Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Mensagens para você - Cartas inesquecíveis do cinema - cover

Mensagens para você - Cartas inesquecíveis do cinema

Mariza Gualano

Publisher: Matrix Editora

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Uma compilação de mais de 300 cartas divertidas, pungentes, apaixonadas, intrigantes, chocantes ou surpreendentes, contidas em filmes dos mais variados gêneros. Trabalhos de diretores célebres, como Steven Spielberg, Jean-Luc Godard, Ernst Lubitsch, Spike Jonze, Walter Salles, David Lean, Manoel de Oliveira, Karim Aïnouz, Quentin Tarantino, François Truffaut. Atores na pele de personagens notáveis deixam registros de correspondências memoráveis no cinema. Um livro para cinéfilos, amantes de cartas e de histórias epistolares ou mesmo para quem aprecia um bom livro.

Other books that might interest you

  • Inacabamento um gesto de resistência na história - cover

    Inacabamento um gesto de...

    Berilo Luigi Deiró Nosella

    • 0
    • 0
    • 0
    "Trata-se, de fato, de um modo surpreendente de abordar historicamente temas consagrados, já dignos de vasta bibliografia. O que só vem reiterar, portanto, o singular trabalho acadêmico que agora se publica, sua contribuição para a atual etapa dos estudos históricos de nosso teatro em campo teórico e conceitual, assim como a importância sumária de autores dramaturgos como Luigi Pirandello e Jorge Andrade, fontes inesgotáveis de pesquisa, sob diferentes perspectivas, algumas delas, como no presente livro, agradavelmente renovadoras".
    
    O autor é Graduado em Artes/Comunicação - Bacharelado em Imagem e Som pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar (2001). Mestre em Literatura e Crítica Literária pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP (2007). Doutor na área de História e Historiografia do Teatro do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO (2008). Lidera o Grupo de Pesquisa do CNPq Estética e História das Artes Cênicas . Pesquisador vinculado aos Grupos de Pesquisa do CNPq: Estudos Laboratório Espaço de Estudos sobre o Cômico -UNIRIO (LEEC) e História e Teatro - UFU. Tem experiência na área de Artes - Teatro, com ênfase em Teoria e História do Teatro, Análise do Texto e de Cena Teatral e Elementos Visuais do Espetáculo, atuando principalmente nos seguintes temas: Teoria e História do Teatro, Dramaturgia Moderna, Dramaturgia Moderna Brasileira, História e Formação do Teatro Brasileiro, Iluminação Cênica e Encenação.
    Show book
  • A música na educação infantil como facilitadora do processo de ensino-aprendizagem - cover

    A música na educação infantil...

    Sylvia Regina Pereira Storniolo

    • 0
    • 2
    • 0
    O objetivo do estudo foi de averiguar qual a importância da música para o processo de ensino-aprendizagem, na educação infantil. Objetivou-se também identificar a importância da música para a criança, investigar como a música facilita o aprendizado das crianças e planejar e contextualizar o fazer musical, articulando-o às demais áreas do conhecimento.
    O trabalho de monografia se baseou em pesquisa bibliográfica e foi organizado em dois capítulos.
    No primeiro capítulo, buscou-se expor alguns aspectos do processo de aprendizado da criança sob a ótica de Vygostky e a teoria de Gardner, com enfoque no que ele denominou “inteligência musical”. O objetivo foi traçar um cenário para contextualizar a discussão sobre como a música pode contribuir para o aprendizado da criança.
    No segundo capítulo, expõe-se como se efetiva o uso da música na educação infantil, tema do presente estudo.
    Show book
  • Naturalmente Artificial - cover

    Naturalmente Artificial

    Levindo Carneiro

    • 0
    • 0
    • 0
    Retratos de animais em cenarios surpreendentes onde clicando, identifica o animal
    Show book
  • O Sol nasceu pra todos - a história secreta do samba - cover

    O Sol nasceu pra todos - a...

