Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Filosofia de fronteira - entradas à espiritualidade do Logos em Heráclito e João - cover

Sorry, the publisher does not allow users to read this book from the country from which you are connecting.

Filosofia de fronteira - entradas à espiritualidade do Logos em Heráclito e João

Rogério Da Costa De Sousa

Publisher: Autografia

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Qual é a diferença entre religiosidade e espiritualidade? Este é um dos grandes dilemas da humanidade. Qual é a fronteira entre as duas e qual é a intersecção entre ambas? Estão amalgamadas e grudadas uma na outra, ou podem ser separadas? 
Filosofia de Fronteira se propõe a trabalhar a questão da alteridade entre a religiosidade e a espiritualidade, dogma e pensamento, entendendo que há uma transcendência do espírito sobre a religião, forçando o ser humano a amadurecer intelectualmente, libertando-o de seu enclausuramento dogmático. O problema maior é que a estrutura religiosa se mostra onipresente ao fenômeno humano e para onde se vira irá esbarra com a força dogmática, com o poder do sistema e com a esmagadora massa de religiosos.

Other books that might interest you

  • Mulheres na sociedade em tempos de crise - cover

    Mulheres na sociedade em tempos...

    Polianna Pereira dos Santos,...

    • 0
    • 0
    • 0
    Nos primeiros meses de 2020 fomos atropelados pela pandemia do vírus COVID-19. Parte da população se trancou em quarentena, e até o momento vivenciamos as incertezas do futuro sem vacina e sem reduções da epidemia no Brasil. A crise, ampliada sobremaneira pela pandemia, se agrava pelo país. Esse novo contexto exemplifica as questões que vivenciamos no país sob a falsa premissa da neutralidade de gênero. As relações entre homens e mulheres são extremamente desiguais. A maior parte das pessoas envolvidas com tarefas de cuidado são mulheres, que em geral se responsabilizam pelo acompanhamento dos filhos que estão afastados de creches e escolas, as tarefas domésticas e o cuidado dos idosos e dos doentes. Além disso, os casos denunciados de violência doméstica aumentaram muito durante o período de isolamento. Entre as mulheres também existem relações desiguais. É preciso estar atenta ao fato de que nem todas puderam se recolher às suas residências. Muitas mulheres continuam trabalhando como empregadas domésticas durante o período, ou como faxineiras, sem condições de seguir as orientações para a prevenção do contágio.Desse modo, destacamos aqui a essencialidade de trabalhar com o feminismo e suas vertentes, sempre atentas às interseccionalidade que perpassam a temática. Com esse olhar, temos os artigos “Mulheres negras e o genocídio negro brasileiro: entre violências e resistências(in)visibilizadas”, que busca analisar as violências, sobretudo racistas e patriarcais, que atravessam as vivências das mulheres negras e como elas enfrentam o Estado genocida antinegro; “Processos de subjetivação de mulheres negras em situação de rua: perspectivas interseccionais e antirracistas”, com o fim de promover a desconstrução do contexto universalizante da categoria mulher que incide em diversas opressões sobre aquelas que estão alijadas de espaços hegemônicos na sociedade; e “Mulheres indígenas: entrelaçamentos entre violência de gênero, etnicidades e empoderamento para a construção de uma cidadania decolonial” que busca, por meio de uma metodologia etnológica, discorres sobre os inter-relacionamentos entre gênero e a questão étnico-racial e têm como fundamento base, a liberdade e a cidadania decolonial.O livro conta ainda com artigos sobre a construção de discursos contra os direitos humanos no Brasil, especialmente os direitos humanos das mulheres, o papel da mulher na democracia e a importância da participação na política, atuação da biopolítica e do biopoder sobre os corpos femininos e sobre a importância da produção de conhecimento a partir de uma epistemologia feminista.Autoras e autores: Vivane Martins Cunha, Lisandra Espíndula Moreira, Ana Luísa Coelho Moreira, Isabella de Araújo Bettoni, Ricardo Damasceno Moura, Carolina Machado dos Santos, Bruna Camilo de Souza Lima e Silva, Carla Beatriz Rosário dos Santos, Grécia Mara Borges da Silva, Josiene Aparecida de Souza, Damires Rinarlly Oliveira Pinto, Leonardo Custódio da Silva Júnior, Ana Luísa Machado de Castro, Vanessa de Vasconcellos Lemgruber França, Ariadne Araújo Cerqueira Borges, Lili Castro, Laura Mendonça Chaveiro, Thayse Edith Coimbra Sampaio, Marina Almeida Morais
    Show book
  • Reflexões: Educação Sociedade e Política - cover

    Reflexões: Educação Sociedade e...

