Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Segredos Mortais - cover

Segredos Mortais

Robert Bryndza

Publisher: alma dos livros

  • 0
  • 2
  • 0

Summary

Numa manhã gelada de inverno, uma mulher acorda e encontra o corpo ensanguentado da filha à porta de casa. Quem seria capaz de tal atrocidade?

A detetive Erika Foster vive um momento de fragilidade devido ao último caso que resolveu, mas está decidida a liderar também esta investigação. Ao deitar mãos à obra, toma conhecimento de outros ataques cometidos na mesma zona pacata do sul de Londres onde o crime ocorreu. Um pormenor arrepiante liga-os ao homicídio - todas as vítimas foram atacadas por uma figura vestida de preto com uma máscara de gás.

Erika procura um assassino cujo cartão de visita é aterrorizante. O caso complica-se quando descobre a teia de segredos que rodeia a morte da bela jovem.

No entanto, ao juntar as pistas, Erika é forçada a confrontar memórias dolorosas do passado. Deve escavar bem fundo, manter-se concentrada e encontrar o assassino. Só que, desta vez, um elemento da sua equipa corre um perigo terrível...
Críticas de imprensa
«Meu Deus! Deem-me um momento enquanto recupero o fôlego! Adorei! Que livro! Que autor! Que leitura! Devoramos as páginas, e não conseguimos parar... cada reviravolta deixa-nos de boca aberta, com a cabeça a girar e o coração a bater descompassadamente.»
Emma the Little Bookworm

«Impressionante!... A história mantém-nos em suspense até ao fim. Sinceramente, não adivinhei quem era o assassino até a revelação ser feita. Muito bom!»
Stardust Book Reviews

«Robert Bryndza é uma lufada de ar fresco. Cria personagens de que não nos fartamos e histórias suculentas e complexas que nos prendem... Escreve com grande profundidade e emoção, e deixa-nos, como leitores, surpreendidos, muito entretidos e bastante satisfeitos.»
What’s Better Than Books?

«Robert Bryndza passou para o topo da minha lista de escritores de policiais preferidos depois de ler os seus outros livros... Este é fantástico!! A história prendeu-me na primeira página e não me largou até ao fim... Não se esqueçam de ler os outros também!! Cinco estrelas (dava mais se pudesse!).»
Star Dust Book Reviews
br/> «Oh, meu Deus! Emocionante! Adorei o livro… Têm mesmo de o ler!»
A Page of Fictional Love

«Um thriller que é uma montanha-russa de suspense sem limites! O fim, oh, o fim! Ainda estou de boca aberta! Este livro não vai desapontar!»
The Book Addicted Boy

«Um dos thrillers mais excitantes, dramáticos, tensos e convincentes que já li.»
Bookaholic Confessions

«De novo, uma leitura fantástica, devorada num dia, e depois fiquei a ressacar! Adoro esta série; as personagens estão muito bem desenvolvidas e sentimos empatia por elas.»
Goodreads Reviewer, 5 estrelas

Other books that might interest you

  • O homem que nunca foi amado - cover

    O homem que nunca foi amado

    Nano Silva

    • 0
    • 1
    • 0
    Um autor desconhecido do mundo da literatura decide seguir os passos de seu primo, um romancista famoso, para também escrever um livro. Mas, como não têm a mesma experiência, achou por bem escrever suas epopeias desde os 16 anos até àquele momento, em que chegara aos quase meio século de vida e até então nunca havia se casado e acreditava que nunca tinha sido amado por ninguém. Tornara-se um excêntrico e pôs mão à obra para escrever sua questionável biografia onde relata as suas experiências.
    Show book
  • Hospital-bazar - cover

    Hospital-bazar

    Altair Teixeira Martins

    • 0
    • 0
    • 0
    A Higiene surge à frente das cortinas sob aplausos.
    A HIGIENE, para o público.
    Vivemos em tempos comprimidos, numa constante luta por lugares para viver, adoecer e morrer. Neste mundo de febre intermitente, não há mais sentido para a manutenção de espaços ociosos como bibliotecas, praças, museus e salas de aula. Trazemos a patologia empreendedora. Nesta antiga sala de aula, por exemplo, foram abertos novos leitos para que possam ser atraídas novas epidemias. Na constante emergência, na qual farmácias e postos de saúde já não suprem a hipocondria coletiva, tivemos de nos antecipar para atrair o mal futuro. Ninguém precisa mais esperar para ficar doente. Somos a enfermidade agendada, a baixa hospitalar voluntária e a automedicação. Já temos a tosse para o vírus de amanhã. Entendemos que a moléstia é um direito cada vez mais urgente de cada cidadão e que a dor instantânea requer hospitais instantâneos. Nossa política é a da inclusão sem burocracia. Há catarro e mosquitos para todos, porque todo diagnóstico deve antecipar o sintoma. E, para que cada um possa aproveitar ao máximo, sendo a mosca que divide a ferida e esfrega as mãos, contamos também com um aquário e uma máquina de café expresso. Por fim, como representante da Saúde Pública, só me resta anunciar a abertura do que há de mais moderno em termos de espaço epidêmico propositivo: o Hospital-Bazar!
    Show book
  • Max Factor - o homem que mudou as faces do mundo - cover

    Max Factor - o homem que mudou...

