Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Como capacitar a mente para as finanças - cover

Como capacitar a mente para as finanças

Rodrigo Simão Da Costa

Publisher: Saint Paul Editora

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

O livro Como capacitar a mente para as finanças apresenta os pilares da educação financeira de uma forma simples e prática, com o objetivo de capacitar a mente das pessoas para decisões mais assertivas relacionadas às finanças.

Esses pilares se referem às fontes de recursos, à forma como os gastos são praticados, às formas de captação dos recursos financeiros e às opções de investimento e geração de renda, trazendo exemplos práticos do dia a dia onde o leitor:

•	Aprenderá a como administrar suas finanças utilizando de forma mais efi ciente o seu dinheiro;
•	Será capaz de entender o correto funcionamento das questões relacionadas às finanças passando a ter maior domínio sobre as suas próprias decisões;
•	Organizará melhor suas finanças por meio de um planejamento financeiro de curto e longo prazo.

A educação financeira é competência essencial para toda e qualquer pessoa, por isso, este livro foi escrito com o objetivo de atender todos os públicos, como os estudantes do ensino médio, ensino superior, pós-graduação, cursos técnicos e livres relacionados à área de negócios, os executivos e, principalmente, os pais e educadores de um modo geral.
Available since: 08/12/2021.

Other books that might interest you

  • Boas Práticas - cover

    Boas Práticas

    Ricardo Garay

    • 0
    • 0
    • 0
    Este audiolivro foi criado com um único propósito, o de ajudar você a entender, definir e agir por boas práticas nos negócios, mas atividades profissionais e mesmo no cotidiano nas atividades pessoais e sociais. Este audiolivro se aplica a todos que desejem se tornar melhores pessoas e melhores profissionais.
    Show book
  • Como acabar com a crise - as 7 reformas que o Brasil precisa - cover

    Como acabar com a crise - as 7...

    Antonio Didier Vianna

    • 0
    • 0
    • 0
    O novo livro de Antonio Didier Vianna, 'Como acabar com a crise: as 7 reformas que o Brasil precisa' traz a análise do autor do que ocorreu com a interação governo/economia e que conduziu à crise em 2013 e gerou os desdobramentos até o mês de maiode 2018. Com uma rica vivência de mais de meio século colaborando para o desenvolvimento do Brasil, Antonio Didier Vianna nos apresenta soluções para que o país volte ao patamar “das nações do Primeiro Mundo, sendo mais competitivo e acabando com a pobreza, a falta de educação e incorporando à sociedade a população brasileira marginalizada.” Reforma tributária, revisão constitucional, estatuto do funcionalismo e a flexibilização do trabalho são alguns dos pontos abordados nas reflexões impostas pelo autor. O desafio de voltar a crescer é a preocupação constante nas palavras de Didier, que acredita na descentralização do poder e que disseca a anatomia da crise com diagnósticos e prognósticos.
    Show book
  • Automóvel sem mistérios - 50 dicas sobre Tecnologia Veicular - cover

    Automóvel sem mistérios - 50...

    Hélio Da Fonseca Cardoso

    • 0
    • 0
    • 0
    Desde que iniciei minha carreira profissional como
    Engenheiro Mecânico dedicado aos veículos automotores
    nunca deixei de ouvir toda espécie de perguntas sobre os
    principais problemas encontrados nos automóveis, diferenças
    entre modelos, qual o melhor veículo, dentre outras.
    É verdade que muitas dessas perguntas eram de fácil
    resposta, porém outras dependiam de uma análise mais
    aprimorada e valia a pena descrevê-la melhor.
    Cada pergunta ou dúvida me instigava a escrever um
    pequeno artigo sobre determinado assunto, e assim foi.
    Ao longo dos últimos anos dediquei-me a escrever sobre
    diversos assuntos relacionados à tecnologia veicular que
    foram publicados em revistas especializadas, jornais e em
    mídia eletrônica.
    Além disso, durante as palestras e apresentações que
    fiz para divulgar o meu livro “Veículos Automotores: Identificação,
    Inspeção, Vistoria, Avaliação, Perícia e Recall” e
    através dos meios de comunicação eletrônicos recebi outras
    solicitações para escrever sobre assuntos que pudessem
    ajudar as pessoas a escolher um veículo, a realizar manutenções
    adequadas e a conhecer melhor o seu automóvel.
    Tentamos reunir nesta coletânea os artigos de nossa
    autoria mais importantes e significativos que foram publicados
    em grandes veículos de comunicação e de alguma
    forma respondem aos anseios daqueles que nos apresentaram
    questionamentos.
    Show book
  • Em defesa da engenharia brasileira - cover

    Em defesa da engenharia brasileira

    Jaime Rotstein

    • 0
    • 1
    • 0
    Documento histórico que mostra o que foi a luta pelo desenvolvimento da engenharia brasileira.
    
