Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
As filhas de Eva querem votar: - uma história da conquista do sufrágio feminino no Brasil - cover

As filhas de Eva querem votar: - uma história da conquista do sufrágio feminino no Brasil

Mônica Karawejczyk

Publisher: EDIPUCRS

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Neste livro, a historiadora Mônica Karawejczyk apresenta o resultado de uma sólida investigação sobre o processo que culminou com a conquista do voto feminino no Brasil em 1932. A palavra conquista é apropriada para falar sobre as diferentes vozes que se manifestaram desde meados do século XIX, época das primeiras demandas pelo sufrágio, até os anos de 1930, quando o direito ao voto foi estendido às mulheres. 
Ancorada em uma vasta pesquisa documental, Mônica nos conduz até as estratégias adotadas por homens e mulheres que defenderam o direito à cidadania feminina, enfatizando o protagonismo de persona¬gens como Leolinda Daltro, Bertha Lutz e Maria Lacerda de Moura. Em que pese o objetivo comum das lideranças, suas ações (registradas em cartas, atas, reuniões com parlamentares, atos públicos e na imprensa) evidenciam desacordos e disputas sobre os caminhos do movimento. 
As manifestações eram pacíficas, tais como a realização de reuniões com parlamentares, publicações de artigos na imprensa e organização de encontros de mulheres. Todavia, Mônica demonstra que ações contestado¬ras, como as tentativas de alistamento de mulheres e o comparecimento a atos promovidos pelo Poder Público com cartazes e faixas alusivos à conquista do voto, também fizeram parte do ativismo político feminino. 
Através de um diálogo entre a história política e a história das mulheres, Mônica Karawejczyk demonstra que as relações de gênero estiveram no centro do debate público durante a Primeira República. Seu trabalho des¬cortina a difícil caminhada da população feminina até a conquista do voto. 
A história narrada neste livro não acabou. Muitos argumentos contrários ao voto feminino nas primeiras décadas do século XX ainda são evocados para justificar a posição subalterna das mulheres na política e em outros setores da sociedade. É uma leitura fundamental para compreender a história da cidadania no Brasil e a luta travada por diversas gerações de mulheres em busca da igualdade. 
Natalia Pietra Méndez 
Professora do Departamento de História/UFRGS

Other books that might interest you

  • São Paulo: do desmatamento às novas fronteiras 1980-2015 - cover

    São Paulo: do desmatamento às...

    Eduardo Pires Castanho Filho,...

    • 1
    • 0
    • 0
    Uma equipe de pesquisadores científicos e de técnicos, que em algum momento de suas vidas profissionais trabalharam para o Estado, se reuniram para produzir e registrar uma verdadeira viagem no tempo como pano de fundo a ocupação do espaço rural do Estado de São Paulo pela agricultura, nos últimos quarenta anos, e as florestas como eixo norteador. O desenvolvimento tecnológico quebrou paradigmas do âmbito puramente territorial para interações antes insuspeitadas como a liberação de áreas para biodiversidade e outros serviços ambientais, ainda pouco compreendidos na questão da sustentabilidade.
    Show book
  • A era da intolerância - O início do século XXI e o desafio da sociedade democrática - cover

    A era da intolerância - O início...

    Thales Guaracy

    • 0
    • 0
    • 0
    Em A era da intolerância, o jornalista, cientista social e escritor Thales Guaracy põe em perspectiva a história do início do século XXI, do atentado às Torres Gêmeas, em Nova York, à pandemia do coronavírus: duas décadas que marcam o fim do capitalismo industrial e o surgimento do capitalismo tecnológico e da Sociedade da Informação, com seus avanços, incertezas e conflitos.
    Usando como fio condutor os acontecimentos econômicos, políticos e sociais, marcados por uma grande revolução tecnológica, Guaracy nos leva a uma análise profunda dos desafios do mundo contemporâneo. A mesma liberdade que expandiu a democracia pelo globo – e permitiu grandes avanços na economia e no comportamento – deu impulso ao desemprego em massa e à exclusão social. Paradoxalmente, a tecnologia ajudou a expandir fenômenos supostamente arcaicos, como o fundamentalismo religioso, o radicalismo político, a xenofobia e as rivalidades nacionais, que se imaginava extintas após o fim da Guerra Fria. 
    
