Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
A Intrusa - cover

A Intrusa

Júlia Lopes de Almeida

Publisher: Vermelho Marinho

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Júlia Lopes de Almeida narra neste que é um de seus mais belos romances a história do viúvo Argemiro, que fez votos de fidelidade eterna e de nunca mais se casar à sua amada Maria em seu leito de morte. Deste amor, nasceu Maria da Glória, jovem criada pelos avós numa chácara nos arredores do Rio de Janeiro. Sem tempo para criar a filha, devido ao trabalho, Argemiro a visita na chácara e a recebe ocasionalmente em sua casa, que fica aos cuidados do velho ex-escravo Feliciano, que abusa nas despesas da casa e age como dono, lendo os jormais do patrão e fumando seus charutos. Querendo a presença maior da filha em sua casa, Argemiro coloca um anúncio no jornal para contratar uma governanta e entra em cena d. Alice, moça de fino trato, prendada e fluente em línguas. Glória a rejeita inicialmente, mas acaba sendo conquistada, para profundo desgosto de sua avó Luiza, que passará o resto do livro tentando afastar Alice, de quem ela suspeita estar interessada em tomar o lugar de sua falecida filha, fazendo Argemiro quebrar seu juramento. Num ritmo crescente de suspeitas e desavenças, apenas no final do livro o real objetivo desta intrusa será revelado.

Other books that might interest you

  • Histórias Sem Data - cover

    Histórias Sem Data

    Assis Machado de

    • 0
    • 0
    • 0
    O livro reúne 18 contos, publicados ao longo de 1883. A escolha do título, de acordo com o próprio autor, é a seguinte: De todos os contos que aqui se acham há dous que efetivamente não levam datas expressas; os outros a têm, de maneira que este título Histórias sem Data parecerá a alguns ininteligível, ou vago. Supondo, porém, que o meu fim é definir estas páginas como tratando, em substância, de cousas que não são especialmente do dia, ou de um certo dia, penso que o título está explicado. E é o pior que lhe pode acontecer, pois o melhor dos títulos é ainda aquele que não precisa de explicação.
    Show book
  • Livro das Donas e Donzelas - cover

    Livro das Donas e Donzelas

    Júlia Lopes de Almeida

    • 0
    • 0
    • 0
    Publicado em 1906, é um apanhado de crônicas que traz mulheres como personagens principais das histórias. Um exemplo é o conto 'Convento', que conta a vida e os costumes de freiras que passam suas vidas para servir à religião.
    Show book
  • Aurora boreal - cover

    Aurora boreal

    Maria Amélia Thomaz

    • 0
    • 0
    • 0
    Este é o primeiro livro publicado da escritora mineira Maria Amélia Thomaz. Com leveza e sensibilidade ela nos surpreende com um estilo inovador e simples de contar histórias. Aurora Boreal se passa no interior de Minas Gerais, entre as décadas de 70 e 90. É uma história sobre o processo muitas vezes árduo, porém bonito, de superação perante os infortúnios da vida. Quando Guilherme chega da França, após concluir seus estudos, a sua vida desemboca num espiral de reviravoltas, amores brutos, sofrimento e superação. Uma história que fala fundo. O leitor irá se encantar com uma Minas bucólica, a fartura, os costumes, a paisagem, os tipos humanos. A Estância d´Água, propriedade da família de Guilherme, parece ter sentimento e vontade próprios, recebe sempre com amor.  Ao longo das reviravoltas, a autora nos brinda com o mugir confortante das vacas, o canto esperançoso dos pássaros, a calma do Rio Bicudo. Os ditos e os não ditos de dona Geralda, os modos de falar, a goiabada, o queijo, a sanfona. Sem abrir mão desse sentimento quase saudosista, que faz o leitor viajar por uma Minas que aos poucos deixa de existir, Maria Amélia não poupa das críticas alguns dos costumes conservadores que acabam por tolher a liberdade das pessoas, no seio da tradicional sociedade mineira. Tais críticas, feitas de forma elegante, e algumas pitadas de engajamento político completam o tecido da história.
    Show book
  • Ao correr da pena - cover

    Ao correr da pena

    José de Alencar

    • 0
    • 0
    • 0
    Considerada a estreia literária de José de Alencar, Ao Correr da Pena é uma obra que reúne crônicas escritas pelo autor entre 1854 e 1855, publicadas semanalmente em folhetim no Jornal Correio Mercantil, do Rio de Janeiro. É com esses escritos, que, aos 25 anos de idade, Alencar começa a se tornar conhecido no círculo intelectual da época, já mostrando intimidade em permear entre o gênero literário e o estilo jornalístico. 
    Por meio das crônicas, é possível conhecer aspectos do cotidiano social, político, econômico e cultural da sociedade carioca do século 19, bem como entrar em contato com as primeiras ideias literárias do autor, que foi o maior expoente do Romantismo brasileiro de seu tempo. 
    É como romancista que José Martiniano de Alencar (1829-1877) é lembrado até os dias de hoje. No entanto, o autor também foi folhetinista, jornalista, dramaturgo, advogado e político, deixando entre a sua produção escrita, além de crônicas, peças de teatro, textos autobiográficos e críticas literárias.
    Show book
  • Dispersão - cover

    Dispersão

    Mário de Sá-Carneiro

    • 1
    • 2
    • 0
    Esta obra é composta por doze poemas e a sua primeira edição foi revista quer pelo autor, Mário de Sá-Carneiro, quer pelo seu grande amigo, e também poeta, Fernando Pessoa.
    Show book
  • Manifesto Anti-Dantas E Por Extenso - cover

    Manifesto Anti-Dantas E Por Extenso

    José de Almada Negreiros

    • 0
    • 5
    • 0
    O Manifesto Anti-Dantas e por extenso é um texto da autoria de José de Almada Negreiros, publicado em 1915 por ocasião da estreia da peça de teatro Soror Mariana Alcoforado de Júlio Dantas. Em 1915 foi publicado o segundo número da Revista Orpheu, marco inicial do Modernismo em Portugal, onde participaram nomes como Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro, Santa-Rita Pintor e Armando Côrtes-Rodrigues. Todavia, a sua novidade, o seu arrojo, a sua ousadia tanto na produção literária como pictórica, causou escândalo junto da burguesia lisboeta conservadora. Entre os muitos opositores ao movimento estava o médico e escritor Júlio Dantas, cuja crítica aos vanguardistas foi feroz. Através deste manifesto, Almada reagia publicamente, utilizando Júlio Dantas como símbolo das posições mais retrógradas.
    Show book