    Do prefácio de Mario Joppert:
    
    Cabe sem dúvida, ao autor deste livro, Eng.° Jaime Rotstein, a prioridade da campanha em favor dos engenheiros e das empresas brasileiras que exploram serviços de estudos e construção, ligados à Engenharia. Em seu discurso de 21 de dezembro de 1964, perante o Conselho-Diretor do Clube de Engenharia, de que é membro, expôs com inexcedível clareza a situação de inferioridade do tratamento por parte dos poderes públicos daqueles engenheiros e empresas, em relação a técnicos e entidades estrangeiras da mesma natureza profissional que recebem contratos de procedência oficial para trabalhar em nosso País.
    Show book
  • Desenvolvimento e subdesenvolvimento - cover

    Desenvolvimento e...

    Celso Furtado

    • 0
    • 0
    • 0
    Nascido em 1920, graduado em direito no Brasil em 1943, doutorado em economia na França em 1948, Celso Furtado foi o mais brilhante pensador brasileiro da geração que fundou o pensamento econômico latino-americano contemporâneo. Quando era jovem, ainda predominava entre nós a economia clássica inglesa, que oferecia os argumentos teóricos para a perpetuação da nossa condição primário-exportadora: o Brasil devia continuar especializado em atividades nas quais era mais eficiente ? a agricultura e a mineração ? e respeitar uma divisão internacional do trabalho em que as atividades industriais se desenvolviam fora de seu espaço econômico.
    
        Furtado e outros de sua geração enfrentaram o desafio teórico de propor uma nova interpretação da economia internacional e o desafio político de alterar estruturas em nosso país. Não lhes faltou ousadia. Contrariando o saber dominante, afirmaram que o subdesenvolvimento não era uma fase histórica comum a todos os países, mas sim uma condição específica de uma parte do sistema capitalista. A formação de economias industriais no centro do sistema e de economias subdesenvolvidas na periferia eram aspectos de um mesmo processo.
    
    
        Entregue ao predomínio de forças espontâneas, essa divisão tendia a se reproduzir, aprofundando a distância que separava países e regiões. Em vez de seguir os sinais de mercado, tratava-se, pois, de produzir mutações. A principal delas era a industrialização. Mas a industrialização periférica não poderia repetir a trajetória já conhecida. Era um processo novo, sem precedentes e problemático. Seria realizada em meio a crônica crise cambial e sob tensões inflacionárias, com planejamento e indução do Estado.
    
    
        Em 1961, no auge desse debate, Celso Furtado publicou Desenvolvimento e Subdesenvolvimento, "um apanhado crítico e uma reformulação e ampliação de tudo que escrevi relacionado com teoria econômica no último decênio". Como mostra Rosa Freire d?Aguiar Furtado na Apresentação desta edição, "Celso estava mergulhado na ação, em plena batalha para implantar as reformas da Sudene, consolidando a instituição que se propunha a acelerar o desenvolvimento do Nordeste. A atividade política e administrativa era intensa."
    
    
        Logo vieram sucessivas reedições e traduções do livro, acompanhadas de estudos críticos de eminentes economistas de diversos países. Com o golpe militar de 1964, Celso Furtado teve os direitos políticos cassados e partiu para um longo exílio. Desenvolvimento e Subdesenvolvimento não pôde mais ser publicado no Brasil depois de 1965, quando estava na quarta edição. Mas permaneceu como um clássico. Agora, inaugura a coleção Economia Política e Desenvolvimento editada pelo Centro Celso Furtado em parceria com a editora Contraponto.
    
    
                            César Benjamin
    
    
    "O desenvolvimentismo se está configurando como ideologia do desenvolvimento nacional, no sentido de que exige um processo de diferenciação nacional no quadro da economia mundial. Para desenvolver-se é necessário individualizar-se concomitantemente. [...] Atribui-se, assim, grande importância à autonomia na capacidade de decisão, sem a qual não pode haver uma autêntica política de desenvolvimento. A sincronia entre os verdadeiros interesses do desenvolvimento e as decisões tem como pré-requisito a superação da "economia reflexa", isto é, exige a individualização do sistema econômico. Essa ideologia transformou a conquista dos centros de decisão em objetivo fundamental. E, como o principal centro de decisões é o Estado, atribui a este um papel básico na consecução do desenvolvimento. [...] Mas, desde já, podemos estar seguros de que o desenvolvimento somente se realizará se se criarem condições para uma participação mais ampla em seus frutos das massas urbanas e rurais."
    
    
                            Celso Furtado
    Show book
  • Estudo para Concursos - cover

    Estudo para Concursos

    Ricardo Garay

    • 0
    • 0
    • 0
    Com este audiolivro você poderá se preparar melhor para prestar concusos públicos. Este audiolivro oferece técnicas e informações para preparação, a busca de resultados, um método de estudo, oferece ainda fontes de recursos e concursos, mais dezenas de dicas valiosas.
    Show book