    Israel Aparecido Gonçalves

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro é uma coletânea de artigos publicados em jornais de Santa Catarina e de São Paulo ao longo de dez anos. Os artigos têm uma linguagem simples e analisam o papel da escola, o processo educacional e a inclusão ou exclusão de segmentos da sociedade. Na esfera social é debatida a questão da corrupção, da desigualdade social, da liberdade de imprensa e a rua como lugar de crítica social, entre outros temas importantes para a sociedade. Na esfera da ciência política, o foco dos artigos está em entender os rumos da reforma política no Brasil e o voto distrital. É uma obra para você refletir sobre o rumo da sociedade, da educação e da política no Brasil. 
    Boa leitura.
    Show book
  • Lei Anticrime - Comentários às modificações no CP CPP LEP Lei de Drogas e Estatuto do Desarmamento - cover

    Lei Anticrime - Comentários às...

    David Metzker

    • 0
    • 0
    • 0
    A Lei 13.964, publicada no dia 24 de dezembro de 2019, conhecida como Lei Anticrime, alterou substancialmente o Código Penal, Código de Processo Penal e diversas leis extravagantes, como a Lei de Execução Penal, Lei de Crimes Hediondos e tantas outras. Esta obra traz algumas considerações sobre as principais modificações realizadas pela Lei Anticrime.
    Show book
  • Oh margem! Reinventa os rios! - cover

    Oh margem! Reinventa os rios!

    Cidinha da Silva

    • 0
    • 0
    • 0
    O livro Oh, margem! Reinventa os rios! marca o reencontro de Cidinha da Silva com a crônica. A escrita ágil, irônica e multifacetada da autora promove sensações diversas em que a lê, incluindo a reflexão sobre temas como as práticas racistas arraigadas no dia-a-dia das relações humanas no Brasil, assimetrias de gênero e opressão sócio-política.Com vinte e dois textos, o livro ganha nova edição aumentada e nova organização dos textos que flui como o curso de um rio, nascente, afluente, leito e foz. Este lançamento tem prefácio de Paulo Scott, dois contos e três crônicas novas: Thriller (originalmente publicado na Alemanha), Querubim Pretim, O dia que o livro foi traje de gala, Musashi e Spider e O lugar defala de quem se pergunta em que inimaginável mundo novo vivemos? Das crônicas emergem sujeitos dignos, plenos de humanidade que enfrentam (como podem) os dilemas narrativos propostos em situações amorosas, sensuais, futebolísticas e do cotidiano da pobreza, vivida e apresentada com dignidade. Em sua apresentação, Paulo Scott ressalta: 'Ainda assim quero chamar atenção para a última narrativa desta coleção, 'O lugar de fala de quem se pergunta: em que inimaginável mundo novo vivemos?', sobre a sensibilidade da autora, sobre a sua leitura criteriosa a respeito da, nada óbvia, tensão presente nos constantes embates de nossa rotina brasileira, rotina em que sobressai – em graus diversos, sempre sobressai – o velho e anacrônico racismo estrutural brasileiro. E nisso também, aqui, diante de vocês, com a força que este nosso tempo exige, um livro urgente.'
    Show book
  • Como controlar o avanço do mar - cover

    Como controlar o avanço do mar

    Marco Lyra

    • 0
    • 0
    • 0
    Os acontecimentos climáticos nas zonas costeiras nos últimos anos são um sinal de alerta de que é preciso ação para aumentar nossa capacidade de resiliência nas praias urbanizadas. A resiliência é baseada em dois aspectos fundamentais: a continuidade e a recuperação de um sistema frente a uma mudança.
    É visível a urgência em se adotar medidas mitigadoras para controle do avanço do mar, com ações urgentes para garantir mecanismos melhores para toda comunidade litorânea, cujo objetivo seja adaptação à mudança radical das circunstâncias no ambiente costeiro.
    Para determinar eventuais soluções para o problema do avanço do mar, são necessárias três perguntas para fazer essa determinação: Existe uma solução técnica adequada? A solução é técnica e economicamente viável? Qual o impacto no meio ambiente?
    Responder a essas perguntas é o objetivo do livro.
    Show book
  • Apecatu - O bom caminho - cover

    Apecatu - O bom caminho

    José Cláudio Rocha

    • 0
    • 0
    • 0
    “Apecatu: o bom caminho” é uma obra que reúne textos poéticos escritos pelo autor em seu cotidiano como professor universitário, orientador e militante junto a causas sociais.
    A preocupação com a dignidade humana e o respeito à diversidade está presente em toda a obra, permeando todas as dimensões da vida como a família, o trabalho e a participação política nos diversos espaços públicos.
    A humildade, simplicidade, orgulho profissional e foco no trabalho são também dimensões exploradas pelo autor ao provocar seus leitores a explorar outras formas de expressar sua visão de mundo, reconhecendo que a arte fala mais a verdade do que a ciência porque ela não tem o melindre da prova.
    Show book