Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Veludo Fino - Uma Coletânea de Versos e Amores - cover

Veludo Fino - Uma Coletânea de Versos e Amores

Saulo Pavão

Publisher: Cia do eBook

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Veludo Fino – Uma Coletânea de Versos e Amores é uma Obra em textos Ecléticos.
Hora Livres, hora amarrados, Poemas Simples ou Complexos, Carpintados em Letras Musicais, ou em Reflexões Poéticas, ou Existenciais. Escritos entre os Anos de, 2003 e 2019, e estão divididos em Três Capítulos.
Tânia – A Musa: Totalmente dedicado a Mulher como Figura de Inspiração, Inspiração de Amor. Tendo Tânia como Figura Principal.
Reflecsons: Poemas e Textos Reflexivos, voltados à Existência, e a Relação Relativa entre as Pessoas e suas Músicas.
Veludo: Poemas Escandilados em Variadas Formas. Entre os Poemas de, Veludo, dez deles deram origem ao Álbum de Música Pop Instrumental, Veludo Fino, de Saulo Pavão, lançado originalmente em 2015, e relançado em todas as Plataformas Digitais em 2020.
Capítulos 1 e 2 foram escritos entre os Anos de, 2012 e 2019. Todos estes Textos foram Publicados na Internet, Instagram e/ou Facebook. Capítulo 3 foi Escrito no Ano de 2003.

Other books that might interest you

  • Poemas de vida e de morte de um médico à noite - cover

    Poemas de vida e de morte de um...

    Gustavo Nobre de Jesus

    • 0
    • 0
    • 0
    O escritor e poeta Gustavo Nobre de Jesus, um médico habituado aos longos plantões no hospital da cidade de Lisboa, nos seus 14 poemas nos fala sobre aquilo que o assombra nas noites mais frias, sobre ‘estar só / estar indelevelmente só’, já que há sempre algo de dramático em escrever poemas. As noites são cativas, as solidões são desperdiçadas entre os barulhos da cidade, televisões, leituras e crianças que correm no andar de cima. ‘Nós éramos um filme, Hollywood era Lisboa, eu sentia-me Bogart e junto aos lábios fiz o que pude’. Assim são os poemas - crus e de uma realidade arrebatadora - de Gustavo Nobre, um homem, um médico, que se depara com a crueza da vida nos corredores assépticos de um hospital e, paradoxalmente, é arrebatado nas páginas daquilo que escreve, com a assepsia do contato humano, sempre mediado por livros, telas, links do Youtube e aplicações de iPad.
    Show book
  • Une rivière dans les yeux Um rio nos olhos - cover

    Une rivière dans les yeux Um rio...

    Aleilton Fonseca

    • 0
    • 0
    • 0
    Edição bilingue, português e francês. 
    . 
    L’homme crée la poésie, la poésie recrée l’homme. C’est sous cet angle que nous pouvons avoir un regard sur la posture poétique d’Aleilton Fonseca, un poète qui a toujours fait de la littérature son pain quotidien, puisqu’elle est pour lui une règle de vie, une manière efficace de connaître en profondeur l’être humain.
    Il y a dans la poésie d’Aleilton Fonseca une tension entre le classique et le moderne, une volonté de s’exalter mais dont il connaît les écueils. C’est pour cette raison qu’il garde un pied dans la tradition et un autre dans la contemporanéité, instaurant un ordre entre le présent et le passé, selon des formes établies, vue l’incertitude de l’avenir face à un présent fragilisé, comme on peut le voir à travers le poème Introspection 
    . 
    O homem cria a poesia, a poesia recria o homem. É dessa forma que podemos olhar para a poética de Aleilton Fonseca, um poeta que sempre fez da literatura o seu pão de todo dia, pois para ele é uma sentença de vida; uma forma eficaz de conhecer profundamente o ser humano. 
    Há na poesia de Aleilton uma tensão entre o clássico e o moderno, um querer embriagar-se que sabe dos perigos de tal atitude, por isso mantém um pé na tradição e outro na contemporaneidade, estabelece uma ordem entre o presente e o passado, dentro de uma forma modelar, reflexo da incerteza de um futuro frente ao presente fragilizado, como no poema Sondagem
    Show book
  • Poesias e Crônicas Poéticas Um Viés Existencial - cover

    Poesias e Crônicas Poéticas Um...

