Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
O Homem que venceu Getúlio Vargas - Uma batalha política um acerto de contas - cover

O Homem que venceu Getúlio Vargas - Uma batalha política um acerto de contas

Paulo Sergio Valle

Publisher: Litteris

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Uma parte da história do nosso País volta à tona, revisitada, de forma a esclarecer detalhes que o tempo e os ditames da política se incumbiram de apagar. O homem que venceu Getúlio Vargas é um livro cujo personagem central vivencia uma verdadeira batalha entre sonhos e ideais, verdades e mentiras. Um acerto de contas que coloca a história novamente no seu rumo, sem temer o passado, sem subestimar os verdadeiros homens que autenticaram a política nacional.

Other books that might interest you

  • Política em gotas 2 - cover

    Política em gotas 2

    Vinicius De Carvalho Araújo

    • 0
    • 0
    • 0
    O objetivo deste livro é reunir os principais artigos publicados por mim na imprensa dentre os anos de 2011 e 2015. E o que poderá ser encontrado nesta obra? Reflexões sobre a política e a gestão pública contemporâneas. Aqui o leitor passeará pelos principais fatos da história política do período, de Mato Grosso e do Brasil. Procurei observar a dinâmica do sistema político por meio do comportamento dos partidos, eleições, candidaturas e padrões. No caso da gestão pública, sempre centrei no entendimento das inovações e dos novos modelos que vêm sendo introduzidos nos serviços públicos.
    Show book
  • As filhas de Eva querem votar: - uma história da conquista do sufrágio feminino no Brasil - cover

    As filhas de Eva querem votar: -...

    Mônica Karawejczyk

    • 0
    • 0
    • 0
    Neste livro, a historiadora Mônica Karawejczyk apresenta o resultado de uma sólida investigação sobre o processo que culminou com a conquista do voto feminino no Brasil em 1932. A palavra conquista é apropriada para falar sobre as diferentes vozes que se manifestaram desde meados do século XIX, época das primeiras demandas pelo sufrágio, até os anos de 1930, quando o direito ao voto foi estendido às mulheres. 
    Ancorada em uma vasta pesquisa documental, Mônica nos conduz até as estratégias adotadas por homens e mulheres que defenderam o direito à cidadania feminina, enfatizando o protagonismo de persona¬gens como Leolinda Daltro, Bertha Lutz e Maria Lacerda de Moura. Em que pese o objetivo comum das lideranças, suas ações (registradas em cartas, atas, reuniões com parlamentares, atos públicos e na imprensa) evidenciam desacordos e disputas sobre os caminhos do movimento. 
    As manifestações eram pacíficas, tais como a realização de reuniões com parlamentares, publicações de artigos na imprensa e organização de encontros de mulheres. Todavia, Mônica demonstra que ações contestado¬ras, como as tentativas de alistamento de mulheres e o comparecimento a atos promovidos pelo Poder Público com cartazes e faixas alusivos à conquista do voto, também fizeram parte do ativismo político feminino. 
    Através de um diálogo entre a história política e a história das mulheres, Mônica Karawejczyk demonstra que as relações de gênero estiveram no centro do debate público durante a Primeira República. Seu trabalho des¬cortina a difícil caminhada da população feminina até a conquista do voto. 
    A história narrada neste livro não acabou. Muitos argumentos contrários ao voto feminino nas primeiras décadas do século XX ainda são evocados para justificar a posição subalterna das mulheres na política e em outros setores da sociedade. É uma leitura fundamental para compreender a história da cidadania no Brasil e a luta travada por diversas gerações de mulheres em busca da igualdade. 
    Natalia Pietra Méndez 
    Professora do Departamento de História/UFRGS
    Show book
  • A crise dos refugiados : a fuga como perspectiva - cover

    A crise dos refugiados : a fuga...

    Souza Author

    • 0
    • 0
    • 0
    A chamada “crise dos refugiados” é mais extensa, trágica e dolorosa do que somos capazes de colocar em relatórios oficiais. A despeito disso, ela é também a expressão de um enorme desejo pela vida e pela paz. A crise, neste sentido, é também a reviravolta nas hierarquias, a reinvindicação por uma cidadania global, povoada de singularidades. Não se trata de recusar a tragédia, mas recuperá-la do vazio e da impotência. Este livro é um esforço de reflexão sobre o testemunho diário que nos fazem os refugiados e migrantes, os sujeitos em fuga. O que podemos aprender com este gesto?
    Show book
  • A Comuna Revolucionária - cover

    A Comuna Revolucionária

    Karl Korsch

    • 0
    • 0
    • 0
    A Comuna de Paris de 1871 foi o evento histórico mais importante para a luta operária do século 19. Desde Marx, diversos marxistas escreveram sobre essa primeira experiência de revolução proletária inacabada. Os dois ensaios de Karl Korsch sobre a Comuna Revolucionária apontam para uma análise crítica da interpretação de Marx a respeito dessa experiência histórica. A tradução e resgate desses textos são importantes não apenas por retomar a discussão sobre a Comuna de Paris e a interpretação de Marx ao seu respeito, mas também por ajudar a situar o pensamento de Korsch e sua evolução intelectual, o que é facilitado pelo prefácio de Nildo Viana, que contextualiza e realiza uma análise crítica do pensamento e da interpretação de Korsch.
    Show book
  • Percurso diplomático diferenciado pela África - cover

    Percurso diplomático...

    Paulo Antônio Pereira Pinto

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro, como os anteriores, pretende ser exercício de reflexão resultante mais de conclusões de fatos vividos pelo autor, na condição de diplomata brasileiro, do que de trabalho acadêmico. O texto inclui narrativas sobre experiências profissionais e familiares em Moçambique, África do Sul e Zimbábue, nas décadas de 1970 e 80, bem como a respeito de missões transitórias mais recentes, no Burkina Fasso e Benim. O intervalo de quase trinta anos, entre os dois períodos, permitiu ao autor testemunhar momentos distintos. Aquele em que predominava, na África Austral, a determinação de que “a luta continua” e a fase em que “a negociação deve perseverar”.
    Show book
  • Marx e os Movimentos Sociais - cover

    Marx e os Movimentos Sociais

    Nildo Viana

    • 0
    • 0
    • 0
    O que Marx tem a dizer sobre movimentos sociais? Segundo alguns, nada. Para outros, teria apenas uma contribuição para a discussão sobre o movimento operário ou então limitada ao século 19. Um conjunto de intérpretes atribui a ele certas considerações sobre os movimentos sociais que seria sua suposta contribuição. A perspectiva da presente obra é distinta: Marx oferece diversas contribuições para uma teoria dos movimentos sociais, desde a metodológica, passando pela teoria da história e do capitalismo, até chegar a alguns apontamentos mais diretos sobre grupos sociais que são base de movimentos sociais. A conclusão é a de que Marx oferece uma inestimável contribuição para a teoria dos movimentos sociais e precisa ser resgatada para fazer avançar tal teoria.
    Show book