Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Reflexões mortais de uma criatura em busca do infinito - cover

We are sorry! The publisher (or author) gave us the instruction to take down this book from our catalog. But please don't worry, you still have more than 500,000 other books you can enjoy!

Reflexões mortais de uma criatura em busca do infinito

Marcelino Barboza De Souza

Publisher: Cia do eBook

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Coletânea de poesias reflexivas sobre vida, sentimento e fé.
Available since: 05/26/2020.

Other books that might interest you

  • O tempo exacto - cover

    O tempo exacto

    António Carlos Cortez

    • 0
    • 0
    • 0
    'Na antologia que reúne seus últimos quinze anos de produção poética, António Carlos Cortez nos presenteia com o melhor e mais tocante de seu trabalho.‘O tempo exacto’ é uma obra diacrônica que revela o amadurecimento do autor e que conduz o leitor para uma busca individual pelo sentido maior das palavras. A poesia é pele, o corpo do poema é também o poeta, seu corpo, sua carne. A poesia nasce em seu tempo exato, a página não espera, a chegada do sentido, e assim ela nasce, acontece, confunde e revela.'
    Show book
  • Dança dos sabres - cover

    Dança dos sabres

    Rodrigo Rosa

    • 0
    • 0
    • 0
    Um desejo pela calmaria, pelo encantamento das palavras que cantam e encantam como se estivéssemos em uma dança de sabres. O leitor de Dança dos sabres tateia sensações, silêncios, gestos, como se possuísse nas mãos as palavras – concretas e pulsantes. O livro de Rodrigo Rosa é um encontro entre essa relação de corpo e alma, num ritmo onde sílabas descobrem o ser com a capacidade de transmutar e “transcender o visível”, em um tom selvagem, como se o verbo estivesse entranhado na carne. Além disso, a relação com a cidade, o concreto, o bruto, as travessias, a sensação das viagens, do estar longe. É como tocar o veludo das horas, o avesso das coisas. E é nesse encalço que o poeta desdobra o detalhe sutil do peso das palavras, como se estivéssemos “imersos no silêncio de nosso próprio assombro.” As palavras de Rodrigo Rosa trazem uma poesia sensorial e pulsante. O leitor é levado a barcos e navegações, onde abismos, fugas e córregos inundam as páginas, em um emaranhado de liquidez e força poética.
    Show book
  • Singular - cover

    Singular

    Leonardo Nunes

    • 0
    • 0
    • 0
    Um homem, uma mulher. Versos de amor, de encontro, de paixão. A vida no sentido mais leve e completo do ser, o estado de paixão onde se escuta – sem fôlego – as insignificâncias do relacionamento, aqueles pormenores da vida íntima que transborda e é de sutil delicadeza. O livro 'Singular', de Leonardo Nunes, elabora, em forma de poemas, elementos que dão voz à construção de um lar,  essa vivência/sensibilidade que acolhe prenúncios de um amor que, como dizia Otávio de Faria, 'não é impossível, seguramente não o é. Mas é um milagre – o milagre de um equilíbrio que nada consegue romper, apesar de sua infinita fragilidade.'
    Show book
  • 40 - cover

    40

    Luis Maffei

    • 0
    • 0
    • 0
    Em 40, o autor, através de uma visão larga e profunda, passa por importantes estágios da existência, como nascimento, primeira infância, aquisição da língua, escola, adolescência e boa parte da idade adulta. Em cada poema, um estágio da vida e muitas de suas inúmeras experiências. Identificação, reconhecimento e indagação fazem repensar a existência e estão inclusas no processo, não só de Maffei, mas de quem se depara com seus poemas. O livro sai do ano 1974 e chega a 2014 trazendo, poema a poema, não apenas uma trajetória de vida, mas uma trajetória poética – a autobiografia é inevitável, mas  a memória que se constrói só há em partilha. Além disso, passeia por momentos históricos e datas festivas, com destaque para o Carnaval, período que marca a ocasião do nascimento do autor e, consequentemente, de seus aniversários, como é possível encontrar nos poemas “1974”, “1978”, “1992” e “2003”. O Carnaval acaba por ser uma metáfora forte do livro, assim como o incêndio do Edifício Joelma, em São Paulo, ocorrido dias antes do nascimento do poeta: vida e morte, festa e tragédia, de braços dados. Neste conjunto orgânico, é possível ter contato com muitas maneiras de a poesia se constituir. A já conhecida maestria formal do autor, que explora e inova a sextina, o soneto e outras formas fixas, não ignora a potência do verso livre e, em certos poemas, uma experimentação que toca limites radicais.
    Show book
  • Talhos & Retalhos - cover

    Talhos & Retalhos

    Tarciso Filgueiras

    • 0
    • 0
    • 0
    É o primeiro livro de poesias do autor que já publicou dois romances,  livro de contos, ensaios, e centenas de artigos científicos.  Como o titulo induz, os poemas parecem uma livre associação de ideias e imagens. Mas ao ser lido com um pouco de atenção, mostra um escritor maduro, cosmopolita que escolhe cuidadosamente cada palavra como diz no primeiro poema do livro: Ai da minha poesia se não fosse eu! / Provavelmente morreria à míngua| Combalida, desmilinguida. | Coitada se dela não cuidasse o degas, | Pessoalmente. | Mas, pai zeloso,| Afago-a, terno, | E a curo, | Mertiolate e tudo, | Nunca descuro. | Se dela falam mal, | Desconjuro!
    Show book
  • Silêncio - cover

    Silêncio

    Marcelo Moraes Caetano

    • 0
    • 0
    • 0
    Os 68 poemas do novo livro ‘Silêncio’, de Marcelo Moraes Caetano, são prefaciados por Roberto Crema e pelo Professor Antonio Carlos Secchin, que encontram, nesta obra, a sinergia e a interação do autor com os poetas clássicos, compositores e profetas. Roberto Crema anota que o autor é “um artesão peregrino das letras, das melodias, dos insights e da embriaguez da poesia”, um “buscador inquieto, que aprendeu a saber não saber”, premissa para um poeta que se queira invulgar. Já o Professor Secchin observa em Marcelo a faceta de um “poeta nômade” que atravessa não só espaços culturais e geográficos, como transita bem na forma poética, caminhando entre o verso livre e a prática das formas fixas, como nos belos sonetos deste ‘Silêncio’. E está certo o autor em empreender conversas e reflexões infindas com aqueles que vieram antes dele, ou mesmo de caminhar por intermédio do mundo e do fazer poético. Se o dom da profecia é, como dito por Paolo Prodi, praticado apenas por quem sabe ler os signos dos tempos, se é o dizer de Deus na voz do povo, a poesia é a arte da palavra e a palavra em estado de arte. Neste sentido, Marcelo, neste livro, mostra que segue as tradições poética e profética, na medida em que ambos, em seus ofícios, precisam escutar o silêncio, o invisível, o inefável, o divino. E é isto a que Marcelo se dedica em toda a sua vida, em todos os seus fazeres e saberes: a escutar o silêncio essencial, a perscrutar o vazio escuro e criador que precede a luz, e a praticar o ato primordial que foi concedido ao Homem pelas divindades: a criação.
    Show book