    Fred E. Basten

    • 0
    • 0
    • 0
    Ele revolucionou o mundo da beleza inventando cosméticos inovadores, como cílios postiços, gloss, base, sombras, lápis para sobrancelha, rímel com aplicador e maquiagem à prova d’água.
    Desenvolveu maquiagem para o cinema mudo, o falado e, por fim, para os filmes em cores. Criou looks para Katharine Hepburn, Rita Hayworth e um sem-número de outras beldades da época.
    Max Factor foi o pai da maquiagem moderna, e essa é a sua extraordinária história.
    Show book
  • Audálio Deputado - cover

    Audálio Deputado

    Antonio Barbosa Filho

    • 0
    • 0
    • 0
    Audálio Dantas, falecido em 2018, ficou nacionalmente conhecido como repórter, escritor e líder sindical dos jornalistas. Mas há uma outra faceta da sua carreira, que este livro resgata em detalhes: ele foi deputado federal em oposição a ditadura, considerado um dos dez mais influentes da Câmara entre 1978 e 1983 e o melhor parlamentar da bancada paulista. Em 81, foi premiado na ONU por sua defesa dos Direitos Humanos, ao lado do ex-presidente Jimmy Carter e da atriz sueca Liv Ülmann.
    Show book
  • A Arte de Vencer uma Discussão sem Precisar de Ter Razão - cover

    A Arte de Vencer uma Discussão...

    Arthur Schopenhauer

    • 0
    • 0
    • 0
    Acontece com frequência uma pessoa estar objetivamente certa e, no entanto, aos olhos dos outros e, às vezes, aos seus próprios, sair-se pior numa discussão, sendo confundida ou refutada por argumentos meramente superficiais. Por exemplo, apresenta uma prova de alguma afirmação, mas o seu adversário refuta-a e, assim, parece ter refutado a afirmação para a qual, no entanto, pode haver outras provas. Neste caso, é claro, o adversário e a pessoa trocam de lugar - ele sai-se melhor, embora, na verdade, esteja errado.
    
    Assim, a vitória numa disputa deve-se muitas vezes não tanto à correção de um julgamento ao declarar uma afirmação, mas sim à astúcia e à argumentação com que ela foi defendida.
    Se o leitor perguntar como é que isto acontece, respondemos que é simplesmente a vileza natural da natureza humana. Se a natureza humana fosse inteiramente honrada, não deveríamos, em nenhum debate, ter outro objetivo que não a descoberta da verdade.
    
    Para vencer uma discussão não é fundamental ter razão, é apenas necessária a arte e o engenho de refutar as afirmações do adversário e conduzir a audiência a tomar o seu partido.
    A Arte de Vencer uma Discussão Sem Precisar de Ter Razão é a arte de disputar uma conversa de modo a ganhar a contenda mantendo o seu ponto de vista, independentemente de estar certo ou errado.
    Arthur Schopenhauer propõe explicar de que maneira podemos fazer com que as nossas ideias tenham sucesso apesar da sua falsidade ou da sua inconsistência.
    
    O filósofo precursor do pessimismo aponta que a verdade objetiva de uma afirmação e a sua aprovação por aqueles que a discutem não são a mesma coisa. Devido à perversidade natural do ser humano, nas disputas quotidianas, de facto, o objetivo não é a descoberta da verdade, mas sim o desejo fútil de ter razão.
    Show book
  • A era de Juliano - Paganismo e cristianismo no Império Romano - cover

    A era de Juliano - Paganismo e...

    Gaetano Negri, Eliana Aguiar

    • 0
    • 0
    • 0
    No ano 361, o cristianismo completara meio século como religião oficial do Império Romano. Quatro imperadores cristãos já haviam governado em sequência. Embora profundamente dividida por debates esotéricos, ainda em busca de fixar sua doutrina oficial, a Igreja predominava sem contestação relevante nos centros do poder. As religiões antigas perduravam nos campos, mas a grande maioria dos habitantes das cidades do Império já se dizia cristã.  
    
    Nesse contexto, ascende ao trono um jovem imperador que decide restaurar a civilização helênica e o culto aos seus múltiplos deuses. Embora educado no cristianismo, conhece a fundo o helenismo, pela influência de mestres, por sucessivas viagens, pelo estudo dos neoplatônicos e por outras leituras. Dotado de espírito forte e reto, considera que seu dever é propiciar o retorno ao passado e impedir a consolidação de uma religião que, segundo ele, estava destruindo uma gloriosa civilização.  
    
    Era Flávio Cláudio Juliano, que entrou para a história como Juliano, o Apóstata, pois a Igreja cristã, que ele combateu sem perseguições, tornou seu nome odioso. Sua vida pública durou somente oito anos, entre 355, quando conduziu uma grande campanha contra as invasões germânicas na Gália, e 363, quando foi mortalmente atingido por uma lança em um combate com os persas. 
    
    Ao assumir o trono, ele encontrou uma corrupção generalizada no Império cristão e uma Igreja dilacerada pelo conflito de facções.  A disputa metafísica em torno de dogmas filosóficos já substituíra o cristianismo simples do Sermão da Montanha, que, na origem, se resumia a normas de conduta e à crença em algumas promessas reveladas por Cristo. 
    
    A tentativa de salvar o grande Império decadente por meio da refundação do paganismo helênico soa estranha para nós. Mas foi um momento decisivo na história do Ocidente, pois esteve em xeque a adoção do monoteísmo cristão pelo Império Romano, uma guinada não só teológica, mas, antes de tudo, política, que determinou parte importante da história do mundo em que vivemos. 
    
    Juliano perdeu. As religiões de culto, durante milênios vinculadas a sociedades específicas, acabaram derrotadas, cedendo lugar a uma “religião do livro” dotada de aspiração universal. O jovem imperador passou pelo trono como um meteoro luminoso que, mal começou a brilhar, se apagou. Não teve tempo de deixar uma marca duradoura de sua ação nos fatos e nas coisas. Permaneceram apenas seu ideal utópico, seus textos e os testemunhos dos contemporâneos, em larga medida recuperados pelo historiador Gaetano Negri neste belo ensaio biográfico. 
    
    César Benjamin
    Show book