Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
A crise dos refugiados : a fuga como perspectiva - cover

A crise dos refugiados : a fuga como perspectiva

Souza Author

Publisher: Autografia

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

A chamada “crise dos refugiados” é mais extensa, trágica e dolorosa do que somos capazes de colocar em relatórios oficiais. A despeito disso, ela é também a expressão de um enorme desejo pela vida e pela paz. A crise, neste sentido, é também a reviravolta nas hierarquias, a reinvindicação por uma cidadania global, povoada de singularidades. Não se trata de recusar a tragédia, mas recuperá-la do vazio e da impotência. Este livro é um esforço de reflexão sobre o testemunho diário que nos fazem os refugiados e migrantes, os sujeitos em fuga. O que podemos aprender com este gesto?

Other books that might interest you

  • Diário de Uma Democracia - 600 Dias que Marcaram o País! - cover

    Diário de Uma Democracia - 600...

    Rafael Moia Filho

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro procura detalhar o período compreendido entre o fim do governo Temer e o começo das movimentações para a eleição presidencial de outubro de 2018, reproduzindo, através de vasta pesquisa e opiniões do autor e de jornalistas, todas as nuances vividas desde o momento do lançamento das candidaturas até o decorrer dos seiscentos dias de posse do novo governo. Uma trajetória que acabou se misturando com a pandemia do novo coronavírus, que tomou de assalto o mundo em que vivemos, trazendo ainda mais problemas do que alegrias em meio à gestão do novo governo federal. Escrito como se fosse um diário de bordo, este livro detalha a campanha eleitoral, a posse do novo presidente e as histórias que seguiram com o país, que mesmo com suas instituições democráticas funcionando nunca alcançou a tranquilidade que desejávamos. Traz à tona justamente as nuances que a nossa democracia vive mesmo após uma eleição democrática, livre, sem fraudes, com todas as garantias preservadas aos eleitores, candidatos e cidadãos do país. Tudo isso por conta da instabilidade emocional de um presidente que não tem a bagagem necessária para lidar com críticas e diferenças de opiniões, naturais no processo político e democrático. Um presidente que defendeu em público no plenário da Câmara Federal o torturador Carlos Brilhante Ustra. Que nunca admitiu que houvéssemos vivido uma Ditadura Militar, fruto de um golpe na noite de 31 de março ou na madrugada de 1º de abril, como querem alguns historiadores. Que, embora eleito pelo voto popular, prefere incitar seus seguidores a apoiar a reedição de um novo AI-5 – Ato Institucional nº 5, o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal. Neste turbilhão de confrontos e ódio, o país assiste à inércia de uma gestão que, ao invés de tentar resolver os graves problemas da nação, se limita a fingir que está em campanha eleitoral para 2022. Boa leitura.
    Show book
  • Mãos limpas coração quente - Um brasileiro no Kremlin - cover

    Mãos limpas coração quente - Um...

    Esther Rodrigues

    • 0
    • 0
    • 0
    '''Se você sempre fantasiou sobre o que acontecia por trás da Cortina de Ferro — espionagem, conspirações, agentes duplos e triplos, mulheres fatais, muito frio e muita vodca — e, naturalmente, nunca pôde ir lá, este livro é o seu passaporte. Com ele, você dará um passeio pelo Kremlin de 1964 a 1990, com direito a um guia autorizado: o diplomata brasileiro Obertal Mantovanelli, íntimo de seus salões e corredores e personagens claros e obscuros. E pode crer: nossas fantasias eram pinto diante do que acontecia por lá.'' RUY CASTROLembranças de um brasileiro que viveu na União Soviética, nos anos em que nascia em nosso país. Uma visão privilegiada da guerra, nem sempre fria, entre dois mundos — os soviéticos comunistas e os americanos capitalistas — que demonizavam-se mutuamente e queriam impor ao mundo seu modelo.'
    Show book
  • Tempos de crise - ensaios de história política - cover

    Tempos de crise - ensaios de...

    Rodrigo Perez Oliveira, Daniel...

    • 0
    • 0
    • 0
    O livro está dividido em três eixos temáticos. O primeiro é dedicado aos desdobramentos das experiências de crise nos corpos, sejam eles o corpo físico ou corpo textual, narrativo. O segundo eixo temático aborda efeitos da crise democrática nas percepções coletivas do tempo histórico. O terceiro eixo temático está constituído por análises de casos que trazem elementos de crônicas política, possibilitando aos leitores acompanhar detalhes da evolução de alguns cenários de crise.Cita Ellen a indignação de seu irmão diante da perseguição: “não poderíamos continuar a ser o que éramos”. Ellen inevitavelmente fugiu para sobreviver, mas nunca fugiu de si para viver. Sim, somos seus aprendizes!”
    Show book
  • Mapas de percepção de riscos: metodologia multimétodo para análise de territorialidades afetadas pelo domínio armado - cover

    Mapas de percepção de riscos:...

