Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
De novo em casa - cover

De novo em casa

Pedro Miranda Albuquerque

Publisher: Jaguatirica

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

De novo em casa', o sétimo livro de Pedro Miranda Albuquerque, traz 56 poemas fortes e aguerridos, pontuados por extrema força misteriosa e mística 'que aposta no futuro, haja o que houver', tão típica dos filhos do Lácio. Com prefácio do professor Marcelo Moraes Caetano, à luz da História, da Psicologia e das nossas tradições gregas, romanas, e também lusitanas, o livro, em edição desde 2019, acaba por ser publicado neste ano de 2020, no momento exato em que, sujeitos ao isolamento social imposto por uma inusitada e mundial pandemia, voltamo-nos a nós mesmos, ao cerne, à gênese, ao lar — e é nesse espaço em que nos deparamos com a cruel máquina que sempre nos impôs o 'sair', o 'produzir', o 'ter', na melhor lógica kafkiana e sisífica que se pode constatar. Dentro destes poemas de Pedro Albuquerque, isolados em casa, deixados à solidão do cotidiano sem o imperativo producionista do capital, é possível resgatar, ainda que por breves instantes, aquilo por que sempre almejamos: observar a flor das onze horas abrir exatamente às dez e meia; notar que o bem-te-vi aprecia a quietude de quando a brisa esvai a tarde; ouvir o alvoroço dos pássaros ao fim do dia. É disto que trata o livro. Das pequenas prisões suaves e belas da vida, deste ninho quente de onde por vezes desejamos sair, e ao qual noutras vezes precisamos voltar, do encontro consigo mesmo e com os espaços e tempos em que a vida se desenrola.
Available since: 09/21/2020.

Other books that might interest you

  • Anão ser - cover

    Anão ser

    Giovanni Venturini

    • 0
    • 0
    • 0
    Este é o primeiro audiolivro de poesias de Giovanni Venturini. Como proposto pelo título, o audiolivro reúne versos que refletem as vivências do autor com toques de ludicidade e descoberta. O poema que dá nome ao audiolivro emerge como um manifesto, clamando à sociedade que olhe para baixo e o enxergue. Venturini e seus versos retratam a real altura do seu ser
    Show book
  • Os escritores de cartas à mão armada - cover

    Os escritores de cartas à mão...

    Olufunke Ogundimu

    • 0
    • 0
    • 0
    Os escritores de cartas à mão armada da autoria de Olufunke Ogundimu é uma estória sobre uma comunidade nigeriana que recebe cartas de assaltantes à mão armada a anunciar a sua chegada e uma lista de pertences que tencionam levar. Os assaltantes também enviam cópias destas cartas à polícia, aconselhando as suas potenciais vítimas a não se incomodarem. Usando o pronome colectivo “nós” para implicar uma voz narrativa coroada, Ogundimu retrata efectivamente, com um sentido de humor peculiar, a confusão colectiva e a determinação de civis indefesos e o estado lamentável do policiamento no país
    Show book
  • Negra nua crua - cover

    Negra nua crua

    Mel Duarte

    • 0
    • 0
    • 0
    A poeta Mel Duarte acaba de lançar seu segundo livro intitulado “Negra Nua Crua”,. Em versos que retratam as inquietações, provocações, sensações, angústias e prazeres da vida pela ótica de uma mulher negra.Em “Negra”, a autora problematiza questões raciais, o preconceito e a solidão da mulher negra, como em “Exposta”: “(...) Foi dessa carne negra que sangrou gota a gota a falta da sua companhia”.“Nua” trata de desejos, sensações e prazeres, como em “Delitos”: “(...) Nossos corpos fervem e as bocas já não possuem freios/ Seu santo é fraco e você se perde entre meus seios/ E entre tantos delitos e declarações/ Abusamos de nós, como provam os arranhões...”.Por fim, em “Crua”, o lado visceral e combativo da poeta se revela em versos comos os de “Verdade Seja Dita” : “Verdade seja dita”: (...) Você que não mova sua pica para impor respeito a mim./ Seu discurso machista, machuca/ E a cada palavra falha/ Corta minhas ...
    Show book
  • Tudo que já nadei - Ressaca quebra-mar e marolinhas - cover

    Tudo que já nadei - Ressaca...

