Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Eu Que Nada Mais Amo - cover

Eu Que Nada Mais Amo

Sérgio Vieira

Publisher: Editora Scortecci

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Poemas melancólicos sobre aspectos e problemas proporcionados pelas metrópoles e que acabam gerando indignações. Sobre as condições das relações humanas e paixões tratadas de uma forma abrangente com a mesma melancolia, em curvas.Este livro é um pedido de desculpas ao Universo. O reconhecimento de que mesmo insatisfeitos com as mudanças elas são necessárias para nos trazer discernimento. A vida é uma fina camada que em qualquer momento pode se quebrar. Dependendo do peso que dermos a ela, poderá provocar situações embaraçosas e dificultar nossa caminhada, provocando arranhaduras.

Other books that might interest you

  • No entorno do poema - cover

    No entorno do poema

    Wildon Lopes

    • 0
    • 0
    • 0
    Certos momentos especiais eternizam-se como o céu estrelado, que é único e belo.
    Assim é a poética de No entorno do poema, e o autor busca despertar a sensibilidade e a reflexão, ambas endereçadas à poesia da alma, real e verdadeira.
    Metáforas agilmente transformadas em palavras. Poemas que vivem, improvisam e questionam o universo, o tempo e as emoções por todo o percurso do livro.
    Muito além do seu tempo, o poeta expõe, nessa obra, pinturas da sua personalidade forte, ariana, e certamente es-culpe-a em versos e poemas.
    Materializam-se os sonhos de infância com a família, o amor, as conquistas, o tempo e seus voos estelares e universais.
    Essas fontes energéticas giratórias movimentam a engrenagem através da qual sua alma viaja pelo cosmo e colore a vida.
    Assim, com sensibilidade, o poeta tenta juntar seus fragmentos poéticos, tal qual um grito, um só poema, e, de forma incisiva, prova que “não quer jogar palavras ao vento”, mas, antes, reuni-las pelo puro prazer da escrita, afinal, são essas sensações que alimentam a alma, a leitura e a vida, e, feitas de poções mágicas, exaladas de um “laboratório poético”, leva-nos a essa viagem fantástica, entre fórmulas e inventos.
    Show book
  • Retrato da farmacêutica quando artista - cover

    Retrato da farmacêutica quando...

    Monique Brito

    • 0
    • 0
    • 0
    Extraiu Monique, como um alquimista em plena noite no seu laboratório fantástico, os poemas com que tecem os espantos que nos interpelam, nos provocam e nos iluminam.
    Dília Gouveia, filósofa
    
    A poesia deste livro é reveladora, epifânica, a borbulhar, nos versos, na consciência ou inconsciência de uma mulher, farmacêutica, professora, escritora. Sua escrita desmitifica o conceito de poesia. Ela tem ritmo, musicalidade, porque ela pulsa, é movimento, transformação, química e vida. E a vida é bela!
    Vera Magalhães, professora e advogada
    Show book
  • Corvos cobras chacais - cover

    Corvos cobras chacais

    António Carlos Cortez

    • 0
    • 0
    • 0
    'Corvos Cobras Chacais' nasceu de uma sequência alargada de poemas em prosa e constituiu um capítulo participante da antologia 'A dor concreta' (ed. Tinta da China) do poeta António Carlos Cortez, em uma prévia de um livro futuro, este que agora se nos apresenta. Bem reconhece Pedro Mexia quando diz que 'depois de Daniel Faria não houve na poesia mais recente em Portugal quem arriscasse em construir um tom elevado e ao mesmo tempo realista e concreto, algo em que Cortez é exímio'. Em 'Corvos Cobras Chacais', Cortez maneja a forma poética para falar de uma forma inesquecível, indelével, daquilo que mais nos assombra: da crueldade da vida e da passividade dos homens.
    Show book
  • Conexões - cover

    Conexões

    William Vieira

    • 0
    • 0
    • 0
    Conexões é o primeiro livro de poemas de William Vieira. O poeta reuniu nesta obra seus escritos desde os anos de 1990, o que é possível perceber claramente pela linha temporal cronológica seguida no livro. William Vieira retrata em forma de poemas diversos sentimentos e experiências da condição humana. A obra também é uma forma de expressão do autor sobre como ele encara o mundo, o amor, as relações, as alegrias e todas as conexões que a nossa condição humana nos possibilita.
    Show book
  • Olhos de espanto - cover

    Olhos de espanto

    Nina Schilkowsky

    • 0
    • 0
    • 0
    'Em “Olhos de espanto”, Nina pensa filo­soficamente nossa condição inata de produtores de reflexões e questiona­mentos. Afinal, como Platão — o mestre maior da filosofia — já reconhecera, nos idos da Grécia Antiga, uma vida não questionada não merece ser vivida. Olhos de espanto é o fruto de uma coletânea de poemas que questio­nam certezas, observam um mundo tão complexo com a ingenuidade e leveza da infância, um livro que bus­ca o sentimento esquecido de nossos desejos mais puros, e que resgata em cada um de nós essa capacidade de nos emocionarmos de novo.'
    Show book
  • Cantáteis - Cantos elegíacos de amozade - cover

    Cantáteis - Cantos elegíacos de...

    Chico Cesar

    • 0
    • 0
    • 0
    Neste audiolivro, o compositor CHICO CÉSAR se desnuda das melodias para mostrar-se só poesia. O autor declama na íntegra o conteúdo de seu livro Cantáteis – Cantos Elegíacos de Amozade (lançado em papel pela editora Garamond), no qual exalta e execra, alimenta e afoga, vive e mata o sentimento ambíguo que oscila e confunde amor e amizade, nutrido pela musa, a também poeta Tata Fernandes. Tal sentimento se mistura com os ruídos e as descobertas da cidade de São Paulo.CHICO CÉSAR não despreza as rimas; ao contrário, cava as mais escondidas e inesperadas. Também não despreza o ritmo. Organiza seus versos como em um cordel cheio de suingue e fragmentos de modernidade. O poeta fala em Barthes, Lispector, Govinda, Frida Khalo e Paraíba. Essas e outras referências colocadas em forma de caleidoscópio dão a sensação de um universo que não para de se ampliar. Cantáteis é uma obra de fôlego, composta por 141 estrofes, cada uma com 11 versos de 7 sílabas. Para pontuar os versos que declama, CHICO CÉSAR cria uma teia eletrônica, baseada em um instrumento híbrido que mistura a rudimentar cítara nordestina com o berimbau.
    Show book