Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
A luneta mágica - cover

A luneta mágica

Joaquim Manuel de Macedo

Publisher: Vermelho Marinho

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

A obra “A Luneta Mágica” de Joaquim Manuel de Macedo (1820 – 1882), mesmo autor do sucesso “A Moreninha”, é considerado o primeiro romance fantasia da literatura brasileira.
A obra foge de tons piegas do romance e tem uma conotação maior de fábula com lição de moral. De forma crítica e bem humorada ele faz um retrato do Brasil no final do segundo império, mais precisamente da cidade do Rio de Janeiro.
Em a “Luneta Mágica”, Joaquim Manuel discorre sobre o bem e o mal, e como ele faz parte das pessoas. A trama é contada por um narrador-personagem, Simplício, que sofre da chamada miopia física, que não permite que ele enxergue nada que vá além de duas polegadas, sendo quase cego, e sofre também de miopia moral, que faz com que ele não entenda as ideias alheias e a intenção das pessoas, considerado um parvo (inocente, bobo).
Available since: 07/25/2016.

Other books that might interest you

  • As jóias da coroa - cover

    As jóias da coroa

    Raul Pompéia

    • 0
    • 0
    • 0
    "As Jóias da Coroa" é um livro bem divertido e empolgante escrito por Raul Pompéia que conta a história de Manuel Paiva, um malandro que tenta roubar as joias pertencentes ao Duque de Bragança. No início, parecia que tudo daria certo, até que seu plano vai por água abaixo.
    Raul d'Ávila Pompéia, nascido em Angra dos Reis em 1863, foi um escritor brasileiro e teve como principal obra "O Ateneu". Tinha inimizade com várias pessoas, inclusive o escritor Olavo Bilac, com o qual acabou marcando um duelo que não chegou a se realizar. Suicidou-se no dia de Natal, em 1895.
    Show book
  • A Queda dum Anjo - cover

    A Queda dum Anjo

    Camilo Castelo Branco

    • 4
    • 8
    • 0
    Calisto Elói de Silos e Benevides de Barbuda, morgado da Agra de Freimas, tem hoje quarenta e nove anos, por ter nascido em 1815, na aldeia de Caçarelhos, termo de Miranda. Seu pai, também Calisto, era cavaleiro fidalgo com filhamento, e décimo sexto varão dos Barbudas da Agra. Sua mãe, D. Basilissa Escolástica, procedia dos Silos, altas dignidades da Igreja, comendatários, sangue limpo, já bom sangue no tempo do Sr. rei D. Afonso I, fundador de Miranda.
    Show book
  • O Defunto - cover

    O Defunto

    Eça de Queirós

    • 2
    • 9
    • 0
    Considerada uma obra-prima da novelística mundial, conta a história assombrada de Dom Rui de Cardenas, que rezava todos os dias na igreja e, um dia, se apaixonou por Dona Leonor, mulher devota de rara elegância. Casada com um milionário, obrigou-a a escrever uma carta ao amante, marcando um encontro. A cilada estava montada, mas Dom Rui consegue, por artes e manhas, alterar o curso da história.
    Show book
  • Raios De Extincta Luz - Poesias Ineditas - cover

    Raios De Extincta Luz - Poesias...

    Antero De Quental

    • 0
    • 3
    • 0
    A publicação d'este livro é um phenomeno litterario de alta importancia. Compõe-se de uma collecção de Poesias ineditas de Anthero de Quental, na primeira phase artistica, de 1859 a 1863, quando o seu ideal era ainda religioso, romantico e espiritualista. Phase ignorada do publico, acha-se descripta pelo poeta na sua Autobiographia, quando allude á «educação catholica e tradicional de um espirito naturalmente religioso, nascido para crêr placidamente e obedecer sem esforço a uma regra conhecida.» Ao dar á publicidade o livro revolucionario as Odes modernas, em 1865, accentuada poesia de combate, Anthero rasgou todas as composições anteriores, para que não ficassem vestigios d'esse periodo contemplativo. Dera então o maximo relêvo á «revolução moral e intellectual», como o facto mais importante da sua vida, segundo confessa na Autobiographia. Truncando as suas origens artisticas, apagava uma pagina psychologica, tão cheia de verdade e naturalidade, que a critica nunca poderia reconstruir. Por uma casualidade feliz um companheiro de Anthero de Quental, que por esse tempo frequentava a faculdade de medicina, copiára todas as poesias romanticas: chamava-se Eduardo Xavier de Oliveira Barros Leite, fallecido prematuramente em 1872. Por um enlace de familia, obtive por occasião da sua morte o caderno das poesias que copiára, e que o proprio auctor, que lhe sobreviveu vinte annos, mal suspeitava terem sido conservadas. Guardei-as pois, como um valioso documento, onde estavam os primeiros germens do talento poetico de Anthero de Quental; publicando-as depois da sua morte desgraçada, restituimos-lhe á vida subjectiva uma pagina luminosa e sympathica que faltava á sua obra e á litteratura portugueza. O titulo do livro, Raios de extincta Luz, tem a significação do seu apparecimento posthumo, e o valor de exprimir um presentimento do poeta, ao começar com este hemistychio a invocação escripta em 1860 para uma colleccionação projectada
    Show book
  • A marquesa de santos - cover

    A marquesa de santos

    Paulo Setúbal

    • 0
    • 0
    • 0
    Romance histórico que conta em detalhes a trajetória da aristocrata paulista Domitila de Castro Canto e Melo, a Marquesa de Santos, uma das mulheres mais fascinantes e famosas da História do Brasil. O livro recria o Brasil de 1813 a 1829, época da chegada da Família Real, da Abertura dos Portos e da Proclamação da Independência. 
    
    Paulo Setúbal, (1893/1937) foi advogado, escritor e jornalista, ensaísta, poeta e romancista. Dedicou-se à literatura. Iniciou a sua principal fase de produção literária, em que o seu gênero por excelência foi o romance histórico.
    Show book
  • Viagens Na Minha Terra - cover

    Viagens Na Minha Terra

    Almeida Carrett

    • 0
    • 5
    • 0
    Viagens na Minha Terra é um livro da autoria de Almeida Garrett; obra na qual se misturam o estilo digressivo da viagem real (que o autor fez de Lisboa a Santarém) e a narração novelesca em torno de Carlos, Frei Dinis e Joaninha.
    O livro Viagens na Minha Terra, publicado em volume em 1846, é o ponto de arranque da moderna prosa literária portuguesa: pela mistura de estilos e de gêneros, pelo cruzamento de uma linguagem ora clássica ora popular, ora jornalística ora dramática, ressaltando a vivacidade de expressões e imagens, pelo tom oralizante do narrador, Garrett libertou o discurso da pesada tradição clássica, antecipando o melhor que a este nível havia de realizar Eça de Queirós.
    Mas a obra vale também pela análise da situação política e social do país e pela simbologia que Frei Dinis e Carlos representam: no primeiro é visível o que ainda restava de positivo e negativo do Portugal velho, absolutista; o segundo representa, até certo ponto, o espírito renovador e liberal. No entanto, o fracasso de Carlos é em grande parte o fracasso do país que acabava de sair da guerra civil entre miguelistas e liberais e que dava os primeiros passos duma vivência social e política em moldes modernos.
    Show book