Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Invenção da histeria - Charcot e a iconografia fotográfica da Salpêtrière - cover

Invenção da histeria - Charcot e a iconografia fotográfica da Salpêtrière

Georges Didi-Huberman, Vera Ribeiro

Publisher: Contraponto Editora

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Partindo do fascínio exercido pelas fotografias de pacientes histéricas que compõem a iconografia do asilo La Salpêtrière, publicada em Paris entre 1875 e 1880, Georges Didi-Huberman abre, neste que foi seu primeiro livro, as vias que serão exploradas ao longo de toda a sua obra.
Os clichês do célebre hospital apresentam uma "visibilidade extrema" e quase escandalosa, permanecendo contudo indecifráveis. A dor e o gozo dessas pacientes são expostos em imagens por vezes atrozes e muitas vezes belas, enigmáticas, sedutoras. Sob esse foco, a histeria talvez seja uma arte.

Trata-se da "besta negra" ? nas palavras de Freud ? dos médicos da segunda metade do século XIX. Em sintomas estranhos, mutáveis e fabulosos, como as convulsões e as acrobacias do chamado "grande ataque histérico", essas mulheres punham em cena seus corpos e desafiavam a moralidade vitoriana. O ato inaugural da psicanálise consistirá em lhes dar voz ? e ouvir suas fantasias e memórias (pois, como afirmava Freud, "elas sofrem de reminiscências"). Antes que alguém as ouvisse, porém, as histéricas apresentavam-se sobretudo como objeto do olhar ? especialmente para o grande médico Jean-Marie Charcot.

Resgatando as manifestações histéricas da suspeita de simulação e engodo, Charcot empenha-se em descrevê-las cientificamente e realiza uma verdadeira invenção da histeria como espetáculo. A fotografia vem auxiliá-lo como suposta garantia da objetividade do olhar, mas as imagens das manifestações histéricas escancaram sua natureza teatral e expressiva. Em lugar do face a face inequívoco entre uma lente neutra e uma clara realidade, revela-se então uma relação de amor e de poder entre médicos e pacientes, gerando "evidências" que não são mais que pura aparência, simulacro. Com as espetaculares histéricas, o sujeito triunfa sobre a objetividade da máquina e denuncia a estrutura imaginária da própria realidade.

A iconografia da Salpêtrière permite ao autor conceber a imagem como conflito análogo ao sintoma em psicanálise. Perscrutando as brechas que situam a imagem sob o signo da dessemelhança e da ruína e levando Freud a encontrar-se com Aby Warburg, o pensador francês revisita sob essa chave questões fundamentais da história da arte.

Incontornável para os interessados em arte contemporânea, o livro traz também uma contribuição notável para a psicanálise ? especialmente na vigorosa crítica feita à noção de sublimação em uma conferência de 2011, acrescida como posfácio a esta edição.


Tania Rivera

Other books that might interest you

  • Como controlar o avanço do mar - cover

    Como controlar o avanço do mar

    Marco Lyra

    • 0
    • 0
    • 0
    Os acontecimentos climáticos nas zonas costeiras nos últimos anos são um sinal de alerta de que é preciso ação para aumentar nossa capacidade de resiliência nas praias urbanizadas. A resiliência é baseada em dois aspectos fundamentais: a continuidade e a recuperação de um sistema frente a uma mudança.
    É visível a urgência em se adotar medidas mitigadoras para controle do avanço do mar, com ações urgentes para garantir mecanismos melhores para toda comunidade litorânea, cujo objetivo seja adaptação à mudança radical das circunstâncias no ambiente costeiro.
    Para determinar eventuais soluções para o problema do avanço do mar, são necessárias três perguntas para fazer essa determinação: Existe uma solução técnica adequada? A solução é técnica e economicamente viável? Qual o impacto no meio ambiente?
    Responder a essas perguntas é o objetivo do livro.
    Show book
  • Destorcer o Brasil - De sua cultura debarroquistas - cover

    Destorcer o Brasil - De sua...

    Jorge Maranhão

    • 0
    • 0
    • 0
    A torção do olhar barroco expressa nas artes plásticas desde os idos do século XVI europeu, como as retorções em nossas artes barrocas e nas figuras retóricas de nossas letras são comoventes. Como deve ser também a compaixão pelas contorções da dor psíquica e física pelo infortúnio da vicissitude humana, particularmente em nossas terras. Todavia, as distorções entre o ver e o crer, o pensar e o agir, entre o código moral e a conduta social, entre a lei e observância da lei na vida em sociedade, sobretudo no cumprimento dos deveres cívicos e políticos entre governantes e governados, me parece uma transposição cultural desastrosa do barroco para os campos da política, da justiça, da moral e dos costumes, e que chamo de nosso resiliente barroquismo. E, se bem entendida, se abre como uma oportunidade única e objetiva de mudança para um país minimamente civilizado e razoável. A oportunidade de destorcer o Brasil como nos desfazer de suas torções, retorções, contorções e distorções. Este bom entendimento de um novo imaginário social para o país, por parte de verdadeiras elites, da alta cultura, e, sobretudo dos produtores de conteúdo da mídia, pode ser uma oportunidade de ouro para a superação de nossa barroquista encruzilhada civilizatória. Prefácio de Mario Guerreiro.
    Show book
  • A fúria de papéis espalhados - cover

