Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Bye bye - reflexões gráficas sobre a morte - cover

Bye bye - reflexões gráficas sobre a morte

Levindo Carneiro

Publisher: Truque

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Um livro de imagens dos momentos gráficos antes e depois da morte. Fotografias em cemiterios, beira de estradas, estúdio fotográfico, florestas, ruas e  com aplicativos 3D.

Other books that might interest you

  • Arte e sustentabilidade Ed 02 - Especial Coelhos - cover

    Arte e sustentabilidade Ed 02 -...

    Criarte

    • 0
    • 0
    • 0
    A Coleção MEGA Artesanato Arte & Sustentabilidade é a revista do leitor consciente, tem tudo o que precisa, vários tipos de artesanatos, receitas, moldes e execução dos trabalhos. Mais que uma revista de artesanato, é uma publicação diferenciada, compromissada em trazer conteúdos e informações importantes que acrescentam ideias criativas no seu dia a dia, valorizando a importância do ser, visando à preservação do meio ambiente. 
    Nossa segunda edição ressalta a importância do ecossistema da mata atlântica, sua fauna e flora lindamente explicado e demonstrado pela nossa amiga Filomena Coleto, abordando o bicho-preguiça, e Gizela K. Scherer - Artes da Gica®, como nossa modelo especial. Foi ela quem nos cedeu espaço para produção das fotos e nos conta a respeito de seu trabalho na área de sustentabilidade.
    Além disso, você irá encontrar trabalhos supercriativos para comemorar e entrar no clima da Páscoa: coelhinhos feitos com material reciclado, ideais para presentear, decorar e quem sabe até ganhar uma renda extra.
    Temos a certeza de que você irá adorar cada peça, todas preparadas com muito amor e carinho pelas nossas queridas amigas e artesãs, que estão sempre nos surpreendendo com sua criatividade e competência. Aproveite!
    Show book
  • Guia Moda Moldes Corte e Costura Especial - Guia Moda Moldes - cover

    Guia Moda Moldes Corte e Costura...

    ON LINE EDITORA Editora

    • 0
    • 0
    • 0
    Durante o período Paleolítico, por meio da manipulação de plantas, o homem inventou uma das grandes descobertas de nossa história: a roupa. Nos primórdios, elas protegeram a humanidade em ambientes de extremo frio e, ao longo dos tempos, tornaram-se uma poderosa ferramenta para a construção da personalidade de qualquer indivíduo, ratificando crenças e valores perante os grupos sociais e provando que o vestuário é parte intrínseca de cada estilo de vida. Diante de tamanha importância, atualmente, muitas pessoas rendem-se à realização da costura, confeccionando peças únicas e simplesmente maravilhosas. Movidos à paixão pelo ofício, os profissionais da costura ainda fazem desta arte milenar uma ótima fonte de renda. Na verdade, um bom costureiro é formado por técnica, habilidade e criatividade. São três pontos crucias que, se bem costurados em uma única pessoa, podem gerar peças diferenciadas e exclusivas. Se você está interessado a dar o primeiro passo nessa atividade ou ampliar seus conhecimentos sobre corte e costura, este guia é essencial para o seu aprendizado. Nas próximas páginas, você irá aprender, entre um universo gigantesco de dicas, a elaborar seu ateliê, a tirar medidas, a interpretar os moldes e a conhecer mais detalhes de cada material e equipamento fundamentais nesta arte. Além disso, confere um dicionário com os principais termos técnicas e esclarece as dúvidas mais recorrentes sobre o tema. Vire a página e entre nessa verdadeira aula de corte e costura. Acredite, ao término deste guia (ou melhor, desta aula!), você será um profissional ainda mais capacitado e repleto de ótimas ideias!
    Show book
  • Modernismo e antimodernismo - cover

    Modernismo e antimodernismo

    Voltaire Schilling

    • 0
    • 0
    • 0
    Entendo, aqui, o conceito de Modernidade como aplicado à época em que vivemos, o que nos é contemporâneo, o que historicamente está bem próximo de nós e que molda o nosso dia a dia, ainda que tenha suas raízes cravadas mais ou menos na metade do século XIX. Modernismo, por sua vez, é a expressão cultural e estética que se manifesta depois da afirmação da Modernidade; é como ela aparece nas artes, na literatura, na arquitetura, no cinema, etc., enquanto reservo a palavra Vanguarda para indicar a minoria consciente: os precursores dos fenômenos artísticos da nossa época. O que se segue é um conjunto de vivos recortes de momentos históricos diferentes que procuram situar no tempo a emergência dos Movimentos Modernistas mais significativos e quais foram suas relações com as estruturas socioeconômicas e com o poder ideológico da sua época. Em muitos dos artigos-ensaios que se seguem, o autor optou pela narrativa e não por uma exposição teórica – um tanto ao revés do que recomendou certa vez Henri Lefebvre –, com a intenção de humanizar problemas existenciais e técnicos enfrentados pelos artistas citados. Contemplou, também, as difíceis relações que o Movimento Modernista travou com as ideologias do século XX: o comunismo, o nazi-fascismo e o liberalismo, ressaltando as maneiras distintas com que a Vanguarda reagiu a eles, ou foi perseguida e, simultaneamente, utilizada por eles.
    Show book
  • Alimentação por energial solar e universal - cover

    Alimentação por energial solar e...

