Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Ignácio Rangel - Obras reunidas vol2 - cover

Ignácio Rangel - Obras reunidas vol2

Ignácio Rangel, César (Org) Benjamin

Publisher: Contraponto Editora

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Ignácio Rangel (1914-1994) foi o mais criativo e original analista da economia brasileira. Depois de participar da Revolução de 1930, integrou a Aliança Nacional Libertadora (ANL), colocada na ilegalidade em 1935. Na prisão, estudou história e economia como autodidata. Iniciou então uma revisão crítica das principais teses defendidas pela esquerda. Sempre se considerando um socialista, passou a buscar a especificidade do desenvolvimento brasileiro, recusando a simples adaptação de teorias importadas.

    Esse esforço o levou a construir um quadro analítico próprio, diferente de todas as correntes de pensamento então existentes. Enfrentou sozinho o debate. Usou de forma extremamente criativa ideias teóricas de Adam Smith, Karl Marx, John M. Keynes e Joseph Schumpeter. Defendeu a ousada hipótese de Nicolai Kondratiev, recusada pela escola soviética, de que o desenvolvimento capitalista obedece a ciclos longos, gerados pelas economias centrais, que são aquelas capazes de criar novas tecnologias. Incorporou essa hipótese como pano de fundo de sua reinterpretação da história do Brasil. Essa independência custou-lhe considerável solidão intelectual e tornou mais difícil a difusão de sua obra.


    A militância intelectual de Rangel se estendeu ao Instituto Superior de Estudos Brasileiros (Iseb), a centros universitários e ao Clube dos Economistas. Mas, além disso, ele foi também um homem de ação. Trabalhou em várias instituições decisivas para o surto de desenvolvimento que o Brasil experimentou no segundo após-guerra. Na assessoria econômica de Getúlio Vargas, ajudou a elaborar os projetos da Petrobras e da Eletrobras. Como chefe do Departamento Econômico do BNDE (hoje BNDES), participou da execução do Plano de Metas de Juscelino Kubitschek. No Conselho de Desenvolvimento, coordenou uma série de estudos e análises oficiais sobre a economia brasileira.


    As contribuições mais decisivas de Rangel podem ser agrupadas em cinco grandes temas: a hipótese da dualidade básica, os estudos sobre a dinâmica capitalista, a reinterpretação da inflação brasileira, o debate sobre a questão agrária e o papel do Estado na economia. O primeiro desses temas ocupa um lugar central no pensamento de Rangel, que mostra ali toda a sua originalidade. Quando "Dualidade básica da economia brasileira" foi publicada, Alberto Guerreiro Ramos assim reagiu: "O Autor descobriu a lei básica da formação econômica do Brasil."


    Rangel extrai consequências importantes da nossa condição periférica. Para ele, a dinâmica histórica brasileira se distingue dos casos clássicos porque os processos sociais, econômicos e políticos não decorrem apenas da interação entre desenvolvimento das forças produtivas e relações de produção internas ao país, mas também da evolução das relações que este mantém com as economias centrais. As relações externas são determinantes do desenvolvimento das forças produtivas internas e, consequentemente, também das relações de produção internas. Essa dupla determinação produziria uma dualidade estrutural na economia e na sociedade brasileiras, cujos movimentos relacionam-se aos ciclos longos de Kondratiev. A publicação da Obra Reunida de Ignácio Rangel, em dois alentados volumes, nos enche de orgulho.


                  César Benjamin

Other books that might interest you

  • Gestão da educação - cover

    Gestão da educação

    Hélio Aparecido De Matos Filho

    • 0
    • 0
    • 0
    Em um momento como este que estamos atravessando, quando, na conjuntura de implantação da nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, coloca-se pela primeira vez a questão relativa aos sistemas municipais de ensino, resulta extremamente pertinente a questão proposta para discussão neste livro, tendo como escopo a cidade de Morrinhos-GO.
    Show book
  • Gás natural - aspectos jurídico-regulatórios acerca da comercialização de gás natural e do serviço de distribuição de gás canalizado - cover

    Gás natural - aspectos...

