Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Carta muito pessoal de um recluso Covid-ativo - cover

Carta muito pessoal de um recluso Covid-ativo

João Pedro Duarte

Publisher: Gato-Bravo

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Dividido em três partes, o livro 'Carta muito pessoal de um recluso Covid-ativo' traz-nos dois contos e um conjunto de cartas, escritas pelo autor durante o confinamento decretado no país em março de 2020. Com uma prosa aprimorada e recheada de referências familiares, o autor inicia-se na ficção com os contos “Um fim de semana qualquer” e “O último heterónimo de Fernando Pessoa”.  Na terceira parte, apresenta-nos as suas reflexões durante a quarentena, encarada como um desafio desconcertante, mas nem por isso inexequível. Fala-nos dos heróis da nova rotina, dos livros que saíram das prateleiras, das mudanças que podem ter vindo para ficar. Partilhas com laivos humorísticos, mas igualmente pertinentes, que espelham a experiência que tem sido o ano de 2020.
Available since: 03/22/2021.

Other books that might interest you

  • Esaú e Jacó - cover

    Esaú e Jacó

    Joaquim Maria Machado de Assis

    • 0
    • 0
    • 0
    Esaú e Jacó é o penúltimo livro de Machado de Assis, lançado em 1904. No título do livro, o autor remete à contrariedade entre os irmãos Esaú e Jacó da narrativa bíblica, para servir de paralelo à história de vida dos irmãos Pedro e Paulo, filhos da alta burguesia carioca, que vivem a passagem do Brasil império para o Brasil república: Paulo se põe do lado dos republicanos, Pedro dos monarquistas. A contraposição de temperamento dos dois irmãos, assim como os constantes debates de opiniões por eles travados durante a narrativa, permitiu a Machado de Assis construir magistralmente um complexo quadro das contradições e conflitos ideológicos em jogo no Brasil pós-Independência. - Summary by F. V. Silva
    Show book
  • Margens e Travessias - cover

    Margens e Travessias

    Boabentura Cardoso

    • 0
    • 0
    • 0
    «Boaventura Cardoso produziu um alto romance. Indelével o sentido poético difuso que o atravessa. Ouve-se a música do pensamento, a expressão de uma língua serena e vibrátil.»
                                                                                                       Marco Lucchesi, escritor e Presidente da Academia Brasileira de Letras
    
    Mensagem de Rita da Silva Cardoso, mãe do autor
    «Nas bordas deste romance inscrevi parte do que fui escrevendo em pagelas. A história da minha amargura é longa; não posso contá-la toda, nem convém, para além de que não tenho já vida para guardar tan¬tas memórias. Pronto, fica assim. Que um dia se escreva a história das mães sofredoras como eu fui. De qualquer modo, meu filho, a ti que és escritor, confio estes papéis. Publica-os no momento oportuno; talvez seja melhor esperares que um dia acabe este caduco regime de ditadura democrática revolucionária…; faz   tento nisso, Boaventura. De qualquer modo, levo comigo a dor das mães sofredoras, embora a dor delas seja maior; Fátima trouxe-me de volta o meu filho. Elas não tiveram essa sorte; elas choram até hoje a morte prematura de seus filhos. Levo co¬migo a dor delas − escreve isso, meu filho, na minha lápide onde repou¬sar para sempre. Agora, para não atrapalhar a vossa leitura, caro leitor, migro e transvoo para outras margens.»
    
    «É um romance histórico em que a geografia também protagoniza a construção romanesca, cujas inúmeras travessias penetram margens submersas da história de Angola, ao mesmo tempo que, pela lingua¬gem da poesia, tecem uma “terceira margem” da estória.»
                                                                                                                                           Cármen Lúcia Tindó Secco, autora e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro
    Show book
  • O Fim do disfarce - cover