    Francisco Cunha Leão

    • 0
    • 0
    • 0
    Na obra "Alimentação por energia solar e universal: imperativo num futuro próximo", o arquiteto Francisco Cunha Leão defende a alimentação através de fontes de energia: não somente a alimentação humana, mas também a alimentação, ou abastecimento, de uma série de atividades intrínsecas ao comportamento humano, nomeadamente transportes, indústria e exploração espacial. Em modo de continuação do seu livro ""Três viagens ao futuro em três sonhos"", o autor complementa as situações nele descritas – ambientadas num futuro ainda longínquo - com uma análise exclusiva e individual da História da Humanidade. A Francisco Cunha Leão, parece oportuno que a Humanidade decida concretamente o seu futuro, em harmonia com as constantes mutações da natureza, usando-a como guia para atingir objetivos que conduzam a um possível contacto extraplanetário e a uma nova vivência no universo que habitamos.
    Show book
  • DANÇA sob o signo do múltiplo - cover

    DANÇA sob o signo do múltiplo

    Lucia Santaella, Everson Motta

    • 0
    • 0
    • 0
    A dança é uma arte da cena. Seu aqui e agora, na fugacidade do tempo, vai deixando rastros indeléveis de presença, pura presença que se esvai, mas persiste, na continuidade das transmutações do corpo em movimento. Essa, entre outras, é uma das razões do fascínio e mesmo arrebatamento que a dança produz. Mas, sendo cena e para ser cena, a dança consiste também de uma multiplicidade de facetas que nem sempre são colocadas à mostra. Este livro, composto de uma coletânea de ensaios de autores que, de uma forma ou de outra, vivem ou são atraídos pela dança, tem por intenção abrir para a reflexão algumas entre as plurifacetas constitutivas da dança.
    
    Assim, o leitor irá encontrar agudas indagações sobre a dança em si, seus modos de chegar ao público e maneiras pelas quais este a recebe, irá também acompanhar análises do papel desempenhado pelas mediações tecnológicos na dança, radicalizadas até o ponto da conversão do corpo em sistemas enativos-afetivos. A jornada prossegue nas reflexões sobre o estatuto da dança como linguagem, seu comportamento específico ditado por sua constituição de linguagem. Avança, então, para a dança focada pelo prisma da crítica genética. As intersemioses da dança com outros sistemas semióticos aqui comparece nas suas relações com o cinema até alcançar a proposta interdisciplinar de uma visão renovada da clínica do corpo à luz da psicanálise. Tudo isso perfeitamente regado de exemplos efetivados em espetáculos, colocados sob a luz de análises e comentários críticos, sem os quais a dança, o ser da dança, perder-se-ia nas brumas da abstração.
    
    
    
    Organizadores: 
    
    Lucia Santaella
    Everson Motta
    Autores:
    
    
    
    Cássia Navas
    Ivani Santana
    Diana Domingues
    Carine Turelly
    Lucia Santaella
    Cristiane Wosniak
    Marcilio de Souza Vieira
    Cristina Santaella-Braga
    Everson Motta
    Isabel Marques
    Antrifo Sanches Neto
    Show book
  • Do mundo de Herberto Helder - cover

    Do mundo de Herberto Helder

    Luis Maffei

    • 0
    • 0
    • 0
    Do mundo de Herberto Helder ensina: 'A luta é dolorosa desde sempre/ antes de Homero escrever/ cantar que a luta é dolorosa' (Maffei, Vista de Olímpia, 2016). Aceite o ensaio como gênero impuro (Goulart), no limiar do poema, sem estabelecer dependência de qualquer lei de gênero (Silvina Rodrigues Lopes), enquanto acadêmico e ensaísta, Luis Maffei não teme interrogar a hipótese de haver uma pedagogia da poesia em geral e da herbertiana em particular, sabendo que ensinar literatura é já um paradoxo. Leitor incendiado por dentro do fogo que a faca não corta, Maffei coloca-se no centro da ferida-Herberto – quem será este tipo? quem será este texto? –, em combate e embate frontal com o poema, puro e duro, em cópula. Resultado do trabalho de mais de década e meia de investigação, este livro participa da lição (e é dela réplica, também sísmica) de Camões e de Herberto-leitor-de-Camões, conforme à metamorfose do amador em que se transforma o leitor na coisa lida. Em pathos e patologia partilhada com raros ensaístas que pertencem à comunidade aflitiva que lê A poesia portuguesa hoje (Gastão Cruz), Luis Maffei é, dos da sua geração, um dos mais antigos, informados e potentes leitores da atualidade, sujeito forte em diálogo revolto e desobediente com parte do cânone da literatura portuguesa, que se refaz com a sua leitura. A concepção eminentemente atual do poema (Ruy Belo, Na senda da poesia) herbertiana é, pela leitura de Maffei, expandida a um programa: o exercício de um poder que atende pelo nome arriscado de liberdade. A luta é dolorosa e a poesia não salva. E, no entanto, há raros leitores como Maffei (um dos ensaístas vivos que me interessa mais), que criam uma zona de liberdade transitável. Este lugar (em que é livre também ser contaminado) é lição a ser aceite por quem ler 'os livros atrás a arder para toda a eternidade'.
    Show book