Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
As distâncias do cinema - cover

We are sorry! The publisher (or author) gave us the instruction to take down this book from our catalog. But please don't worry, you still have more than 500,000 other books you can enjoy!

As distâncias do cinema

Jacques Rancière, Estela Dos Santos Abreu

Publisher: Contraponto Editora

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Jacques Rancière não se considera um filósofo do cinema, um teórico do cinema ou um crítico de cinema. Antes, vê-se como um amador, para quem o cinema, sendo um campo múltiplo e heterogêneo, só pode se constituir na encruzilhada entre experiências, afetos e saberes, entre arte, trabalho e coletividade. Ser um amador, e defender essa posição como política, significa então afirmar que o cinema é "um sistema de distâncias irredutíveis entre coisas que têm o mesmo nome sem serem membros de um mesmo corpo".

    Notável pensador da política, da imagem, da literatura e das artes, neste livro os encontros de Rancière com o cinema se dão por meio de três distâncias: a distância entre cinema e teoria, entre cinema e arte e entre cinema e política. Mas se engana quem supõe que o encontro em questão visa a suprimir essas distâncias. Para Rancière, a distância, ou a separação, é a condição mesma de toda relação. Sendo o cinema, em sua heterogeneidade, um "espaço comum de pensamento", trata-se então de novas mensurações, de ora reduzir, ora repor as distâncias, isto é, de aproximar o que estava distante ou de se distanciar do excessivamente próximo.


    Ao afirmar que o cinema só existe como uma "fronteira instável que, para existir, precisa ser sempre atravessada", Rancière dedica-se a uma análise que transita pelo interior de diferentes experiências cinematográficas sem submetê-las a enquadramentos conceituais preexistentes. Nessas passagens e tensões, nessas aproximações e distanciamentos entre cineastas tão diversos como Hitchcock, Vertov, Bresson, Minnelli, Rossellini, Straub e Pedro Costa, está a afirmação de que o cinema só é arte contanto que seja mundo: mundo compartilhado para além da realidade material de suas projeções e habitado por formas de vida que são políticas quando são também capazes de estar à altura do que vivem.


                        Ilana Feldman


Jacques Rancière é um dos filósofos mais respeitados da atualidade. Professor emérito da Universidade Paris VIII (St. Denis), dedicou-se a pesquisas sobre as classes operárias francesas e lutas políticas marginalizadas da história oficial. Atualmente tem explorado as relações entre estética e política, com ênfase nas artes visuais, em livros como "Le Destin des images" (publicado pela Contraponto), "La Partage du sensible", "Le Spectateur emancipe" e "Aisthesis. Scènes du régime esthétique de l´art".


"Para mim, escrever sobre cinema é assumir ao mesmo tempo duas posições contraditórias. A primeira é que não há nenhum conceito que reúna todos esses cinemas, nenhuma teoria que unifique todos os problemas que eles suscitam. [...] Já a outra posição diz, ao inverso, [...] que o pensamento do cinema é o que circula nesse espaço, pensa no meio dessas distâncias e se esforça para determinar este ou aquele vínculo entre dois cinemas ou dois ?problemas de cinema´. Esta é a posição do amador. [...] A política do amador afirma que o cinema pertence a todos aqueles que, de uma maneira ou de outra, viajaram dentro do sistema de distâncias que seu nome permite e que cada um pode traçar [...], pois uma arte nunca é apenas uma arte; sempre é, ao mesmo tempo, uma proposta de mundo."


                        Jacques Rancière
Available since: 08/12/2021.

Other books that might interest you

  • Historia do fado ao Piano Portugal - cover

    Historia do fado ao Piano Portugal

    Mário Moita

    • 0
    • 0
    • 0
    O Fado é a canção nacional de Portugal. Neste e-book vai conhecer a tradição de 1870, quando o fado era tocado ao piano. Ficará a saber tambem muitas curiosidades deste género musical, consagrada pela Unesco como patrinónio imaterial da humanidade.
    Show book
  • Rick Wakeman - cover