    Cid Tomanik Pompeu Filho

    • 0
    • 1
    • 0
    Antes de 1988, aos Estados competiam tratar dos assuntos relacionados com o gás canalizado (seja: gás natural, GLP, nafta, etc.), em seu território. Assim, os Estados executavam diretamente, através de empresas públicas, as atividades de comercialização - compra e venda da commodity †e de distribuição (serviço público) de gás canalizado.Com o advento da Constituição Federal de 1988, houve uma cisão na esfera do gás. Ao contrário do que ocorreu na energia elétrica, cuja competência ficou exclusiva da União, a competência da matéria gás foi dividida entre os Estados e a União.Os Estados ficaram com a responsabilidade de estabelecer regras para explorar diretamente, ou mediante concessão, os serviços locais de distribuição de gás canalizado e a União com a atividade de comercialização (compra e venda) de gás natural.Em 2009, foi sancionada a Lei do Gás Natural (Lei Federal nº 11.909/2009), que incumbiu a União a competência para legislar e fiscalizar as atividades relativas à comercialização de gás natural no território nacional.Em 2015, os Estados continuam atuando na comercialização do gás natural como se estivessem no período antecedente à Constituição Federal/ 1988, editando normas, fiscalizando, etc., invadindo, assim, a esfera de competência federal.Com este livro, procuro desmistificar alguns pré-conceitos jurídicos e regulatórios relacionados ao mercado do gás natural, sobretudo esclarecendo a diferença conceitual existente entre os regimes jurídicos do gás natural e do serviço de distribuição do gás canalizado.
    Show book
  • A fidelidade partidária no direito brasileiro e sua aplicação - cover

    A fidelidade partidária no...

    Vinicius Cordeiro

    • 0
    • 0
    • 0
    Se um político pode trocar de ideias entre a eleição e a posse, qual seria a garantia do eleitor de que seu voto não
    terá sido desperdiçado? Tal pergunta era bastante comum
    até pouco tempo atrás, quando o TSE editou a Resolução 22.610, que trata exatamente da perda de mandato do
    político eleito por um partido que migra para outro partido.
    Ao punir o político eleito que abandona o partido que o elegeu, o TSE buscou efetivar a relação entre as ideias
    defendidas na campanha e o comportamento adotado no desempenho do mandato.
    A presente obra busca facilitar o estudo do tema, apresentando as raízes históricas do instituto da fidelidade
    partidária e a maneira como tal tema é tratado em outros países, além de analisar as nuances da aplicação desta resolução da Corte Maior Eleitoral. A obra formula um ensaio crítico e provoca algumas reflexões sobre o tema, tal qual
    é aplicado no Direito positivo brasileiro.
    Para os militantes na seara eleitoral, a presente obra servirá como um manual de consulta rápida, algo a facilitar
    o estudo do tema na lide diária. Para os iniciantes, este livro serve para apresentar o instituto e permitir uma absorção mais fácil da regulamentação da possibilidade da perda de mandato por infidelidade partidária, ou melhor pela desfiliação imotivada.
    Show book
  • Open innovation e os direitos da propriedade intelectual - interseção ou dicotomia? a atuação dos instrumentos contratuais na promoção da inovação aberta - cover

    Open innovation e os direitos da...

