Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Karl Korsch e o Marxismo - cover

Karl Korsch e o Marxismo

Paul Mattick

Translator Nildo Viana

Publisher: Edições Enfrentamento

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

O presente livro reúne ensaios de Paul Mattick sobre Karl Korsch. Korsch foi um dos mais importantes pensadores marxistas do século 20. Autor de obras fundamentais como Marxismo e Filosofia e Karl Marx, foi um dos principais representantes teóricos do comunismo de conselhos. Paul Mattick apresenta alguns textos sobre a obra de Korsch, resgatando seu pensamento e trazendo elementos de sua biografia que contribuem para entender sua formação e desenvolvimento intelectual, bem como sua contribuição ao marxismo. E, nesse contexto, ele traz as discussões de Korsch não só sobre marxismo, mas sobre a Revolução Russa, a filosofia, a revolução social, entre outros temas que foram abordados pelo marxista alemão. Paul Mattick, um representante mais jovem do comunismo de conselhos, é um pensador ideal para retomar o pensamento de Korsch e sua contribuição ao marxismo.

Other books that might interest you

  • O Nomos da Terra no direito das gentes do jus publicum europaeum - cover

    O Nomos da Terra no direito das...

    Carl Schmitt, Alexandre Franco...

    • 0
    • 0
    • 0
    Considerado um dos maiores juristas e pensadores políticos do século XX, Carl Schmitt (1888-1985) foi também uma das personalidades mais controvertidas da história intelectual contemporânea. Sua adesão ao nazismo em 1933 custou-lhe um longo isolamento que começou a ser revertido nas últimas três décadas. Desde então, sua obra vem sendo resgatada e seu pensamento, frequentemente alçado à condição de clássico.
    
      No conjunto de uma produção de aproximadamente cinquenta livros e trezentos artigos, que se estendeu por um período de quase setenta anos, "O nomos da Terra no direito das gentes do jus publicum europaeum", publicado em 1950, ocupa um lugar central: é um dos seus trabalhos de maior fôlego e extensão, e também o livro mais importante da última fase dessa longa trajetória intelectual. Representa uma mudança em relação aos estudos realizados pelo jurista até o início da década de 1930, prioritariamente voltados para o Estado e sua ordem interna.
    
    
        A partir de 1936, depois de frustradas suas principais ambições políticas no Terceiro Reich, Carl Schmitt se volta para o direito internacional. O livro de 1950 é o principal resultado dessa inflexão. Seu conceito central é a ideia de nomos. Com essa palavra grega, muitas vezes traduzida por "lei", Schmitt procura evitar uma compreensão do direito como sinônimo de norma legal. Para ele, o direito precisa ser compreendido em seu aspecto concreto, o que implica considerar, para além da regra abstrata, os processos de tomada, divisão e repartição do espaço, graças aos quais uma ordem ganha uma localização histórica particular. Daí a definição de nomos como uma unidade de ordenação e localização.
    
    
        O livro que o leitor tem em mãos apresenta uma narrativa da formação e declínio de uma ordem espacial planetária, o nomos da Terra, que teria se constituído a partir do século XVI com a crise do direito das gentes da Cristandade medieval, a ascensão do Estado moderno, a expansão do mundo europeu pelos mares mundiais e a descoberta e tomada das terras do Novo Mundo. Esses processos de alcance global estariam na base de uma ordem jurídica centrada na Europa, o jus publicum europaeum, cuja grande façanha histórica teria sido a circunscrição da guerra e a relativização da inimizade, ou seja, a contenção do potencial destrutivo dos conflitos bélicos. Nessa narrativa, o mundo do jus publicum europeum se manteve enquanto sua lógica espacial e política foi preservada.
    
    
        A partir de fins do século XIX, o caráter especificamente europeu e estatal dessa ordem se dissolve e suas estruturas espaciais são desfiguradas, culminando na Primeira Guerra Mundial. As consequências trágicas da dissolução do antigo nomos se tornariam então evidentes: nesse novo contexto, a guerra pode se tornar total e a inimizade, absoluta. Carl Schmitt escreveu "O nomos da Terra" em plena Segunda Guerra Mundial e sob o impacto de seus efeitos catastróficos. Sua reconstrução histórica do jus publicum europaeum, como apontam alguns intérpretes, tem algo de idealizado. Isso não torna menos relevantes as questões que o livro suscita. Em uma conjuntura em que a tecnologia reconfigura o espaço, em que se polemiza sobre o declínio da soberania estatal e as inimizades políticas se radicalizam sob o signo de convicções religiosas ou humanitárias, "O nomos da Terra" continua ser uma referência imprescindível para a compreensão do presente.
    