    Ana Paula Mendes De Miranda,...

    • 0
    • 0
    • 0
    O livro apresenta detalhadamente as situações sociais relacionadas à insegurança e à violência que afetam o trabalho regular de medição da eletricidade provocadas por fraudes conhecidas popularmente, no Rio de Janeiro, como os “gatos” de energia elétrica. Com notável precisão conceitual, os autores desenvolveram uma pesquisa inovadora, que resultou numa metodologia de pesquisa – a construção de um mapeamento analítico dos conflitos e sua distribuição nos territórios (São Gonçalo e Caxias). A metodologia para a análise das territorialidades afetadas pelo domínio armado envolve a articulação de métodos e técnicas de pesquisa qualitativa e quantitativa de forma exemplar. Destaca-se a importância do conceito de "territorialidades", que supõe necessariamente que as instituições compreendam que atuam num espaço social habitado por cidadãos cujas práticas sociais locais nem sempre são evidentes para os que são de fora do lugar. A isso se soma a percepção e análise de modos de governar, não legítimos, por meio do "domínio armado", conceito que busca compreender como nesses espaços as populações que nele vivem estão expostas a um modo específico de dominação, marcado por redes criminosas que atuam em atividades econômicas ilegais e irregulares, controlando o território com armas, resultando na restrição de garantia dos direitos fundamentais (civis, sociais e políticos). Pensar o furto de energia num contexto de ocorrência de outros crimes, tais como o tráfico de drogas, o transporte coletivo irregular, o "gatonet", permitiu identificar também os riscos a que estão expostos os trabalhadores terceirizados de uma empresa concessionária de energia, por meio da utilização da vitimização laboral. Um dos muitos resultados possíveis da pesquisa reside precisamente em dar relevância a um conjunto de perdas sócio-econômicas, e não somente a alta percentagemde prejuízos financeiros da empresa com o furto de energia, comparáveis a problemas que ocorrem em outras partes do mundo, como no Sul da Itália. Tal análise reforça a importância de se pensar as formas de administrar bens e serviços considerando a dimensão dos direitos e, especificamente, o direito ao acesso à electricidade, entendido como um direito fundamental. Apesar das políticas públicas da última década terem melhorado o acesso no Brasil, a situação continua a apresentar uma distribuição desigual em termos de acesso. O fato de a pesquisa ter sido originada de uma demanda de uma empresa privada coloca questões interessantes para pensar sobre a produção do conhecimento e sua ligação com a política pública. O livro é o resultado de um tipo de pesquisa conhecida como P&D, conhecido como uma "tecnologia social" voltada a formas de fazer pesquisa, pensar e gerenciar a produção de conhecimento que se opõe aos modelos de consultoria padronizados que prometem análises simplificadas. Por essas razões, afirmo aos leitores que estamos diante de um livro único.
    Show book
  • Marx e o Estado - cover

    Marx e o Estado

    DAVID ADAM

    • 0
    • 0
    • 0
    David Adam realiza, através de uma leitura rigorosa dos escritos de Marx, uma desmistificação da ideia falsa segundo a qual ele seria um estatista. Indo desde os escritos de juventude de Marx e chegando até os da maturidade, Adam mostra que ele sempre foi um crítico do Estado. David Adam esclarece a concepção de Estado em Marx, demonstrando que sua ideia de 'ditadura do proletariado' é mau interpretada, bem como mostra os equívocos de Bakunin em sua interpretação do autor de O Capital.
    Show book
  • Autoritarismo líquido: - o golpe no Brasil - cover

    Autoritarismo líquido: - o golpe...

    Pedro Uczai

    • 0
    • 0
    • 0
    O golpe é contra o povo e contra a nação. O golpe é misógino, o golpe é homofóbico, o golpe é racista. É a imposição da cultura da intolerância, do preconceito e da violência. Falo aos mais de 54 milhões e meio de votos, falo principalmente aos brasileiros que durante o meu governo superaram a miséria, realizaram o sonho da casa própria, começaram a receber atendimento médico, entraram na universidade e deixaram de ser invisíveis aos olhos da nação. Eu vivi a minha verdade, dei o melhor de minha capacidade. Não fugi de minhas responsabilidades. Travei bons combates. Perdi alguns, venci muitos, e neste momento me inspiro em Darcy Ribeiro para dizer: “Não gostaria de estar no lugar dos que se julgam vencedores. A história será implacável com eles como já o foi em décadas passadas. Nós voltaremos, voltaremos para continuar nossa jornada rumo a um Brasil em que o povo é soberano. Dilma Rousseff
    Show book