Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
A Intrusa - cover

A Intrusa

Júlia Lopes De Almeida

Publisher: Vermelho Marinho

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Júlia Lopes de Almeida narra neste que é um de seus mais belos romances a história do viúvo Argemiro, que fez votos de fidelidade eterna e de nunca mais se casar à sua amada Maria em seu leito de morte. Deste amor, nasceu Maria da Glória, jovem criada pelos avós numa chácara nos arredores do Rio de Janeiro. Sem tempo para criar a filha, devido ao trabalho, Argemiro a visita na chácara e a recebe ocasionalmente em sua casa, que fica aos cuidados do velho ex-escravo Feliciano, que abusa nas despesas da casa e age como dono, lendo os jormais do patrão e fumando seus charutos. Querendo a presença maior da filha em sua casa, Argemiro coloca um anúncio no jornal para contratar uma governanta e entra em cena d. Alice, moça de fino trato, prendada e fluente em línguas. Glória a rejeita inicialmente, mas acaba sendo conquistada, para profundo desgosto de sua avó Luiza, que passará o resto do livro tentando afastar Alice, de quem ela suspeita estar interessada em tomar o lugar de sua falecida filha, fazendo Argemiro quebrar seu juramento. Num ritmo crescente de suspeitas e desavenças, apenas no final do livro o real objetivo desta intrusa será revelado.
Available since: 01/27/2020.

Other books that might interest you

  • Frei Simão - cover

    Frei Simão

    Pop Stories, Machado de Assis

    • 0
    • 0
    • 0
    "Morro odiando a humanidade" – as últimas palavras de Frei Simão de Santa Águeda, em seu leito de morte, explicam-se ao longo da narrativa: a triste história de como o religioso, antes de o ser, fora apaixonado pela pobre órfã Helena, e de como seus pais impediram a consagração de seu amor.
    Show book
  • As festas de Nazaré - cover

    As festas de Nazaré

    Júlio César Machado

    • 0
    • 0
    • 0
    Nesta crônica de tom literário, o português Júlio César Machado conta como foi sua viagem de Lisboa ao balneário de Nazaré, hoje famoso dentre os surfistas por conta de suas ondas gigantescas! Ele faz um bem-humorado contraponto entre os turistas que buscam os prazeres da praia e os romeiros que chegam para a festa da padroeira da cidade. Enriquecem o texto pitadas de metalinguagem e intertextualidade.
    Show book
  • Presepes - cover

    Presepes

    João do Rio

    • 0
    • 0
    • 0
    "Os presepes, como as telas do Renascimento, são as reconstituições religiosas com a cor local contemporânea. Os psicólogos podem psicologar num reisado a alma nacional e a intensidade da crença." É assim com graça e estilo que João do Rio une o universal ao local nessa deliciosa crônica sobre os presépios e seus significados diversos.
    Show book
  • O machete - cover

    O machete

    Pop Stories, Machado de Assis

    • 0
    • 0
    • 0
    O conto "O machete" apresenta ao leitor, no tom melodramático mais característica da escrita inicial de Machado de Assis, o dilema de Inácio Ramos. Desde criança, sua vocação musical é evidente, mas, com a chegada à vida adulta e suas consequências, ele se vê frustrado pela falta de público. A narrativa traz à tona a discussão polarizada em música erudita/música popular, com a exploração paralela da psiquê do protagonista.
    Show book
  • Lisboa no Ano Três Mil - cover

    Lisboa no Ano Três Mil

    Cândido de Figueiredo

    • 1
    • 5
    • 0
    Ocorreu-me uma grande e legítima ambição: viver no futuro; guindar-me ao vértice das civilizações vindoiras, e estirar a vista por todo o passado, abrangendo num lance de olhos todas as sociedades extintas e todo o quadro ingente dos progressos humanos. Devia ser um momento assombroso. Mas este plano, segundo o que me observou o doutor, era de execução dificílima. Para ler toda a história do futuro, seria mister um sono hipnótico de muitos meses ou de muitos anos, e à dificuldade acresceria o perigo. Tive que modificar a minha ambição: — Visto que em poucas horas não é possível fazer a revista dos séculos, como se faz a revista do ano para os teatros de terceira ordem, desejo, senhor conde, que por duas ou três horas a sugestão me transporte ao ano Três Mil, e que me coloque no ponto mais civilizado do mundo de então, podendo eu saber se ainda haverá memória do meu país e o que dele se pensa. — Far-se-á o que deseja, — rematou o hipnotizador. — E, sem pronunciar uma palavra mais, sentou-se defronte de mim, tocando nos meus joelhos com os dele. Abriu as mãos e espalmou-mas nas regiões temporais, obrigando-me a fixar os olhos no seu olhar, vivo, penetrante e ao mesmo tempo imóvel. Senti percorrer-me o corpo uma languidez estranha, e adormeci profundamente.
    Show book
  • É morto Pulcinella! - cover

    É morto Pulcinella!

    Pop Stories, Raul Pompéia

    • 0
    • 0
    • 0
    Em texto de características mais românticas, Raul Pompeia traz neste conto a melancolia da viscondessa Amélia, que foi obrigada pelo pai comendador a um casamento arranjado. Sua vontade era entregar-se ao pintor Armando, por quem se apaixonara quando ele pintava seu retrato.
    Show book