Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Famosas últimas palavras - cover

Famosas últimas palavras

Luís Filipe Cristóvão

Publisher: Editora Gato-Bravo

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

O poema sem o corte do verso. Este é o melhor modo de apresentar a poesia de Luís Filipe Cristóvão. O poeta de escrita prolífica tem 38 anos de palavras acumuladas na cabeça, já publicou mais de sete livros em Portugal e no Brasil, e obriga o leitor a investigar a sua própria identidade, sua noção de pertencimento, como também a identidade do poema. Luís Filipe mexe com nossa antecipação leitora, rompe com nosso ritmo, obriga-nos a pensar. Em "Famosas últimas palavras", depois de uma grande pausa desde 2009, Luís Filipe volta a escrever com um sabor próprio de despedida, com o cheiro característico da maresia a envolver suas palavras.
Available since: 02/19/2019.

Other books that might interest you

  • Escravos - cover

    Escravos

    Antônio Frederico de Castro Alves

    • 0
    • 0
    • 0
    Os Escravos é uma coleção de poemas do escritor brasileiro Castro Alves com temática centrada no drama da exploração dos escravos. Em função de sua renhida luta contra pelo fim da escravidão no Brasil, este poeta ficou conhecido como "Poeta dos Escravos". Este volume, publicado postumamente em 1883, recolhe muitos dos poemas que tornaram Castro Alves um símbolo da luta dos que não tem voz, como lembra Pablo Neruda em poema dedicado a Alves: "em portas até então fechadas para que, combatendo, a liberdade entrasse". (Sumário adaptado da Wikipedia por Leni)
    Show book
  • Azul e verde - cover

    Azul e verde

    Isabel Milhanas Machado

    • 0
    • 1
    • 0
    "Azul e verde" é um trabalho a quatro mãos. Não são histórias ilustradas, são desenho e texto como autoria de um livro, duas ferramentas que se conectam e se influenciam. Duas corridas em paralelo, como enunciado pelas autoras. O livro de Isabel Milhanas Machado e Rafaela Nunes confronta-nos subtilmente com a perversidade do mundo, onde a diferença se faz ao pontapé. É sobre o que passou e o que está por passar. Por viver e desbravar. "Azul e verde" fala-nos dos rios que crescem por dentro, da morte e do amor, de mães e pais, da descoberta da vida adulta pelo olhar ainda sensível da juventude. Temas inevitáveis em qualquer livro de poesia escrito por habitantes deste mundo.  Os textos de Isabel Milhanas Machado aventuram-se pelo desafio de Herberto Helder, trazem "o talento de saber tornar verdadeira a verdade". Os desenhos de Rafaela Nunes interagem com essa textualidade, não em busca de complementar ou ilustrar o texto, mas criando uma composição visual distinta e conjunta. Mesmo "estando de rastos", este livro fala da luta, da sobrevivência, de enfrentar o fogo na estrada e chegar com vida ao fundo da ferida. Uma leitura que, abordando muito do que existe de doloroso, relembra-nos de algo belo, da pedra preciosa que nos incita a continuar.
    Show book
  • Descalço para o mundo - cover

    Descalço para o mundo

    Denilson Bento da Silva

    • 0
    • 0
    • 0
    Descalço para o mundo, de Denilson Bento da Silva, é um conjunto de poemas envoltos pela estética da literatura marginal. As memórias da infância do autor e as questões sociais da periferia misturam-se à cultura do hip-hop e dos bailes black de famosos DJ's e MC's, num panorama que vai de Tim Maia ao funk carioca. Das lavadeiras torcendo a roupa na mina d'água da Zona Leste de Juiz de Fora/MG ao menino pobre e negro que alcança o sonho de ingressar na universidade, tudo nesse livro é cenário e tema para ampliar a voz dos morros e baixadas e reivindicar o direito à Arte e à Educação.
    Show book
  • A Água Volta Como Memória - cover

    A Água Volta Como Memória

    Silvino Ferreira Jr

    • 0
    • 0
    • 0
    Nos primeiros versos de A Água Volta Como Memória, Silvino Ferreira Jr convida o leitor a acompanhá-lo em uma viagem através da memória auditiva de uma água. Água cristalina, água da nascente. De volta à foz de um rio, ao mesmo tempo, real e imaginário, o poeta reencontra uma face e uma voz esquecidas e, como numa revelação, descobre que a foz desse rio é ponto de partida para um longo percurso. Como um rio corrente, os poemas tomam as páginas numa profusão de afluentes sonoros e, numa metáfora da vida, abordam do visível da superfície ao fundo de águas profundas, por vezes, subterrâneas. Vai de um simples recorte do tempo, através da memória, aos nossos mais recorrentes dilemas. Mas este rio também é condutor do leitor pelas múltiplas formas que pode navegar os poemas. Quer partindo da foz, seguindo até onde ele desemboca; ou por desvios e atalhos, aos saltos, onde cada poema é rio afluente. A Água Volta Como Memória é um lugar para onde o leitor sempre pode voltar, quando tiver sede de poesia. 
     
    Show book
  • Coleção de Autoras em Português - cover

    Coleção de Autoras em Português

    Various Various

    • 0
    • 0
    • 0
    Nesta coleção, os voluntários do Librivox reuniram várias obras de autoras que escreveram em Língua Portuguesa. A literatura lusófona, do século XVII ao século XX, vem aqui representada por algumas de suas maiores escritoras. (Sumário por Leni)
    Show book
  • Pátio - cover

    Pátio

    Jorge Reis-Sá

    • 0
    • 0
    • 0
    A poesia de Jorge Reis-Sá já é conhecida há muito nos circuitos literários brasileiros, eis que a extensão e a qualidade da sua biografia dispensam maiores apresentações nos meios editoriais. Neste ‘Pátio’, após ter publicado onze livros nos últimos vinte anos, Jorge Reis-Sá torna a apresentar o seu texto poético repleto de simbologias, em que inicia pela contemplação de ‘Lápide’ e atravessa os espaços abertos, de forma elegante e em passos precisos, com excertos, referências e poesias de poucas palavras e muitos significados. Todas elas se estendem debaixo desta espécie de sol morno, quase frio, que emoldura sentimentos, incertezas, inquietudes, sensações inusitadas do confronto permanente entre a tristeza e a felicidade. Afinal, é diante da morte que somos capazes de sentir a presença concreta da vida. Neste pátio imaginário, dialoga Reis-Sá com alguns dos grandes poetas do seu tempo, como Daniel Faria, Gastão Cruz, Luís Quintais, Pedro Mexia e em especial António Carlos Cortez, prefaciador deste belo volume, e que anotou com propriedade o “realismo de nevoeiro, pouco nítido” do qual exsurge a vida, essa hera forte e resiliente que cresce enquanto não estamos a olhar, e do qual igualmente nascem os poemas de Reis-Sá, palavras que encerram os espaços míticos nos quais o autor, de modo mágico, faz(-nos) “recordar quem somos e quem tivemos na nossa vida”.
    Show book