    
      Bernardo Ferreira
    
      Pedro Villas Bôas Castelo Branco
    Show book
  • Lênin: Burocracia e Ideologia - cover

    Lênin: Burocracia e Ideologia

    Aline Ferreira

    • 0
    • 0
    • 0
    Lênin é considerado um dos grandes nomes do pensamento comunista e o responsável pela primeira revolução socialista da história. A obra de Aline Ferreira e Gabriel Teles aponta para uma análise que contradiz essa interpretação. Lênin é apresentado como um ideólogo da burocracia. Assim, o processo de burocratização da Rússia pós-revolucionária não seria um produto posterior a Lênin e sim contemporâneo dele. Lênin pode ser considerado um dos principais responsáveis pela burocratização e derrota do movimento operário na Rússia. Analisando o seu materialismo mecanicista, a sua ideologia da transição, o seu vínculo com o taylorismo, os autores mostram a relação entre Lênin, a burocracia e a ideologia.
    Show book
  • Chapados de cloroquina: a morte da empatia - cover

    Chapados de cloroquina: a morte...

    Alexandre Gossn

    • 0
    • 0
    • 0
    O que houve conosco durante esta pandemia? Assassinamos a empatia? Estávamos conscientes ou embriagados...  talvez, como diziam os versos de Jim Morrison no poema Stoned Immaculate: “Aqui no perímetro não há estrelas; aqui a gente tá chapado...Imaculado.” (Tradução livre).
    
    Nosso governo federal estocou como nunca uma medicação ineficaz para tratar a doença que causou a maior mortandade da nossa história: doentes de malária não puderam se tratar porque esgotamos a cloroquina, droga ineficaz para tratar a Covid-19, mas que trata justamente as febres do plasmodium. Tratamos criaturas sem células como vírus como se fossem seres unicelulares como protozoários e vidas humanas como se fossem descartáveis como insumos econômicos inesgotáveis. Nenhum evento, doença, revolta, insurreição ou guerra matou tantos brasileiros como a Covid-19. E o que fizemos? Chapamos. Chapamos nas festas clandestinas, nas aglomerações evitáveis e nas abominações que cometemos.  Chapamos nossos celulares e redes sociais de ódio, fakenews, egoísmo e futilidades, chapamos muito... mas ao contrário dos versos de Jim Morrison, ficamos chapados, mas nada imaculados.
    
    Neste novo ensaio, Alexandre Gossn reflete sobre as causas de uma segunda epidemia em nossa sociedade: o narcisismo e a falta de empatia com nossos semelhantes. Invocando o estudo feito nos anos 40 do séc. XX pelo filósofo Karl Jaspers sobre a culpa pelo nazismo entre os  cidadãos alemães, o autor deixa a pergunta: o que as futuras gerações dirão de nós?
    Show book
  • A Concepção Anarquista da Comuna de Paris - cover

    A Concepção Anarquista da Comuna...

    Piotr Kropotkin, Nildo Viana,...

    • 0
    • 0
    • 0
    Como o anarquismo interpreta a Comuna de Paris? Dentre as interpretações anarquistas da Comuna de Paris se destacam as análises de Bakunin e Kropotkin. De um lado, o anarco-coletivismo de Bakunin observando, pouco tempo após a experiência comunarda, a luta revolucionária em Paris; de outro lado, o anarco-comunismo de Kropotkin analisando o significado da experiência comunarda e seus limites. Nildo Viana, por sua vez, efetiva uma análise crítica das duas abordagens anarquistas sobre a Comuna de Paris. Uma obra importante para quem quer conhecer o posicionamento anarquista sobre a primeira tentativa de revolução proletária da história.
    Show book
  • À esquerda de seu tempo - Escritores e o Partido Comunista do Brasil (Porto Alegre – 1927-1957) - cover

    À esquerda de seu tempo -...

    Marisângela T. A. Martins

    • 0
    • 0
    • 0
    Livro de Autoria de Marisângela Martins. Este livro apresenta os resultados da pesquisa realizada ao longo do curso de Doutorado em História, um estudo focado em um grupo de militantes do Partido Comunista do Brasil (PCB) em Porto Alegre ao longo da “época do Partidão”. Direcionamos o olhar para aqueles que, dentre os que compunham o universo dos considerados intelectuais comunistas, tinham suas vidas mais bem documentadas e formavam um grupo mais precisamente definível: os escritores que atuavam na capital gaúcha.
    Show book
  • Reflexões sobre encarceramento feminino no Brasil - cover

    Reflexões sobre encarceramento...

    Isabela Laragnoit

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro aborda as principais questões inerentes ao encarceramento feminino no Brasil e propõe uma reflexão urgente sobre os sistemas de justiça criminal e penitenciário existentes no país, especialmente no tocante às mulheres presas.  
    “A ciência jurídica surgiu para regular a convivência e os interesses dos indivíduos num determinado tempo de um certo espaço geográfico. Portanto, ela é dinâmica, devendo atender aos interesses da evolução social e humanitária. Quanto ao aspecto penal, é necessário que haja um debruçar constante sobre o respeito aos princípios consagrados na Constituição Federal, além do cumprimento dos ditames humanitários. E essa obra é justamente a busca de publicidade das condições em que as mulheres, invariavelmente, negras e pobres, estão no encarceramento brasileiro. Necessária a leitura dos depoimentos, imprescindível a observação dos dados assombrosos em que mulheres e suas crias, recém chegadas ao mundo, estão inseridas. São assombrosos esses dados retratados nesse livro, pois muitas delas estão em tais condições, sob o arrepio da lei pátria!”
    Rosa Malena de Andrade Rocha – professora e advogada
    Show book