Don't put off till tomorrow the book you can read today!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Read online the first chapters of this book!
All characters reduced
Imagens institucionais da modernidade: - a educação profissional em Goiás (1910-1964) - cover

Imagens institucionais da modernidade: - a educação profissional em Goiás (1910-1964)

Mauro Alves Pires

Publisher: Edições Verona

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

O ensino profissional na Primeira  República brasileira resumiu-se ao  modelo  concretizado nas Escolas de Aprendizes e Artíces. Elas foram criadas com o objetivo explícito de atender aos “desfavorecidos da fortuna”. No entanto, seu funcionamento se deu de outra maneira. Cabe-nos portanto, indagar como essa escola atendeu a esse público? E ainda se  foi ele,  realmente, o alvo de seu ensino?No caso particular da Escola de Aprendizes Artífices de Goiás a sua atuação, durante trinta anos na Cidade de Goiás, foi ignorada pelo discurso da modernidade que instaurou-se após 1930. Talvez por esse motivo, a história da educação em Goiás, praticamente ignora sua existência e manteve um silêncio sobre sua presença naquela cidade. Por isso, uma de nossas preocupações neste trabalho foi responder as indagações apresentadas anteriormente. E também compreender como esse modelo de escola se articulou com o modelo de educação proposto pela República velha.
O período enfocado, neste texto, (1910-1964) é de destacada importância e significação para desvendar as origens do ensino profissional e sua evolução no Brasil, a partir de políticas públicas voltadas para a construção do arcabouço de uma moderna sociedade do trabalho.  O ano de 1910 é o ano em que foi inaugurada a Escola de Aprendizes e Artífices de Goiás e o ano de 1964 é tomado como o fim de um ciclo, pois a partir dele o ensino técnico passa por profundas mudanças que se refletem na organização e nas práticas das Escolas Técnicas Federais, que sucederam as Escolas de Aprendizes Artífices.
Procuramos, também, compreender a racionalidade que subsidiou os discursos que justificaram a criação das Escolas de aprendizes e Artífices na chamada Primeira República. Para tal, levantamos o papel que essa racionalidade exerceu na definição dos discursos que tomavam a educação como tema.  Procuramos, ainda, identificar como o discurso da modernidade vai definir o fim das Escolas de Aprendizes e Artífices e ao mesmo tempo justificar a criação das Escolas Técnicas Federais.

Other books that might interest you

  • Cidadania glocal identidade nordestina - ética da comunicação na era da internet - cover

    Cidadania glocal identidade...

    José Marques de Melo

    • 0
    • 1
    • 0
    Neste livro, encontra-se uma série de recomendações do professor José Marques de Melo, ou conforme suas próprias palavras 'uma lição de casa' para as novas gerações colaborarem, de modo decisivo, com o avanço do ensino e da prática da comunicação em todas as regiões brasileiras. Motiva isso o compromisso com uma formação capaz de engendrar ideias e projetos identificados com as 'aspirações comunicacionais do povo real, aquele que padece horas a fio na servidão muscular, amassando com as próprias mãos o barro da vida cotidiana.'Reafirma, aqui, a sua condição de guerrilheira cultural comunicacional, abrindo veredas nos cenários contemporâneos para que se fortaleça a cidadania do povo brasileiro e a conquista de uma sociedade planetária justa e mais humana.
    Show book
  • Para uma antropologia do Sertão: Ecologia e Sociologia do cotidiano - cover

    Para uma antropologia do Sertão:...

    Veronique Bulteau

    • 0
    • 1
    • 0
    Este estudo é sobre o Sertão que cobre a maior parte do Nordeste brasileiro. Ele parte de uma interação entre um corpus jornalístico e literário referente ao Sertão e a constatação com a realidade. Essa constatação se deu por uma observação pessoal e direta. Nos anos de 1983-1985, em virtude de uma seca particularmente intensa, a mídia reportava este terrível flagelo com a vida de sofrimento e de miséria ocasionada por este fato. Durante uma viagem ao Nordeste brasileiro, em 1987, tive a oportunidade inesperada de morar no Sertão, em Santa Quitéria, cidade do estado do Ceará. E, então, pude constatar diferenças entre a realidade observada e os fatos relatados pela imprensa ou pela literatura na descrição das difíceis condições de vida no conjunto do Sertão.
    Show book