eleito pelo voto popular, prefere incitar seus seguidores a apoiar a reedição de um novo AI-5 – Ato Institucional nº 5, o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal. Neste turbilhão de confrontos e ódio, o país assiste à inércia de uma gestão que, ao invés de tentar resolver os graves problemas da nação, se limita a fingir que está em campanha eleitoral para 2022. Boa leitura.
    Show book
  • O Marxismo na História - cover

    O Marxismo na História

    Steven Gouldner, Paul Mattick

    • 0
    • 0
    • 0
    O marxismo tem uma longa história desde o seu surgimento no século 19. Paul Mattick aborda o passado, o presente e o futuro do marxismo numa perspectiva crítica e revolucionária, mostrando como houve um processo histórico que provocou diversos revezes na expressão teórica do movimento revolucionário do proletariado. Steven Gouldner, por sua vez, mostra as mutações do marxismo e seus vínculos com as lutas de classes, o que explica as suas formas de desenvolvimento e suas deformações. Ambos apresentam uma perspectiva crítica da história do marxismo e realizam a crítica do pseudomarxismo expresso pela social-democracia e bolchevismo. É uma obra importante para entender a longa história do pensamento marxista.
    Show book