    Letrux

    • 0
    • 0
    • 0
    Textões, poemas e aforismos da maior voz da cena indie brasileira: Letícia Novaes, a Letrux "Aos goles, salgados, doces, etílicos e brandos, as três seções de Tudo que já nadei nos vão entrando pela cabeça, revirando ou se assentando nos nossos estômagos, mas chegam, certamente, ao coração." – RITA VON HUNTY "Letícia flutua e mergulha, superficial e profunda, como pop music Escrever é uma coisa, fazer querer ler é outra inteiramente diversa Flutue, mergulhe, os textos são suas boias de braço, e nade. De nada." – LULU SANTOS "Este livro contém 855 aparições da vigésima letra do alfabeto romano: "T". Aqui dentro, Letrux diz que [...] De tesão ou de tédio, "T" é uma letra perigosa. [...], talvez porque sua poética seja a da travessia – cruzar uma porção de água entre superfícies terrestres –, da voz que, vestida do manto atmosférico, faz vibrar cargueiros e botes (...). Tua, toda, tão. Tá, tanto, tudo que Letrux já nadou tange a palavra canto: sons, ângulos, moradas, poemas." – BRUNA BEBER "Já nas primeiras páginas lendo Letícia Letrux, é como tomar um caldo e se divertir com isso. Rir de si mesma. É puro mar, mas ainda assim eu rio. Pororoca. Me fez lembrar de quando aprendi a nadar. Me fez pensar em quanto o mar me atrai e apavora. Ler Tudo que já nadei me deu vontade de boiar e, mais uma vez, me sentir acolhida no mar como no útero. Não que eu me lembre. Do mar sim, do útero nem tanto. Mas sei que tem água também." – LINN DA QUEBRADANessa coletânea de textões (ressaca), poemas (quebra-mar) e aforismos (marolinhas), mergulhe na voz potente e afetiva de Letrux.
    Show book
  • O Ano em que Morri em Nova York - um romance sobre amar a si próprio - cover

    O Ano em que Morri em Nova York...

    Milly Lacombe

    • 0
    • 0
    • 0
    Nova edição do livro de Milly Lacombe: uma viagem de autoconhecimento e, acima de tudo, uma história de amor-próprio. 
    A protagonista deste romance vai do paraíso ao inferno em poucas páginas. Casada com a mulher que ama, ela suspeita de que tenha sido traída durante uma de suas viagens de negócios. A angústia de não saber o que se passa, o medo de perguntar, a desconfiança e a dúvida, que nunca tiveram espaço na relação – considerada perfeita pelos amigos –, agora rondam o casal. Mas será mesmo que a traição existiu? Ou era o amor que estava minguando? O ano em que morri em Nova York não é só a história de um casamento desfeito por conta de uma suposta traição. Estas páginas trazem a trajetória de uma mulher em sua redescoberta após o doloroso rompimento. 
    Jornalista que se tornou ativista LGBTQIAP+, Milly Lacombe cria neste seu primeiro romance, com viés autobiográfico, uma história densa, mas aliviada pelo humor. Um livro que é também uma viagem de autoconhecimento e, acima de tudo, uma história de amor-próprio.
    Show book
  • A Náusea - Um livro que pura poesia concreta arte literária e pura cultura contemporânea com tons de filosóficos e de crítica social - cover

    A Náusea - Um livro que pura...

    Breno Pitol

    • 0
    • 0
    • 0
    Está a procura de um livro com poesias concretas e pura arte literária?A náusea é a melhor dica para quem quer ler livro de poesia concreta, com abordagens reflexivas e filosóficas. As poesias criam imagens e transmitem mensagens que trazem ao leitor uma sensação de entendimento e muita crítica social.Sinopse:Náusea... sentido que se tem quando se vê sentindo algo que classificamos como nojento, mas também quando nos vemos em situação de estresse.Este livro de Breno Pitol Trager é uma nova significação do que já conhecemos como náusea. Escrito em poesia concreta, com estilo pós-contemporâneo, o livro é uma mistura entre doxa e maiêutica, entre reflexão de forma crítica, às vezes filosófica, assim como apresenta o opinar revestido de preceitos, de forma informal.Os versos se configuram em imagens aparentemente engraçadas, trazendo, à primeira vista, apenas algumas palavras com letras desconexas, mas sobretudo revelam questões que envolvem assuntos diversos do cotidiano brasileiro.Não basta olhar os versos lendo, é necessário se inspirar no seu cognitivismo buscando em cada página o essencial narrado pelo autor, o que ele nos afronta a refletir.Não é apenas a sinopse que ter permitirá entender o livro, mas ver, tocar, ler e respirar cada página.Este livro é um convite à leitura e à apreciação a uma bela manifestação da arte literária.
    Show book