Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Reflexões aos sessenta - Quem não morre tem o que contar - cover

Reflexões aos sessenta - Quem não morre tem o que contar

Sérgio Afonso

Publisher: Jaguatirica

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Vaidade, generosidade, orgulho, caridade, humildade, amor, vícios, virtudes, raiva, avareza, paixão, desejos. Nós, seres humanos, temos todos esses hábitos e emoções contraditórias. Cabe, então, a partir de nosso livre-arbítrio, tomar as decisões que vão nos proporcionar uma vida espiritualmente mais elevada e feliz. É o que nos alerta o engenheiro mecânico e estudioso do autoconhecimento Sérgio Afonso. Ao chegar aos sessenta anos, o autor decidiu brindar-nos com suas reflexões serenas, maduras, carregadas de afeto e positividade. Seus textos curtos, em forma de pensamentos sutis e bem elaborados, escritos em forma similar a aforismos, tem a qualidade de traduzir em palavras singelas sentimentos elevados.

Other books that might interest you

  • Sacrifício e outros contos - cover

    Sacrifício e outros contos

    Francisco de Morais Mendes

    • 0
    • 0
    • 0
    Um homem capaz de encontrar dinheiro no chão, a atriz que encanta o público apenas com uma leitura silenciosa, o poeta que desperta a paixão na mulher amada com as palavras. Talentos que poderiam ser verdadeiras dádivas tornam-se um peso para os personagens de 'Sacrifício e outros contos', do contista brasileiro premiado Francisco de Morais Mendes. Seus personagens, sempre presos em conflitos, dúvidas e contradições, vivem encontros inesperados. Em dez histórias, com um toque fantástico e desfechos imprevisíveis, Francisco de Morais Mendes traz ao leitor surpresa e arrebatamento com um estilo único de narrar.
    Show book
  • Interrompidos - cover

    Interrompidos

    Alê Motta

    • 0
    • 0
    • 0
    “Interrompidos, estreia literária de Alê Motta, são como faca furando a pele. Coisa de minuto, o tempo exato de nos afundarmos na leitura e, pronto, já saímos deles doloridos de humanidade. São dezenas de narrativas curtíssimas nas quais a marca (e a cicatriz) da maldade se espraia, galvanizando as tramas aparentemente singelas. Os relatos, dominados pela primeira pessoa, são de súbito interrompidos, como o título da obra anuncia, não por outro motivo senão a ação, nefasta (ou piedosa?) da mão humana. Nada de deuses, entidades angelicais, altas esferas. Apenas vidas prosaicas, espíritos mundanos, rodapés da sociedade. Alê Motta mantém o leitor em controlada suspeição, impondo desfechos que surpreendem e incomodam, frutos de conflitos, ressentimentos e desejos absconsos de seus personagens. Maldosos, os narradores de suas nano-histórias as comprimem por um único motivo – a destruição do outro, ou de si próprio. Ante o eu, a alteridade forma, conforma e nos transforma, para o bem e para o mal. Com esses Interrompidos, Alê Motta já estreia machucando. Ainda bem. A literatura que almeja permanência tem mesmo de cortar, sem misericórdia, a névoa do nosso olhar naturalizado. ”
    Show book
  • Alice e outras mulheres - cover

    Alice e outras mulheres

    Teolinda Gersão

    • 0
    • 0
    • 0
    Alice e outras mulheres é uma coletânea dos melhores contos de Teolinda Gersão, autora portuguesa que publica sua segunda obra pela Editora Oficina Raquel. A antologia conta com textos já publicados por Teolinda ao longo de seus 40 anos de trajetória literária, no entanto esta organização publicada pela editora Oficina Raquel é inédita para o público brasileiro. Por trás da escolha dos contos que compõem a seleta está o objetivo de mostrar todo o poder do feminino, ainda que muitas vezes silenciado e, neste sentido, nada melhor do que uma das mais célebres personagens da nossa literatura e imaginário para nomear esta recolha.
    Show book
  • Certas mulheres - cover

    Certas mulheres

    Augusto Cruz

    • 0
    • 0
    • 0
    A obra tem como tema central a mulher. Criando uma série de contos através de personagens diferentes, com idades, histórias, crises e perspectivas próprias, mas que possuem a qualidade de compor um universo feminino amplo, desmitificando a mulher padronizada e retomando o conceito da diversidade de gênero. Busca mostrar todas as variáveis que torna a Mulher um ser único e singular, mas nem por isso, previsível. Brincar com essa imprevisibilidade é o desafio dos Autores, cada qual com sua visão sobre esse complexo universo. Homem e mulher falando sobre o mesmo tema, mas colocando em suas criações suas idiossincrasias. Esse ?pingue-pongue? busca estimular o leitor e abre um amplo espectro para as reflexões femininas. A mulher solteira, a casada, a amante, a mãe generosa e a mãe egoísta. A mulher do lar e da vida. A mulher submissa e a guerreira... Todas essas mulheres fazem parte do enredo desta obra, que coloca a mulher como ponto focal e central, mas nem por isso, isenta de imperfeições. Certas Mulheres foi construído a quatro mãos, o feminino e o masculino escrevendo sobre um único tema: a Mulher e suas relações, paradoxos, medos, angústias e revelações.
    Show book
  • Sacrifício e outros contos - cover

    Sacrifício e outros contos

    Francisco de Morais Mendes

    • 0
    • 0
    • 0
    Um homem capaz de encontrar dinheiro no chão, a atriz que encanta o público apenas com uma leitura silenciosa, o poeta que desperta a paixão na mulher amada com as palavras. Talentos que poderiam ser verdadeiras dádivas tornam-se um peso para os personagens de 'Sacrifício e outros contos', do contista brasileiro premiado Francisco de Morais Mendes. Seus personagens, sempre presos em conflitos, dúvidas e contradições, vivem encontros inesperados. Em dez histórias, com um toque fantástico e desfechos imprevisíveis, Francisco de Morais Mendes traz ao leitor surpresa e arrebatamento com um estilo único de narrar.
    Show book
  • Contos Negreiros - cover

    Contos Negreiros

    Marcelino Freire

    • 0
    • 0
    • 0
    Ao abordar temas como a difícil inserção do negro na sociedade brasileira devido à herança escravocrata, os relacionamentos homossexuais, a exploração sexual de crianças e até o analfabetismo, Marcelino Freire não usa meias palavras. Ao contrário, seu texto, assim como sua leitura, é cortante, cheio de pontuações inesperadas. Sua visão não é a de um observador convencional, mas sim a de quem está em meio a um turbilhão de referências que hoje envolvem o homem brasileiro. No audiolivro Contos Negreiros, assim como em sua escrita, de personalidade forte, a leitura de Marcelino é marcada por um tom cortante, às vezes se arrastando como uma lamúria, às vezes ressoando entre as paredes como uma “bateção” de panelas. “Acho que meu texto e minha fala trazem a lembrança que tenho de minha mãe falando sem pausa, reclamando baixinho para si mesma, batendo panelas, como costumo dizer”, conta o autor.
    Show book