Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
A Ultima Hora : como ela era - cover

A Ultima Hora : como ela era

Pinheiro Junior

Publisher: Mauad Editora Ltda

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Um jornal sério que não dispensava humor e piada para mover o dia a dia de sua redação, onde pontificavam celebridades do jornalismo e da literatura. Assim era Ultima Hora. Tragédias, dramas, farsas e comédias – epígrafe da principal coluna de Nelson Rodrigues, “A vida como ela é” – pautavam suas reportagens e colunas famosas e espreitavam a própria intimidade dos participantes desta história, agora contada pelo repórter Pinheiro Junior – depois editor e, por fim, diretor responsável do jornal. Ao longo de 17 anos, Pinheiro Junior conviveu com os personagens deste livro, cujo protagonista maior é Samuel Wainer, o fundador de Ultima Hora, diário que lhe foi dado de presente – ou como prêmio – pelo presidente Getúlio Vargas. Premiação que se juntou à série de injunções culminadas no suicídio do mais importante dos estadistas da República.

Other books that might interest you

  • As velhas estão no desespero - cover

    As velhas estão no desespero

    Jorge Nascimento

    • 0
    • 0
    • 0
    Mais que desespero, as velhas estão literalmente na luta, prontas para brigar pelos seus mais variados desejos, que envolvem amores e dinheiro. Uma bem urdida trama, à qual se somam velhos e novos personagens amparados sempre pela escrita de um autor experiente.Uma trama que não fala de velhice, mas que mostra que elas, as velhas, estão desesperadamente prontas para atacar em cena.
    Show book
  • 20 anos de cinema independente - cover

    20 anos de cinema independente

    Carlos Augusto Dauzacker...

    • 0
    • 0
    • 0
    Entre 1996 e 2026, a cada janeiro, eu sofria com o verão carioca enquanto recebia notícias nevadas do Festival de Sundance através de Carlos Brandão e sua companheira-parceira Myrna Brandão. Naqueles 20 anos, eles foram minha principal fonte de informações sobre o cinema independente mundial. Ver esse material reunido agora num livro é motivo de grande alegria. Carlos foi um pesquisador apaixonada e, junto com Myrna, um repórter afiado. Suas entrevistas e artigos a respeito de filmes e diretores que passaram pelo Sundance têm a marca de quem viu tudo de perto. E soube contar.
    Carlos Alberto Mattos – Crítico de Cinema
    
    Quando Robert Redford lançou o Festival de Sundance em 1981, a época de intensa criatividade do cinema independente norte-americano dos anos 70 parecia distante. O Festival chegou para redefinir as características de um cinema que se tornava o reflexo dos anos Reagan: mais conservador e menos ousado. Apostando no risco e em vozes dissonantes e plurais, Sundance soube revelar diretores inovadores e organizou programas de desenvolvimento de roteiros em diferentes partes do mundo, a começar pelo Brasil. A geopolítica do cinema independente nunca mais seria a mesma. 
    Sundance logo virou um ponto de referência para a retomada do cinema brasileiro, que se reerguia depois da terra arrasada do desgoverno Collor. Foi um dos primeiros festivais internacionais a abraçar a nossa cinematografia naquele momento, e poucos críticos e jornalistas acompanharam esse movimento tão de perto quanto Carlos Augusto Brandão. Com sua inseparável Myrna, Carlos anteviu o que ainda estava em construção: cobriu o Festival desde os seus primeiros passos, colhendo entrevistas preciosas de jovens diretores estreantes. Não consigo lembrar de Sundance sem pensar em Carlos, nas suas observações e perguntas sempre pertinentes e sensíveis, nas suas matérias que dimensionaram o cinema brasileiro que renascia. 
    Esses testemunhos colhidos à quente compõem esse precioso "20 Anos de Cinema Independente". As entrevistas reunidas aqui contam não somente a história do renascimento do cinema independente em diferentes latitudes, mas também falam da intensa paixão que Carlos Augusto Brandão nutria pelo cinema. Seus textos o tornam ao mesmo tempo testemunha e coautor de um cinema em transformação. 
    Walter Salles – Cineasta
    Show book
  • O guerreiro invisível e outros contos do tempo - cover

    O guerreiro invisível e outros...

    Julia Grillo, Nicia Grillo

    • 0
    • 0
    • 0
    O guerreiro invisível e outros contos do tempo é uma bela coletânea que reúne contos escolhidos dentro do repertório arquimilenar da Arte da Palavra.O trabalho primoroso da coleção de histórias é fruto de longa maturação na escuta sutil do universo das narrativas de tradição oral.O livro é portanto um achado poético, um presente preciso que abre nossos olhos para a percepção dos invisíveis guerreiros que habitam nossa terra interior.
    Show book
  • Arte e Sustentabilidade Ed 01 - Mais de 30 Ideias - cover

    Arte e Sustentabilidade Ed 01 -...

    Criarte

    • 0
    • 0
    • 0
    A arte é uma atividade ligada a manifestações feita por artistas de ordem estética, em que sintetizam as suas emoções, sua história, seus sentimentos, suas ideias e sua cultura com o objetivo de estimular a consciência em um ou mais espectadores.
    A proposta da  Arte & Sustentabilidade é de além de oferecer infinitas sugestões para quem gosta e faz arte e artesanato
    nos mais variados temas, proporcionar ideias de como fazer arte associada aos cuidados com o meio ambiente, pensando na reciclagem e na sustentabilidade.
    Você vai se surpreender com os belíssimos trabalhos que são criados baseados nessa nova proposta com a frase de nossa amiga artesã Gizela K. Scherer: Reciclando Com Arte Eu Faço Minha Parte”. Sim, vamos fazer a nossa arte e a nossa parte!
    Show book
  • Modernismo e antimodernismo - cover

    Modernismo e antimodernismo

    Voltaire Schilling

    • 0
    • 0
    • 0
    Entendo, aqui, o conceito de Modernidade como aplicado à época em que vivemos, o que nos é contemporâneo, o que historicamente está bem próximo de nós e que molda o nosso dia a dia, ainda que tenha suas raízes cravadas mais ou menos na metade do século XIX. Modernismo, por sua vez, é a expressão cultural e estética que se manifesta depois da afirmação da Modernidade; é como ela aparece nas artes, na literatura, na arquitetura, no cinema, etc., enquanto reservo a palavra Vanguarda para indicar a minoria consciente: os precursores dos fenômenos artísticos da nossa época. O que se segue é um conjunto de vivos recortes de momentos históricos diferentes que procuram situar no tempo a emergência dos Movimentos Modernistas mais significativos e quais foram suas relações com as estruturas socioeconômicas e com o poder ideológico da sua época. Em muitos dos artigos-ensaios que se seguem, o autor optou pela narrativa e não por uma exposição teórica – um tanto ao revés do que recomendou certa vez Henri Lefebvre –, com a intenção de humanizar problemas existenciais e técnicos enfrentados pelos artistas citados. Contemplou, também, as difíceis relações que o Movimento Modernista travou com as ideologias do século XX: o comunismo, o nazi-fascismo e o liberalismo, ressaltando as maneiras distintas com que a Vanguarda reagiu a eles, ou foi perseguida e, simultaneamente, utilizada por eles.
    Show book
  • Bye bye - reflexões gráficas sobre a morte - cover

    Bye bye - reflexões gráficas...

    Levindo Carneiro

    • 0
    • 0
    • 0
    Um livro de imagens dos momentos gráficos antes e depois da morte. Fotografias em cemiterios, beira de estradas, estúdio fotográfico, florestas, ruas e  com aplicativos 3D.
    Show book