    Rick Wakeman

    Carlos Santa Rita

    • 0
    • 0
    • 0
    Quem é Rick Christopher? Ele na verdade é mais conhecido como Rick Wakeman. Esse gênio dos teclados gravou mais de 90 álbuns e no Brasil só se conhece uns 4 ou 5. Sua mãe quis lhe dar o nome de Dianne. Esse cara já acordou um dia chorando e gritando e passou o dia nessa vibe que sua mãe o colocou no jardim. Começou a tocar órgão na Igreja, tem formação quase erudita, mas sempre quis fazer sucesso. Tocou muito tempo com o Yes e já teve problemas sérios com bebida alcóolica. Rick já sobreviveu até a acidente de avião. Já fez vários shows no Brasil e continua gravando e trabalhando até os dias de hoje. Sua vida e curiosidades de sua trajetória pessoal estão aqui no Music And History.
    Show book
  • O Terceiro Cogumelo - cover

    O Terceiro Cogumelo

    Public Play Editora, Josué Teodoro

    • 0
    • 0
    • 0
    Conheça Nikota, uma menina curiosa que vive na vila dos cogumelos e adora voar em um dente de leão para aprender sobre os humanos. Mas essa curiosidade acabou trazendo mudanças estranhas no seu corpo, e ainda criou sérios problemas para sua vila. Quando um homem misterioso começa a persegui-la, Nikota conta com a ajuda de um cãozinho e seu dono para se proteger. O que será que aconteceu com Nikota? Por que os moradores de sua vila a acham tão estranha? E como a amizade que fez com o cãozinho Bumpy e seu dono Toby irá superar o mal? Descubra essa história emocionante cheia de amor e amizade.
    Show book
  • Abba - cover

    Abba

    Carlos Santa Rita

    • 0
    • 0
    • 0
    Até aparecer o Grupo ABBA ninguém tinha ouvido falar que suecos cantavam? Quando pensamos em automóvel, logo nos vem os americanos ou japoneses, certo! Perfume, os franceses, claro! Pois estes 4 suecos quebraram a banca e fizeram sucesso por todo mundo com um ritmo dançante e letras de fácil memorização, daquelas que ficam na nossa mente as repetindo, e repetindo.
    Show book
  • LOVE - amadurecimento emocional através da vida - cover

    LOVE - amadurecimento emocional...

    Zélia Chaves

    • 0
    • 0
    • 0
    Em 'Love – amadurecimento emocional através da vida', Zélia Chaves descreve o caminho de desenvolvimento interior por si percorrido. Fala-nos da importância de compreender a nossa própria história de modo a alcançar a verdade inerente a cada um de nós e viver de forma plena e clara em comunhão com a nossa autenticidade. Acompanhamos esta transformação, pautada por um conjunto de experiências e desafios que conduziram ao ressurgir de uma nova perceção e consciência, aliada à prática meditativa e criativa. Segundo a autora, este livro foi escrito como um diálogo consigo mesma, que agora partilha com o leitor na esperança de que possa constituir um instrumento valioso para aqueles interessados em experienciar uma vivência mais significativa no mundo.
    Show book
  • O Sol nasceu pra todos - a história secreta do samba - cover

    O Sol nasceu pra todos - a...

    Luis Carlos de Morais Junior

    • 0
    • 0
    • 0
    No livro O Sol Nasceu pra Todos (A História Secreta do Samba), Luis Carlos de Morais Junior escreve a respeito de parte considerável da epopéia da Música Popular Brasileira, e nos mostra que a grande matriz genérica do nosso cancioneiro nos Séculos XX e XXI é o Samba, o qual se forma de dezenas de outros gêneros, subgêneros e estilos, e os formata a todos, e a todos atinge por igual, mesmo que de maneira diferente.Se o nosso querido leitor é curioso para saber a verdade sobre o nascimento e o desenvolvimento da música brasileira, e tem vontade de conhecer os meandros mais sinuosos ou os palácios esplendorosos da MPB, encontrará em O Sol Nasceu pra Todos (A História Secreta do Samba) formação musical e literária genuínas, informações relevantes e curiosas e muita diversão; pois Luis Carlos de Morais Junior nos revela, em sua pesquisa tão poética quanto filosófica e histórica, que ouvir, conhecer e ler a nossa música popular é, antes de tudo, um enorme prazer.
    Show book