Discover a world full of books!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Read online the first chapters of this book!
All characters reduced
Arrastão e outros poemas - cover

Arrastão e outros poemas

Marlon De Almeida

Publisher: Selo Off Flip

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Talhados com mãos de artesão tanto na concepção como no tratamento da linguagem, os poemas reunidos em Arrastão estruturam-se em dois arrastões: no mar e na rua, acrescidos a outros poemas.

Other books that might interest you

  • O Que Eu Deixei de Dizer e Escrevi - Pensamentos e Reflexões - cover

    O Que Eu Deixei de Dizer e...

    Celso Batello

    • 0
    • 1
    • 0
    Este Iivro demonstra a busca de um homem em compreender, não somente a si próprio, ao seu semelhante, as outras criaturas, como, sobretudo o Universo. Plenamente manifestada pelas suas outras obras em Medicina e áreas afins, é um livro, ao mesmo tempo, singelo e profundo. 
    “O que eu deixei de dizer e escrevi” revela ensinamentos profundos, que a personalidade de uma criatura humana viveu e conheceu. Na vida como ela é, nua e crua, sem, entretanto, sem perder a capacidade de perceber o belo e de sentir o outro através de uma empatia e intuição. Esta procura incessante, como única forma de ser feliz, tem a Natureza como a maior manifestação de Deus, é uma obra que interessa a homens e mulheres de todas as idades, principalmente à aqueles que efetuam uma busca interna e sincera para atingir a serenidade necessária para uma vida plena.
    Show book
  • Mulher - cover

    Mulher

    António Pereira Ramalho

    • 0
    • 2
    • 0
    O livro "Mulher", do escritor, médico e poeta António Pereira Ramalho, traz uma colecção de poemas dedicados à mulher na sua essência, naquilo que é, e que só ela representa. Há, nas poesias de António Ramalho, traços de histórias de um tempo e de um lugar, no toque da paixão que sente o coração do poeta. Pelos versos do poema, pode-se amar o que ela é, e o que não é; pode-se amar a quem diz saber a direcção para tentar sempre, o rosto que se oferece sempre aberto aos demais, a partilha de uma luz que acontece quando menos se espera.
    Show book
  • O Corvo - cover

    O Corvo

    Edgar Allan Poe

    • 0
    • 0
    • 0
    Um livro de Edgar Allan PoeAutor, poeta, editor e crítico literário americano, fez parte do movimento romântico americano (1809-1849)
    Show book
  • A onça - cover

    A onça

    Jardim Author

    • 0
    • 0
    • 0
    CRÔNICAS, POEMAS E REFLEXÕES – 1996
    O QUE É O MUNICÍPIO BRASILEIRO – 2012
    ALÉM DAS ASAS DA IMAGINAÇÃO – 2012
    ORAÇÃO PELO BRASIL – 2017
    CONTOS & ENCONTROS - 2018
    Quando virei à esquina
    O que era escola é school
    Mas não é só no meu bairro
    Isso é de norte a sul.
    As lojas da minha cidade
    Todas têm nome em inglês
    Elas são para estrangeiros
    Ou para mim e vocês?
    A praça se chama square
    O campo se chama field
    O meu país já não é
    A terra dos meus avós
    E a culpa é minha e é sua
    A culpa é de todos nós.
    Para comprar vou ao shopping
    Não é mais senha, é pin
    Se está dopado é doping
    O português está no fim.
    Comprei o meu notebook
    Em um grande outlet
    Comprei também um pen drive
    E também um tal tablet.
    Mas o troco é em real
    Não foi dólar não senhor
    Me deram um mundo irreal
    Longe de mim, sem valor.
    No meu rádio toca um som
    Que eu não consigo entender
    Não sei se é ruim ou é bom
    Nem se tem algo a haver.
    Quando liguei a tevê
    Todos falavam em inglês
    Velhos, moços e até bebês
    Deram adeus ao português.
    Enfim, peguei um jornal
    Para saber onde estou
    Só falavam em Nova Iorque
    E quando em vez em Moscou.
    Na escola a prioridade
    É falar bem o inglês
    E se você tiver tempo
    Um pouco do português.
    Eu já estava me sentindo
    Cidadão americano
    Do Brasil, me despedindo
    Como um nômade, cigano.
    Mas aí bem de repente
    Tudo teve um revés
    E aquilo o que era foot
    Voltou mesmo a ser pés.
    School voltou para escola
    Ball voltou a ser bola
    E você voltou também.
    E o que ficou para mim
    Foi um ditado que dizia:
    ‘Se o Brasil fosse ruim
    O estrangeiro não o queria.’
    Show book
  • Prosa pra gente grande - cover

    Prosa pra gente grande

    Eurides Lemos Morais Da Cunha

    • 0
    • 0
    • 0
    A obra intitulada Prosa Pra Gente Grande começou a ser delineada partindo do sonho da autora de escrever para o público numa linguagem universal, facilitando o diálogo da poesia com as crianças e os demais leitores e autores. A intenção foi contribuir com os primeiros passos na observação de tudo o que nos cerca e ao mesmo tempo instigar a busca do conhecimento a caminho da transformação. Esta primeira compilação é composta por poemas curtos que expressam pensamentos e reflexões sobre as nuances apresentadas e observadas nas vivências diárias, no trabalho, no trajeto, em casa, na família, etc. A ideia de escrever esta obra partiu do desejo de compartilhar e divulgar a poesia presente em cada momento vivido. 
    Saber o que dizer oralmente é fundamental para fazer-se compreender, mas compreender o que lemos é de importância ainda maior para desvendar o que está nas entrelinhas do saber e descortinar a cegueira sobre aquilo que nos cerca e interfere no nosso existir, tanto para o nosso bem e o bem do próximo, quanto para o mal.
    Ler vai além de decifrar códigos linguísticos, é significar, criar, interpretar e extrapolar a expressão escrita. É enxergar, ouvir e sentir de fora e de dentro, e no entorno e tudo misturado. Ler é desvendar caminhos e estratégias da linguagem num mundo de múltiplas faces da comunicação.
    Show book
  • Aura - cover

    Aura

    Eliana Pichinine, Eliza Morenno,...

    • 0
    • 1
    • 0
    As poetas reúnem nesta obra uma pequena parcela desse pensar o contemporâneo a partir da premissa de Adorno, que vê uma outra apreensão do estético quando as várias práticas artísticas contemporâneas podem se reencontrar em inúmeras práticas sociais que se situam a meio caminho entre jogo, experimentação e crítica. Michel de Certeau relaciona esse processo como “criatividade dispersa, tática e de bricolagem” a qual um modo de apreensão do processo de criação é posto em evidência. Como vimos, o processo criativo de combinações na qual a arte aurática pode se dar, perpetra essa experiência e gera uma expectativa de uma semântica desnuda e singular. Esta é a obra que você está prestes a conhecer: o desaparecimento definitivo dessa insígnia do sagrado na arte contemporânea. Prefácio de Tatiana Pequeno. Apresentação de Moisés Guimarães.
    Show book