Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Obsolescência Planejada e Direito - (In)Sustentabilidade do Consumo à Produção de Resíduos - cover

Obsolescência Planejada e Direito - (In)Sustentabilidade do Consumo à Produção de Resíduos

Kamila Guimarães De Moraes

Publisher: Livraria do Advogado Editora

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Partindo de uma análise da relação desenvolvida entre homem e natureza ao longo da história da humanidade até a modernidade, das características da sociedade moderna ocidental sob o ponto de vista do consumo e do modelo econômico adotado de forma hegemônica por esta nova sociedade global, a presente obra busca alicerces na Antropologia, Sociologia e Economia para compreensão das razões pelas quais a prática da obsolescência planejada, tida como uma estratégia do setor produtivo para tornar os produtos obsoletos prematuramente, foi desenvolvida. Assim, partindo-se do objetivo de verificação da aplicabilidade jurídica da teoria da sustentabilidade, como fundamento paradigmático para o enfrentamento da prática da obsolescência planejada, a presente obra observa que tal prática pode (e deve) ser mitigada por meio de instrumentos legais, como o Código de Defesa do Consumidor e a Política Nacional de Resíduos Sólidos, desde que interpretados  a  partir  deste novo paradigma.

Other books that might interest you

  • Temas de geriatria e gerontologia para a comunidade - cover

    Temas de geriatria e...

    Newton Luiz Terra (Org.),...

    • 0
    • 0
    • 0
    O Instituto de Geriatria e Gerontologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (IGG/PUCRS) apresenta este livro, elaborado por mestres, doutores, mestrandos e doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica da Escola de Medicina da PUCRS, com vistas a colaborar para que os indivíduos em processo de envelhecimento consigam uma velhice autônoma e independente. Para tanto, esta obra oferece conhecimentos, esclarecimentos e orientações para uma velhice mais saudável, participativa, segura, produtiva e longeva. Os temas escritos são extremamente úteis para todos que se preocupam com o inexorável processo de envelhecimento e que desejam que ele seja, antes de tudo, com muita qualidade. Traz a experiência acumulada do estudo e a vivência de um grupo de profissionais que busca transmitir seu conhecimento à comunidade. Fazemos votos que os temas aqui escritos possam de algum modo contribuir para que os leitores alcancem sucesso no envelhecimento e vivam bem.
    Show book
  • Natureza - A Bíblia do Naturalismo - cover

    Natureza - A Bíblia do Naturalismo

    Ralph Waldo Emerson

    • 0
    • 1
    • 0
    Ralph Waldo Emerson nasceu em 25 de maio de 1803 em Boston e foi um famoso escritor, filósofo e poeta americano. Foi pastor em Boston, mas, abandonou a atividade por divergências doutrinárias. 
    
    Natureza foi publicado em 1836 e é considerado um dos mais importantes trabalhos de Emerson e serviu de inspiração para importantes escritores como Walt Whitman, Emily Dickinson e Henry David Thoreau em Walden, um dos mais importantes clássicos americanos. 
    
    Esse livro é visto como um dos pilares do transcendentalismo e foi responsável por transformá-lo em um movimento cultural focado entre outras coisas, no respeito a natureza. Morreu em 27 de abril de 1882 em sua casa em Concord, Massachusetts nos Estados Unidos.
    Show book
  • Critérios de noticiabilidade - Problemas conceituais e aplicações - cover

    Critérios de noticiabilidade -...

    Gislene Silva, Marcos Paulo Da...

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro, de autoria coletiva, nasce da constatação de que existe no Brasil uma carência de publicações específicas sobre o conceito de noticiabilidade. Uma das concepções mais caras aos estudos teóricos do jornalismo, a ideia da noticiabilidade – ou, mais particularmente, o reconhecimento de que existem parâmetros que levam determinados fatos a receber uma valoração jornalística diferenciada no amplo conjunto dos acontecimentos cotidianos – é muitas vezes abordada de forma descontextualizada da complexidade de sua natureza conceitual. Perguntas-chave que envolvem o assunto passam não raramente despercebidas ou são negligenciadas: o que são critérios de noticiabilidade? Até onde vai seu campo de abrangência? Quais são suas principais diferenças e aproximações dos chamados valores-notícia?
    Show book
  • Marxismo e Psicossociologia - cover

    Marxismo e Psicossociologia

    Max Pagès, Claude Faucheux,...