    O Fim do disfarce

    Victor Santos

    • 0
    • 0
    • 0
    O desabrochar do primeiro amor é um dos temas mais frutíferos na literatura e, sem exceção à regra, a singela história de Carlos e Esttela é o poderoso fio condutor da narrativa de 'O fim do disfarce', na qual os leitores se deixarão envolver também pelos detalhes da realidade sócio-cultural das ilhas de São Tomé e Princípe, durante o complexo processo de descolonização de Portugal. Carlos é um adolescente sensível e trabalhador, oriundo de uma humilde família nativa de São Tomé, cujo pai problemático e violento é motivo de instabilidade emocional e psicológica do desenvolvimento do rapaz. Esttela é também oriunda de uma família nativa, mas abastada e privilegiada na realidade da ilha, para quem Carlos acaba por trabalhar. A vida dos dois transforma-se profundamente quando se cruzam ao acaso pela primeira vez na rua, logo após a independência da antiga metrópole. O rapaz, que se exprime através de poesia, esconderá por tempo longo os sentimentos que nutre pela amiga, filha dos patrões, com medo de que as diferenças sociais os afastem. No entanto, ao descobrir-se correspondido, os dois jovens vivem uma explosão de sentimentos, só interrompida quando descoberta pela família de Esttela, que engendra um plano para separá-los.
    Show book
  • Casa Velha - cover

    Casa Velha

    Joaquim Maria Machado de Assis

    • 0
    • 0
    • 0
    Com o fim de escrever um livro sobre a história do Primeiro Reinado, um cônego procura conhecer uma casa onde morou um ex-ministro, na qual havia papéis que o ajudariam na sua pesquisa. Durante esta pesquisa, o cônego torna-se grande amigo da família. Deste modo, vê na amizade de Félix (filho da dona da casa, D. Antônia) e Lalau (uma agregada da casa) uma possível paixão. No desenrolar da trama, descobre que sua observação estava correta. Este romance esquecido de Machado de Assis foi redescoberto somente no século XX, tendo sido, até a obra de John Gledson, considerado uma novela de importância secundária. Nele, o autor volta a temas recorrentes em sua obra de primeira fase (o estigma social de enjeitados, impossibilitados de casar ou inserir-se na burguesia brasileira devido à sua posição social) com o teor crítico e ironia de suas melhores obras. - Summary by Wikipedia e Felipe Vale da Silva
    Show book
  • Diva - cover

    Diva

    José de Alencar

    • 0
    • 0
    • 0
    Diva, publicado em 1864, um dos três "perfis de mulher" de José de Alencar, tem como personagem principal e narrador Augusto Amaral, que conta, através de cartas, a história de seu encontro e paixão pela jovem Emília, rica herdeira, acostumada a ter todos as suas ordens e caprichos atendidos. Publicado logo após "Lucíola", obra de maior sucesso, "Diva" tem em comum com aquele o pano de fundo, também a corte imperial brasileira, no Rio de Janeiro, e a crítica à sociedade frívola  frequentadores dos salões. "Diva" é conectado a "Lucíola" também por duas referências internas à obra: por um lado, a dedicatória de "Diva" refere a mesma senhora que teria recolhido e publicado as cartas de Paulo em "Lucíola"; por outro, o próprio romance "Diva" é um apanhado de cartas, desta vez endereçadas a Paulo, narrador de Lucíola, O terceiro desses romances urbanos acerca da situação da mulher foi "Senhora", publicado mais de dez anos depois. - Summary by Leni
    Show book
  • Nakba - Holocausto na Palestina - cover

    Nakba - Holocausto na Palestina

    Aníbal Alves

    • 0
    • 0
    • 0
    O Holocausto de cerca de seis milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial é um dos episódios históricos que mais impressionou o Mundo nos últimos cem anos. 'Nakba: Holocausto na Palestina' apresenta-nos um segundo olhar sobre essa realidade. Aníbal Alves levanta importantes questões em torno da formação do Estado de Israel, reservado pelas Nações Unidas ao povo judeu, no pós Segunda Grande Guerra. Através do encontro e desencontro de personagens densas, o autor descortina a realidade da ocupação do território da Palestina e das suas vítimas. Terá um primeiro holocausto levado a outro, tão cruel quanto o primeiro, de um povo inocente e igualmente massacrado? Num cenário de guerra em que vítimas se tornam algozes, quem são os culpados? E, no meio disso, pode brotar o Amor, através das suas formas mais diversas e surpreendentes? Talvez este livro não responda de forma direta a essas perguntas, mas mexe com pensamentos estanques sobre a História e as suas estórias. 'Nakba: Holocausto na Palestina' é um romance histórico que promete absorver os seus leitores.
    Show book