Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Algumas pessoas estão presas - cover

Algumas pessoas estão presas

Giancarlo Reis

Publisher: Jaguatirica

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Os vinte e sete contos de Giancarlo Reis circundam por uma epifania própria, a sensação de que, sim, a vida é esta, a vida é isso, estamos presos àquela cruel dimensão espaço-tempo e não teremos outra chance. Talvez o número 27 seja exatamente a conta dos anos de um jovem adulto, quando comumente percebe essa sensação atropelar seus sentidos. Pessoas simples, em empregos nada inspiradores, sem perspectiva de que algo possa mudar para melhor. A vida muda para melhor? 'Às vezes queria fazer como esse que acaba de passar na bicicleta, os braços cruzados, sem preocupação em cair enquanto pedala pela vida'. Vigias, atendentes, garçonetes, ex-formandos de uma faculdade de Turismo, motoristas de aplicativo, candidatos que passaram no concurso que não chamou. Gente que achou que poderia dar certo, que teve o incentivo dos pais e dos avós, o famoso 'agora vai'. Os contos de Giancarlo Reis arrancam sentimentos, sensações, percepções e resignações. A indignação já ficou para trás. Compreende-se, com a avó, que a vida pode ser apenas algo 'para deliciar-se com o trabalho, com a luta e o amor'. A compreensão de que 'nascemos para isso e nada mais'.

Other books that might interest you

  • As Noites de Hong Kong são feitas de neon - cover

    As Noites de Hong Kong são...

    Caio Yurgel

    • 0
    • 0
    • 0
    A baía de Hong Kong, a fronteira do Brasil com a Argentina, Polónia, a Casa do Sol: contos que ziguezagueiam entre o lá e o aqui, cerzindo passado e presente, os temores e o desejo. Os contos e ensaios do autor Caio Yurgel, um brasileiro atualmente a morar na China, já foram publicados em três idiomas, receberam prémios no Brasil e foram indicados a outros na Alemanha e em Portugal. O livro 'As noites de Hong Kong são feitas de neon', o seu segundo trabalho de ficção, foi selecionado como finalista pelo Prémio Autor 2018.
    Show book
  • Fragmentos Heterotanatográficos - cover

    Fragmentos Heterotanatográficos

    Juliano Garcia Pessanha

    • 0
    • 0
    • 0
    A obra de Juliano Garcia Pessanha tem como marca o hibridismo de formas. Composta por diferentes gêneros, como aforismo, poesia em prosa, conto, ensaio filosófico, auto e heterotanatografia, tece estreito diálogo com a literatura, a filosofia e a psicanálise. Assim, o que poderia ser classificado como escrita de si é ao mesmo tempo um ensaio sobre Nietzsche e a atualidade. Ou um ensaio sobre Kafka é ao mesmo tempo uma autobiografia. Esse procedimento se baseia na ideia de emprestar sua própria ferida e marca para ler os autores a partir de comunhões de posição. Não se trata, portanto, de uma intertextualidade pós-moderna e livresca, mas visceral, que autoriza a incorporação de vários eus.Este audiolivro traz os seguintes textos, lidos pelo próprio autor: “Ensaio de filosofia fisionômica: Nitzsche e o estranhamento do mundo”;  “Esse-menino-aí”, retirado do livro Certeza do agora; e “A exclusão transfigurada”, retirado do livro Instabilidade perpétua.Juliano Garcia Pessanha nasceu em São Paulo em 1962, estudou direito e filosofia e é mestre em psicologia e doutorando em filosofia pela USP.
    Show book
  • Mínimo do mímo - *mais outros contos de nariz sutil - cover

    Mínimo do mímo - *mais outros...