    José Roberto De Oliveira

    • 0
    • 0
    • 0
    Retrato o sentimento chamado de amor com seus diversos matizes... em que a crença no “casaram e viveram felizes para sempre” não é a tônica, embora desejante nas várias imbricações no presente trabalho. O meu mergulhar nessa temática é “raso-pragmático”, mas escancara nos seus diversos momentos – sem a menor intenção de defini-los – o “mundo da alma”, onde moram os sonhos, a alegria, a dor, a perplexidade da vida e da morte, a obscuridade, o ódio, a traição, a infidelidade, a paixão, a emoção, a ternura, a deslealdade, o romantismo, a sensualidade, a desilusão, sem necessariamente ser nessa desordem de acontecimentos, mas tudo é a partir de e sob os auspícios do prefalado sentimento: o amor. Assim, os textos se encaminham para uma leitura sempre desatenta quanto à cronologia, inspirados ou não em situações fáticas ou em ficção, para que o leitor possa saber que, mesmo não sendo um romance ou uma narrativa descritiva, caminha sem a preocupação de encontrar, necessariamente, rimas, métricas e outras regras neste trabalho livre.
    
    Sobre o amor:
    ...o problema é que todos querem definir amor com a razão.
    José Roberto de Oliveira
    
    Você casa sem saber o que leva pra casa.
    José Roberto de Oliveira
    Show book
  • Entre a Lua o Caos e o Silêncio: a Flor - Antologia de Poesia Angolana - cover

    Entre a Lua o Caos e o Silêncio:...

    Irene Guerra Marques, Carlos...

    • 0
    • 0
    • 0
    Entre a Lua, o Caos e o Silêncio: a Flor é a antologia mais completa e abrangente já publicada de Poesia Angolana, incluindo os períodos e os autores mais marcantes da sua história. Esta é uma edição histórica, oferecendo um retrato sistemático, plural e riquíssimo do admirável património literário angolano aos leitores de língua portuguesa em todo o mundo. Com excepcional organização de Irene Guerra Marques e Carlos Ferreira, a Antologia de Poesia Angolana divide-se em três partes. A primeira, dedicada à literatura oral, oferece a transcrição literal dos poemas nas línguas nacionais, seguida de tradução acompanhada por notas explicativas que contextualizam cada poema. A segunda secção, referente aos precursores, abarca nomes sonantes da poesia angolana, de Luís Félix Cruz a Jorge Rosa, levando o leitor numa viagem do século XVII, assinalado pelos primeiros textos poéticos manuscritos, até ao século XIX. «Modernidade e Contemporaneidade» é a última parte da antologia e nela irrompem os poetas dos séculos XX e XXI, contrastando, a cada virar de página, manifestações artísticas distintas – as «continuidades e descontinuidades» a que o subtítulo dessa secção alude.
    Show book
  • Reflexões mortais de uma criatura em busca do infinito - cover

    Reflexões mortais de uma...

    Marcelino Barboza De Souza

    • 0
    • 0
    • 0
    Coletânea de poesias reflexivas sobre vida, sentimento e fé.
    Show book
  • Prosa pra gente grande - cover

    Prosa pra gente grande

    Eurides Lemos Morais Da Cunha

    • 0
    • 0
    • 0
    A obra intitulada Prosa Pra Gente Grande começou a ser delineada partindo do sonho da autora de escrever para o público numa linguagem universal, facilitando o diálogo da poesia com as crianças e os demais leitores e autores. A intenção foi contribuir com os primeiros passos na observação de tudo o que nos cerca e ao mesmo tempo instigar a busca do conhecimento a caminho da transformação. Esta primeira compilação é composta por poemas curtos que expressam pensamentos e reflexões sobre as nuances apresentadas e observadas nas vivências diárias, no trabalho, no trajeto, em casa, na família, etc. A ideia de escrever esta obra partiu do desejo de compartilhar e divulgar a poesia presente em cada momento vivido. 
    Saber o que dizer oralmente é fundamental para fazer-se compreender, mas compreender o que lemos é de importância ainda maior para desvendar o que está nas entrelinhas do saber e descortinar a cegueira sobre aquilo que nos cerca e interfere no nosso existir, tanto para o nosso bem e o bem do próximo, quanto para o mal.
    Ler vai além de decifrar códigos linguísticos, é significar, criar, interpretar e extrapolar a expressão escrita. É enxergar, ouvir e sentir de fora e de dentro, e no entorno e tudo misturado. Ler é desvendar caminhos e estratégias da linguagem num mundo de múltiplas faces da comunicação.
    Show book