The perfect plan for booklovers!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Poesias Dispersas - cover

Poesias Dispersas

Guerra Junqueiro

Publisher: Projecto Adamastor

  • 2
  • 6
  • 0

Summary

A obra contém as seguintes composições: Manhã; O primeiro filho; Canção de batalha; Dístico; Grupo antigo; Ideal negativo; Ao luar; In pace - finis; Elegia; A lágrima; Adoração; O teu aniversário; F.; Carta a F.; Em viagem; Carta a Mimi; A minha filha; Vendo-a sorrir; Romaria; Natal; Divino Hugo; Mater; Evolução; A agonia do castanheiro; A Bismarck; A um herói redentor que vi em sonhos; Hino de algum dia; Confissões.

Other books that might interest you

  • As jóias da coroa - cover

    As jóias da coroa

    Raul Pompéia

    • 0
    • 0
    • 0
    "As Jóias da Coroa" é um livro bem divertido e empolgante escrito por Raul Pompéia que conta a história de Manuel Paiva, um malandro que tenta roubar as joias pertencentes ao Duque de Bragança. No início, parecia que tudo daria certo, até que seu plano vai por água abaixo.
    Raul d'Ávila Pompéia, nascido em Angra dos Reis em 1863, foi um escritor brasileiro e teve como principal obra "O Ateneu". Tinha inimizade com várias pessoas, inclusive o escritor Olavo Bilac, com o qual acabou marcando um duelo que não chegou a se realizar. Suicidou-se no dia de Natal, em 1895.
    Show book
  • Livro de Soror Saudade - cover

    Livro de Soror Saudade

    Florbela Espanca

    • 1
    • 2
    • 0
    Segundo livro de poesias da Florbela Espanca, publicado em 1923, com o qual marcou a questão do "beijo" em sua obra.
    Show book
  • Dispersão - cover

    Dispersão

    Mário de Sá-Carneiro

    • 1
    • 2
    • 0
    Esta obra é composta por doze poemas e a sua primeira edição foi revista quer pelo autor, Mário de Sá-Carneiro, quer pelo seu grande amigo, e também poeta, Fernando Pessoa.
    Show book
  • A Confissão de Lúcio - cover

    A Confissão de Lúcio

    Mário de Sá-Carneiro

    • 0
    • 5
    • 0
    Obra-prima de Mário de Sá-Carneiro, "A confissão de Lúcio" reúne as três obsessões dominantes na obra do autor português: o suicídio, o amor pervertido e a loucura. Publicada em 1914, a novela é um dos momentos mais altos da literatura em língua portuguesa
    Show book
  • Bom Senso E Bom Gosto - Carta Ao Excelentissimo Senhor Antonio Feliciano De Castilho - cover

    Bom Senso E Bom Gosto - Carta Ao...

    Antero De Quental

    • 0
    • 0
    • 0
    Constitui um dos documentos mais importantes da polémica literária que ficou conhecida como a Questão Coimbrã ou mesmo a Questão do Bom Senso e Bom Gosto, tendo surgido como resposta à carta-posfácio de António Feliciano de Castilho inserta no Poema da Mocidade, de Pinheiro Chagas, de outubro de 1865, na qual o autor de Cartas de Eco a Narciso aludia ironicamente às teorias filosóficas e poéticas expostas nos prefácios a Visão dos Tempos e Tempestades Sonoras (ambas de 1864), de Teófilo Braga, e na nota posfacial das Odes Modernas, de Antero de Quental (de julho de 1865). Sentindo-se visado, Antero de Quental responde em novembro com o panfleto Bom Senso e Bom Gosto. Carta ao Exmo. Sr. António Feliciano de Castilho, onde qualifica o juízo de Castilho como uma crítica "à independência irreverente de escritores que entendem fazer por si o seu caminho, sem pedirem licença aos mestres, mas consultando só o seu trabalho e a sua consciência", que cometem "essa falta de querer caminhar por si, de dizer e não de repetir, de inventar e não de copiar".
    Show book
  • Ao correr da pena - cover

    Ao correr da pena

    José de Alencar

    • 0
    • 0
    • 0
    Considerada a estreia literária de José de Alencar, Ao Correr da Pena é uma obra que reúne crônicas escritas pelo autor entre 1854 e 1855, publicadas semanalmente em folhetim no Jornal Correio Mercantil, do Rio de Janeiro. É com esses escritos, que, aos 25 anos de idade, Alencar começa a se tornar conhecido no círculo intelectual da época, já mostrando intimidade em permear entre o gênero literário e o estilo jornalístico. 
    Por meio das crônicas, é possível conhecer aspectos do cotidiano social, político, econômico e cultural da sociedade carioca do século 19, bem como entrar em contato com as primeiras ideias literárias do autor, que foi o maior expoente do Romantismo brasileiro de seu tempo. 
    É como romancista que José Martiniano de Alencar (1829-1877) é lembrado até os dias de hoje. No entanto, o autor também foi folhetinista, jornalista, dramaturgo, advogado e político, deixando entre a sua produção escrita, além de crônicas, peças de teatro, textos autobiográficos e críticas literárias.
    Show book