    Rosa Amanda Strausz

    • 0
    • 0
    • 0
    Seleção de contos originais do livro Mínimo Múltiplo Comum (Prêmio Jabuti 1991 na categoria) somados a textos que estavam dispersos em blogs e antologias, sempre com o humor afiado e absurdo que caracterizam a obra da autora.
    Show book
  • A dança das letras - cover

    A dança das letras

    Ruth Lifschits

    • 0
    • 0
    • 0
    'O cotidiano das pessoas é tão imprevisível e surpreendente que não há quem nunca tenha pensado em colocar no papel suas vivências. Neste seu livro de contos, Ruth Lifschits mostra-se mestra na arte de registrar acontecimentos e sentimentos, oferecendo aos seus leitores a chance de se identificar e compreender melhor a essência do ser humano. ''Sua memória é tão vívida e nítida que tudo parece que aconteceu ontem. São particularmente sensíveis e atentos ao detalhe os contos que envolvem perda como ''A Demora'', em que descreve sua amizade com um tipo caladão, Seu Zezinho. Ou a perda de ''Helena'', aquela empregada que já faz parte da família'', diz o dramaturgo Flávio Marinho na apresentação da obra.Com humor, simplicidade e sutileza, a autora não foge dos seus períodos de dor, mesclando-os com lembranças amenas, numa dança de sentimentos. Na orelha do livro, a doutora em literatura, Bia Albernaz, destaca o humor e a simplicidade da narrativa de Ruth, com quem conviveu em cursos na Estação das Letras: ''Antes de ser publicado, este livro foi vivido'', diz Beatriz. '
    Show book
  • Morri por educação - Dezessete contos desgraçados - cover

    Morri por educação - Dezessete...

    Nathalie Lourenço

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro que o leitor agora tem em mãos e começa a folhear é também sobre a tragicomédia da vida. Situações indizíveis, pensamentos peculiares, algo de intensamente triste, algo de intensamente lírico. Há um realismo chão e há, irmanada, uma possibilidade quase mística de encanto pelo outro. O trejeito. O desalinho. Encontra-se aqui a lágrima pretendida e um fundo de dor em cada gargalhada. E como há gargalhadas. E como há lágrimas. Nathalie Lourenço traz tudo isso à tona. Seus personagens estão sempre a nos lembrar o tanto que temos de um pouco ridículos. E de um pouco bonitos.Apesar de ser um livro de estreia, Morri por educação já nos apresenta uma escritora experiente, segura do que as suas histórias têm para contar e hábil para nos conduzir pela leitura. Provável fruto de uma longa trajetória escrevendo crônicas, poemas e contos, publicados em revistas literárias, antologias, sites e blogs variados. É emblemático em seu texto, assim como nesse livro, o dom que Nathalie tem para extrair intensidade da minúcia. Um mobiliário inusitadamente decorado, um vestuário mal-ajambrado, algum hábito ou vício, uma indisfarçada reação inconsciente, um apelido, ou mesmo um pequeno animal de estimação. Estes, e tantos outros, podem parecer meros detalhes, mas o leitor atento perceberá que aqui eles ganham uma vida nova, ajudam-nos a ler o mundo, e se tornam verdadeiros personagens coadjuvantes de cada um destes dezessete contos desconcertantes.A grande força, a estupenda e inconfundível beleza dos contos de Nathalie Lourenço está, portanto, nessa oferta inseparável de tristeza e riso, dor e alegria, choro e prazer. Finalista da Maratona Literária, Morri por educação já estreia premiado, quem sai recompensado é o leitor.Leandro Jardim
    Show book
  • O Relógio do Comandante - cover

    O Relógio do Comandante

    José Ribamar Garcia

    • 0
    • 0
    • 0
    “O Relógio do Comandante” e suas outras histórias dispensam maiores apresentações porque sua forma induz de pronto a uma agradável intimidade, descortinando o verbo e partindo para o que realmente importa, ao revelar as imperfeições da vida como ela é.Cada crônica é um convite à descoberta de novas linguagens, tanto na forma de contar como através da viagem que nos leva a encontrar personagens de carne e osso, repletos de sentimentos e certa dose de maledicência, algo que pode estar inevitavelmente no DNA de todos, inclusive no surpreendente DNA dos seres ficcionais.
    Show book