    A era da intolerância expõe como o globalismo, levado um passo adiante com a revolução tecnológica, gerou riqueza – e também um cenário de conflitos e medo, catapultando a intolerância, que encontrou no meio digital, segundo as palavras do autor, o “ambiente ideal para prosperar”. 
    Tendo em vista a superpopulação, a ameaça climática e a crise surgida com a mudança estrutural da economia, A era da intolerância aponta o grande desafio dos sistemas democráticos: resgatar sua promessa de entregar uma vida melhor para todos, diminuindo o estresse social. E vencer as forças demagógicas ou autoritárias que levam a conflitos com poder destrutivo de alcance apocalíptico.
    História da inseminação do passado no presente, ou ensaio sobre o equilíbrio orgânico da civilização, A era da intolerância afirma o princípio de que somente a liberdade pode resolver os problemas criados pela própria liberdade. E resulta numa obra para figurar não apenas na galeria das grandes reportagens históricas, como também entre os ensaios essenciais à criação de soluções para a sociedade de hoje e de todos os tempos.
    Show book
  • Os Direitos da Mulher - cover

    Os Direitos da Mulher

    Luiz Augusto Flores

    • 0
    • 0
    • 0
    Disponibilizamos o livro digital ilustrado colorido de história em quadrinhos do conhecimento ”Os Direitos da Mulher”, cujo conteúdo foi editado com base na Lei Federal nº 11.340 de 07 de agosto de 2.006 e suas atualizações, lei também chamada de Maria da Penha. Transformados os termos jurídicos para linguagem simples, de fácil entendimento e leitura, apresentando seu conteúdo de leitura nos balões de diálogo entre os personagens um casal e uma mulher, e o personagem o jornalista da editora, que esclarece as dúvidas sobre a lei Maria da Penha.
    Show book
  • Os Direitos do Torcedor - cover

    Os Direitos do Torcedor

    Luiz Augusto Flores

    • 0
    • 0
    • 0
    Disponibilizamos o livro digital ilustrado colorido de história em quadrinhos ”Os Direitos do Torcedor”, cujo conteúdo foi editado com base na Lei Federal nº 10.671 de 15 de maio de 2.003 e suas atualizações, lei também chamada de Estatuto do Torcedor. Transformados os termos jurídicos para linguagem simples, de fácil entendimento e leitura, apresentando seu conteúdo de leitura nos balões de diálogo entre os personagens uma torcedora e um torcedor, e o personagem o jornalista da editora, que esclarece tudo sobre o estatuto do torcedor
    Show book
  • Marx e os Movimentos Sociais - cover

    Marx e os Movimentos Sociais

    Nildo Viana

    • 0
    • 0
    • 0
    O que Marx tem a dizer sobre movimentos sociais? Segundo alguns, nada. Para outros, teria apenas uma contribuição para a discussão sobre o movimento operário ou então limitada ao século 19. Um conjunto de intérpretes atribui a ele certas considerações sobre os movimentos sociais que seria sua suposta contribuição. A perspectiva da presente obra é distinta: Marx oferece diversas contribuições para uma teoria dos movimentos sociais, desde a metodológica, passando pela teoria da história e do capitalismo, até chegar a alguns apontamentos mais diretos sobre grupos sociais que são base de movimentos sociais. A conclusão é a de que Marx oferece uma inestimável contribuição para a teoria dos movimentos sociais e precisa ser resgatada para fazer avançar tal teoria.
    Show book
  • Cuba livre (e vive) em mim - diário de vivências - cover

    Cuba livre (e vive) em mim -...

    Walêska Dayse Dias De. Sousa

    • 0
    • 0
    • 0
    Que é possível ter uma análise mais honesta do contexto de Cuba, sem os pré-conceitos, reducionismos e estereótipos veiculados pela mídia convencional. 
    Que Cuba é diversa, rica, com problemas e potencialidades como qualquer outro país do mundo.
    Que Cuba sofre o peso de suas escolhas políticas desde a crise com os Estados Unidos em 1959 e paga caro até hoje por isso, com um bloqueio que a impede de se desenvolver sob muitos aspectos.
    Show book