    A fúria de papéis espalhados

    Darlan Zurc

    • 0
    • 0
    • 0
    O livro A fúria de papéis espalhados é uma coletânea de textos de não ficção (da área de Ciências Humanas e Filosofia) produzidos entre o final da década de 1990 e o ano 2004, quando Darlan Zurc atuava como crítico e era bastante influenciado pelo estilo ácido e enciclopédico do jornalista Paulo Francis (1930-1997), além de outros autores. A influência continua, mas ele deixou em segundo plano esse combate intelectual atroz. Os temas escolhidos na ocasião foram tratados com desembaraço e veemência — a exemplo dos artigos “Paulo Coelho vende mais porque é fresquinho” e “Três excrementos” —, mantendo o vigor ainda hoje. Parte do material saiu na mídia impressa. Outra parte foi produzida para a Internet. O restante circulou como panfleto no meio universitário ou é inédito. Se até o apóstolo São João (séc. I d.C.) não esteve imune à fúria — nos escritos apocalípticos da Bíblia —, nenhum pobre mortal conseguirá ser mais do que ele. Zurc muito menos.
    
    Darlan Zurc é formado em História e ex-bolsista de iniciação científica pela Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), Bahia, com trabalho citado em mestrado de pesquisadora, autor de crônicas, poesias, histórias em quadrinhos e contos em várias antologias, colaborador das obras Filosofia grega antiga e Feira de Santana e Ruy Barbosa (ambas do professor Raimundo Gama) e ex-articulista freelancer da Folha do Estado da Bahia, do Jornal Noite
    Dia e da Tribuna Feirense (todos também do município de Feira) e dos sites Agência Clesio.Net e Usina de Letras. Foi editor assistente do jornal acadêmico Ideação Magazine — do Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Filosofia (NEF), da Uefs — e é colunista cultural do programa online Paiaiá na Conectados, apresentado por Carlos Sílvio na Rádio Conectados, em São Paulo (SP).
    Show book
  • Marcinho VP: Verdades e Posições - O Direito Penal do Inimigo - cover

    Marcinho VP: Verdades e Posições...

    Marcio Santos Nepomuceno, Renato...

    • 0
    • 1
    • 0
    “O Direito Penal do Inimigo. Verdades e Posições” reescreve parte da crônica policial carioca, restabelece verdades e se revela um libelo contra a discriminação e o preconceito. Marcio Nepomuceno esquadrinha o seu dia a dia no cárcere, aborda a falência da execução penal no Brasil e revisita episódios marcantes que a opinião pública só conhece pela narrativa oficial. A obra revela-se um desabafo feito por alguém que se encontra encarcerado há 21 anos, e que rejeita a condição de inimigo do estado. O livro suscita o debate a respeito de qual é a finalidade da restrição da liberdade daqueles que cometem crimes. Punir ou reeducar? A ação penal, prerrogativa do Estado, cumpre o seu papel de agente reeducador? A política penitenciária praticada nos presídios brasileiros contribui para que o apenado possa evoluir como ser humano ou fracassa de forma retumbante, tornando-o um ser ainda mais revoltado ao final da sua pena?
    Show book
  • Fábulas volume 2 - cover

    Fábulas volume 2

    Aesop Aesop

    • 0
    • 0
    • 0
    Esopo é um lendário autor grego, que teria vivido na Antigüidade, ao qual se atribui a paternidade da fábula como gênero literário.As Fábulas de Esopo serviram como base para recriações de outros escritores ao longo dos séculos, como Fedro e La Fontaine.Fabulista grego do século VI a.C.. O local de seu nascimento é incerto — Trácia, Frígia, Etiópia, Samos, e Sardes todas clamam a honra. Eventualmente morreu em Delfos. Na verdade, todos os dados referentes a Esopo são discutíveis e trata-se mais de um personagem lendário do que histórico.A única certeza é que as fábulas a ele atribuídas foram reunidas pela primeira vez por Demétrio de Falero, em 325 a.C.. 
     
    Esopo teria sido um escravo, que foi libertado pelo seu dono, que ficou encantado com suas fábulas. Ao que tudo indica, viajou pelo mundo antigo e conheceu o Egito, a Babilónia e o Oriente. Concretamente, não há indícios seguros de que tenha escrito qualquer coisa. 
     
    Entretanto, foi-lhe atribuído um conjunto de pequenas histórias, de carácter moral e alegórico, cujos papéis principais eram desenvolvidos por animais. Na Atenas do século V a.C., essas fábulas eram conhecidas e apreciadas. 
     
    As fábulas que lhe são atribuídas sugerem normas de conduta que são exemplificadas pela ação dos animais (mas também de homens, deuses e mesmo coisas inanimadas). Esopo partia da cultura popular para compor seus escritos. Os seus animais falam, cometem erros, são sábios ou tolos, maus ou bons, exatamente como os homens. A intenção de Esopo, em suas fábulas, era mostrar como os seres humanos podiam agir, para bem ou para mal.Assim como Homero, as fábulas de Esopo faziam parte da tradição oral dos gregos, por isso não foram escritas pelo seu suposto autor. Mais de duzentos anos depois da suposta morte de Esopo é que as fábulas foram reunidas e escritas. 
     
    (Adaptado da wikipedia por Vicente)
    Show book
  • O Trabalho escolar e a matriz curricular por descritores - Desafios e possibilidades - cover

    O Trabalho escolar e a matriz...

    Rede Clarissas

    • 0
    • 0
    • 0
    O trabalho escolar e a matriz curricular por descritores', concebido pela Rede Clarissas Franciscanas e organizado por Ilton de Oliveira Chaves Jr., é um livro que apresenta as experiências dos professores do Colégio Franciscano Sagrada Família e expõe relatos acerca das possibilidades de repensar uma prática educativa que realmente faça diferença no processo de aprendizagem dos alunos.
    Show book