Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Pensamentos de uma aula - cover

Pensamentos de uma aula

Parnes Author

Publisher: Digitaliza

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Reflexões de uma adolescente sobre assuntos diversos, crônicas sobre o dia-a-dia escritas de forma agradável e que geram grande empatia com público jovem.

Other books that might interest you

  • Livro de Soror Saudade - cover

    Livro de Soror Saudade

    Florbela Espanca

    • 1
    • 2
    • 0
    Segundo livro de poesias da Florbela Espanca, publicado em 1923, com o qual marcou a questão do "beijo" em sua obra.
    Show book
  • A luneta mágica - cover

    A luneta mágica

    Joaquim Manuel de Macedo

    • 0
    • 0
    • 0
    A obra “A Luneta Mágica” de Joaquim Manuel de Macedo (1820 – 1882), mesmo autor do sucesso “A Moreninha”, é considerado o primeiro romance fantasia da literatura brasileira.
    A obra foge de tons piegas do romance e tem uma conotação maior de fábula com lição de moral. De forma crítica e bem humorada ele faz um retrato do Brasil no final do segundo império, mais precisamente da cidade do Rio de Janeiro.
    Em a “Luneta Mágica”, Joaquim Manuel discorre sobre o bem e o mal, e como ele faz parte das pessoas. A trama é contada por um narrador-personagem, Simplício, que sofre da chamada miopia física, que não permite que ele enxergue nada que vá além de duas polegadas, sendo quase cego, e sofre também de miopia moral, que faz com que ele não entenda as ideias alheias e a intenção das pessoas, considerado um parvo (inocente, bobo).
    Show book
  • Folhas Caídas - cover

    Folhas Caídas

    Almeida Carrett

    • 0
    • 9
    • 0
    Antes que venha o inverno e disperse ao vento essas folhas de poesia que por aí caíram, vamos escolher uma ou outra que valha a pena conservar, ainda que não seja senão para memória. A outros versos chamei eu já as últimas recordações da minha vida poética. Enganei o público, mas de boa-fé, porque me enganei primeiro a mim. Protestos de poetas que sempre estão a dizer adeus ao mundo, e morrem abraçados com o louro – às vezes imaginário, porque ninguém os coroa.
    Show book
  • A mortalha de Alzira - cover

    A mortalha de Alzira

    Aluísio Azevedo

    • 0
    • 1
    • 0
    "A Mortalha de Alzira", oitavo romance de Aluísio Azevedo, foi publicado em 1892, época na qual foi um estouro de vendas, atingindo 10.000 exemplares em três anos.
    Conta a história do padre Angelo, homem que não teve escolha em sua educação, sendo obrigado a ser sacerdote. Ele tenta reprimir, a todo custo, a paixão desesperadora que sente pela cortesã Alzira. O autor mostra a corrupção na Igreja e o comportamento do clero, assim como traz elementos românticos (sonhos, devaneios) e naturalistas.
    Aluísio Tancredo Gonçalves de Azevedo nasceu em São Luís em abril de 1857. Foi novelista, contista, cronista, diplomata, caricaturista, desenhista, pintor e jornalista brasileiro. Se faz presente em sua obra certos traços fundamentais do Naturalismo. Ocupou a cadeira 4 da Academia Brasileira de Letras. Morreu em Buenos Aires, em janeiro de 1913.
    Show book
  • Lisboa no Ano 2000 - cover

    Lisboa no Ano 2000

    Melo De Matos

    • 0
    • 2
    • 0
    De bom grado olhamos para o passado de Portugal. Com prazer rememoramos as épocas gloriosas da nossa história e até às vezes aquelas em que o oiro do Brasil alimentava as nossas vaidades sem alentar nem a nossa indústria, nem a nossa agricultura. Admiramos os heróis da história pátria, extasiamo-nos perante a largueza de vistas de Afonso de Albuquerque ou do Marquês de Pombal, mas não nos atrevemos a encarar de frente o que o futuro pode reservar para o nosso país. Se algum estadista nosso quis ter iniciativa, quis obrigar-nos a caminhar como as outras nações, ou passou por visionário ou foi taxado de aventureiro. Apontar nomes seria reforçar a nossa asserção, mas ainda se pode dizer que estão quentes as cinzas de alguns, não apagadas as paixões provocadas pelas ideias de outros e por isso mais vale seguir o conselho do Dante: ma guarda e passa e embarcarmo-nos no batel doirado da fantasia, para vivermos a Lisboa que deveríamos ter daqui por vinte anos, que é forçoso que tenhamos até antes dessa época, sob pena de darmos razão à profecia de um estadista inglês, cujo nome também não citaremos. Chamamos-lhe Lisboa no ano 2000; mas, se progredirmos a valer e como devemos, dentro de 96 anos teremos ultrapassado tudo quanto fantasiamos aqui.
    Show book
  • A Metamorfose - cover

    A Metamorfose

    Franz Kafka

    • 0
    • 0
    • 0
    "Quando Gregor Samsa despertou uma manhã na sua cama de sonhos inquietos, viu-se metamorfoseado num monstruoso insecto ".É deste modo que Kafka inicia a história de Gregor Samsa, um caixeiro-viajante "obrigado" que deixou de ter vida própria para suportar financeiramente todas as despesas de casa.Numa manhã, ao acordar para o trabalho, Gregor vê que se transformou num inseto horrível com um "dorso duro e inúmeras patas". a princípio, as sua s preocupações passam por pensamentos práticos relacionados com a sua metamorfose.Depois, as preocupações passam para um estado mais psicológico e até mesmo sentimental. Gregor sente-se magoado pela repulsa dos pais perante a sua metamorfose. Apenas a irmã se digna a levar-lhe a alimentação, mas mesmo assim a repulsa e o medo também começam a se manifestar. A metamorfose de Gregor vai além da modificação física. É sobretudo uma alteração de comportamentos, atitudes, sentimentos e opiniões.
    Show book