    Raphaela Portilho

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro busca analisar os aspectos subjacentes à emergência do paradigma open innovation (ou inovação aberta). Como atualmente o conhecimento se mostra difundido entre inúmeras fontes, a ideia de uma estrutura totalmente vertical e autossuficiente de pesquisa e desenvolvimento, inerente aos modelos fulcrados no paradigma anterior (closed innovation ou inovação fechada), vem dando lugar à crença de que ideias valiosas podem surgir tanto internamente quanto externamente, da mesma maneira que as inovações resultantes das atividades empresariais podem chegar ao mercado por caminhos internos e externos. Essa abordagem atribui grande relevância ao intercâmbio de conhecimento e à perspectiva colaborativa, destacando como principal vantagem a diminuição dos custos com pesquisa e desenvolvimento. Dentre os vários pontos de distinção entre os referidos paradigmas encontra-se a função a ser desempenhada pela propriedade intelectual. Conforme este livro pretende demonstrar, as sociedades empresárias adotantes do modelo em comento abordam a questão da titularidade de direitos de propriedade intelectual como ponto crucial à consecução de práticas baseadas em inovação aberta, as quais se instrumentalizam a partir de contratos formais.
    Show book
  • Invenção da histeria - Charcot e a iconografia fotográfica da Salpêtrière - cover

    Invenção da histeria - Charcot e...

    Georges Didi-Huberman, Vera Ribeiro

    • 0
    • 0
    • 0
    Partindo do fascínio exercido pelas fotografias de pacientes histéricas que compõem a iconografia do asilo La Salpêtrière, publicada em Paris entre 1875 e 1880, Georges Didi-Huberman abre, neste que foi seu primeiro livro, as vias que serão exploradas ao longo de toda a sua obra.
    Os clichês do célebre hospital apresentam uma "visibilidade extrema" e quase escandalosa, permanecendo contudo indecifráveis. A dor e o gozo dessas pacientes são expostos em imagens por vezes atrozes e muitas vezes belas, enigmáticas, sedutoras. Sob esse foco, a histeria talvez seja uma arte.
    
    Trata-se da "besta negra" ? nas palavras de Freud ? dos médicos da segunda metade do século XIX. Em sintomas estranhos, mutáveis e fabulosos, como as convulsões e as acrobacias do chamado "grande ataque histérico", essas mulheres punham em cena seus corpos e desafiavam a moralidade vitoriana. O ato inaugural da psicanálise consistirá em lhes dar voz ? e ouvir suas fantasias e memórias (pois, como afirmava Freud, "elas sofrem de reminiscências"). Antes que alguém as ouvisse, porém, as histéricas apresentavam-se sobretudo como objeto do olhar ? especialmente para o grande médico Jean-Marie Charcot.
    
    Resgatando as manifestações histéricas da suspeita de simulação e engodo, Charcot empenha-se em descrevê-las cientificamente e realiza uma verdadeira invenção da histeria como espetáculo. A fotografia vem auxiliá-lo como suposta garantia da objetividade do olhar, mas as imagens das manifestações histéricas escancaram sua natureza teatral e expressiva. Em lugar do face a face inequívoco entre uma lente neutra e uma clara realidade, revela-se então uma relação de amor e de poder entre médicos e pacientes, gerando "evidências" que não são mais que pura aparência, simulacro. Com as espetaculares histéricas, o sujeito triunfa sobre a objetividade da máquina e denuncia a estrutura imaginária da própria realidade.
    
    A iconografia da Salpêtrière permite ao autor conceber a imagem como conflito análogo ao sintoma em psicanálise. Perscrutando as brechas que situam a imagem sob o signo da dessemelhança e da ruína e levando Freud a encontrar-se com Aby Warburg, o pensador francês revisita sob essa chave questões fundamentais da história da arte.
    
    Incontornável para os interessados em arte contemporânea, o livro traz também uma contribuição notável para a psicanálise ? especialmente na vigorosa crítica feita à noção de sublimação em uma conferência de 2011, acrescida como posfácio a esta edição.
    
    
    Tania Rivera
    Show book
  • Aprender Visio usando - cover

    Aprender Visio usando

    Ricardo Garay

    • 0
    • 0
    • 0
    Este audiolivro oferece em 13 capítulos de forma dinâmica e fácil de aprender a usar de forma profissional o Visio, programa de diagramas para Windows da Microsoft. Com ele você poderá gerar diagramas de diversos tipos, como organogramas, fluxogramas, modelagem de dados, diagramas de redes, plantas baixas, esquemas de projetos e muito mais. Acredite, sua criatividade será o limite.
    Show book