    Luis Carlos de Morais Junior

    • 0
    • 0
    • 0
    No livro O Sol Nasceu pra Todos (A História Secreta do Samba), Luis Carlos de Morais Junior escreve a respeito de parte considerável da epopéia da Música Popular Brasileira, e nos mostra que a grande matriz genérica do nosso cancioneiro nos Séculos XX e XXI é o Samba, o qual se forma de dezenas de outros gêneros, subgêneros e estilos, e os formata a todos, e a todos atinge por igual, mesmo que de maneira diferente.Se o nosso querido leitor é curioso para saber a verdade sobre o nascimento e o desenvolvimento da música brasileira, e tem vontade de conhecer os meandros mais sinuosos ou os palácios esplendorosos da MPB, encontrará em O Sol Nasceu pra Todos (A História Secreta do Samba) formação musical e literária genuínas, informações relevantes e curiosas e muita diversão; pois Luis Carlos de Morais Junior nos revela, em sua pesquisa tão poética quanto filosófica e histórica, que ouvir, conhecer e ler a nossa música popular é, antes de tudo, um enorme prazer.
    Show book
  • Do mundo de Herberto Helder - cover

    Do mundo de Herberto Helder

    Luis Maffei

    • 0
    • 0
    • 0
    Do mundo de Herberto Helder ensina: 'A luta é dolorosa desde sempre/ antes de Homero escrever/ cantar que a luta é dolorosa' (Maffei, Vista de Olímpia, 2016). Aceite o ensaio como gênero impuro (Goulart), no limiar do poema, sem estabelecer dependência de qualquer lei de gênero (Silvina Rodrigues Lopes), enquanto acadêmico e ensaísta, Luis Maffei não teme interrogar a hipótese de haver uma pedagogia da poesia em geral e da herbertiana em particular, sabendo que ensinar literatura é já um paradoxo. Leitor incendiado por dentro do fogo que a faca não corta, Maffei coloca-se no centro da ferida-Herberto – quem será este tipo? quem será este texto? –, em combate e embate frontal com o poema, puro e duro, em cópula. Resultado do trabalho de mais de década e meia de investigação, este livro participa da lição (e é dela réplica, também sísmica) de Camões e de Herberto-leitor-de-Camões, conforme à metamorfose do amador em que se transforma o leitor na coisa lida. Em pathos e patologia partilhada com raros ensaístas que pertencem à comunidade aflitiva que lê A poesia portuguesa hoje (Gastão Cruz), Luis Maffei é, dos da sua geração, um dos mais antigos, informados e potentes leitores da atualidade, sujeito forte em diálogo revolto e desobediente com parte do cânone da literatura portuguesa, que se refaz com a sua leitura. A concepção eminentemente atual do poema (Ruy Belo, Na senda da poesia) herbertiana é, pela leitura de Maffei, expandida a um programa: o exercício de um poder que atende pelo nome arriscado de liberdade. A luta é dolorosa e a poesia não salva. E, no entanto, há raros leitores como Maffei (um dos ensaístas vivos que me interessa mais), que criam uma zona de liberdade transitável. Este lugar (em que é livre também ser contaminado) é lição a ser aceite por quem ler 'os livros atrás a arder para toda a eternidade'.
    Show book
  • Intertextualidades Visuais - cover

    Intertextualidades Visuais

    Sandra Regina Ramalho E...

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro consiste em uma coletânea que reúne artigos escritos e/ou publicados de 2015 a 2020, dispersos em anais de congressos ou revistas científicas, todos eles textos nem sempre acessíveis aos professores, historiadores e teóricos de arte, designers, fotógrafos, ilustradores, jornalistas, enfim, todos os profissionais da visualidade a quem estes esforços acadêmicos se destinam. Há um manancial disponível para se trabalhar nas salas de aula tendo como eixo as intertextualidades, ou para fazer a autocrítica do trabalho pessoal de outros profissionais. São estudos que permitem estabelecer correlações entre diferentes momentos históricos das representações visuais, bem como entre produções provenientes das mais diversas culturas, até para poder enxergar melhor suas semelhanças e diferenças e remete-las para seus respectivos contextos. E aceitam, igualmente, a análise e a reflexão sobre imagens do cotidiano, úteis tanto para mostrar que não só de museus vive o homem, como para se perceber que as questões formais, porta de entrada para a apreensão da visualidade, estão presentes sem preconceitos tanto na arte quanto nas imagens da chamada cultura visual. Entretanto, trata-se de sugestões, são referências que cada profissional relacionará com seus objetivos, criando aplicações e metodologias de acordo com o perfil de seus interlocutores, ou seja, seu público-alvo. Como os esforços desenvolvidos pioneiramente no nosso país, com fundamentos teóricos sobre leitura de imagens, a proposta da publicação Intertextualidades Visuais também é aberta e está em permanente construção, em cumplicidade com as(os) profissionais que se expressam em linguagens visuais.
    Show book