    • 0
    • 0
    • 0
    A presente coletânea aborda o tema marxismo e psicossociologia, sendo esta última expressão pouco conhecida em nosso país, embora bastante utilizada em outros, especialmente na França. A relação do marxismo com a psicologia, e com a psicologia social, já possui inúmeras publicações no Brasil. Porém, sobre marxismo e psicossociologia existem poucas publicações. Isto se deve ao fato de poucos textos dos representantes da chamada psicossociologia (também conhecida como análise institucional, sociologia da intervenção, etc.) foram traduzidos para o português. A relação entre marxismo e psicossociologia é o tema principal da presente obra. Contudo, diversas outras temáticas são derivadas dela, tais como a questão das organizações, a cotidianidade, os pequenos grupos, a burocracia, o marxismo, os partidos políticos, a dinâmica de grupo, a psicologia, a sociometria. Os analistas partem de elementos do marxismo e da psicossociologia para realizar uma discussão que aponta para a necessidade da transformação social. Assim, o marxismo é questionado no que se refere à sua análise organizacional e os diversos autores desta coletânea apontam para vários aspectos que são uma introdução crítica à psicologia social das organizações.
    Show book
  • A Motivação das Decisões Cíveis - Como Condição de Possibilidade para Resposta Correta Adequada - cover

    A Motivação das Decisões Cíveis...

    Cristina Reindolff Da Motta

    • 0
    • 0
    • 0
    A obra objetiva analisar a problemática gerada pela hipercomplexidade social refletida no processo e por sua evolução na modernidade através da introdução de um método que acabou por afastar o julgador do caso concreto.Tenta-se demonstrar que o positivismo imbricado ao processo da modernidade, entre outros aspectos relevantes, colaborou para o afastamento do julgador em relação ao caso concreto, gerando decisões engessadas e incorretas.
    Show book
  • Dicionário do voto - cover

    Dicionário do voto

    Walter Costa Porto

    • 0
    • 0
    • 0
    Vota-se, no Brasil, há quase 500 anos. Pois, em 1535, já se registram eleições para a escolha dos que integrariam os Conselhos ou Câmaras: juízes, vereadores, almotacés e outros oficiais. Por todos os séculos XVI, XVII, XVIII e começo do século XIX ocorreram essas eleições, em que se reuniam, na Casa do Conselho, “homens bons e povo” nomeando, primeiramente, seis eleitores que, por sua vez, indicavam, depois, os escolhidos, para um mandato de três anos. 
    A primeira eleição geral no país foi em 1821, para designação de deputados à Corte Portuguesa. 
    Com a República, começamos a votar em presidentes. Houve, na Primeira República, uma escolha indireta e onze diretas; na Segunda, só uma eleição indireta; na Quarta, quatro escolhas diretas; na Quinta, seis indiretas e na Sexta, em que vivemos, até agora seis diretas.
    O primeiro de nossos códigos eleitorais, de 1932, traz o regime proporcional que, com pequenas modificações, perdura até hoje.
    Esses e mais tantos itens, relativos ao Brasil, e outros, referentes ao voto no mundo, são tratados neste Dicionário.  
    Se nossa experiência é a também vivida por todos os países, onde, progressivamente, se deu o alargamento da cidadania política e a correção dos males que distorcem a verdade das urnas, a análise desses temas contribui para o maior esclarecimento da classe política e dos eleitores que se empenham, como desejava, já no século XIX, nosso romancista José de Alencar, pela “alforria do voto”.         
    Uma obra indispensável para a compreensão do processo de tomada de decisões pelo qual a população escolhe pessoas para ocupar cargos públicos, o mecanismo com o qual a democracia representativa tem operado desde o século XVII.
    Show book