Subscribe and enjoy more than 1 million books
Add this book to bookshelf
Grey 902feb64d8b6d481ab8ddda06fbebbba4c95dfa9b7936a7beeb197266cd8b846
Write a new comment Default profile 50px
Grey 902feb64d8b6d481ab8ddda06fbebbba4c95dfa9b7936a7beeb197266cd8b846
Read online the first chapters of this book!
All characters reduced 7236434c7af12f85357591f712aa5cce47c3d377e8addfc98f989c55a4ef4ca5
Meu irmão, meu amigo - cover

Meu irmão, meu amigo

Francisco Paiva De Carvalho

Publisher: Selo Off Flip

  • 0
  • 1
  • 0

Summary

Dois irmãos. Dois grandes amigos. José Maria e Joaquim têm uma ligação muito forte de amor, admiração e cuidado um com o outro. Dois irmãos inseparáveis, que não deixariam de estar lado a lado nem mesmo se o acaso ou o destino tentassem impor o seu afastamento. Uma semana antes das férias escolares de julho, devido a um trágico acidente, eles são obrigados a se separar para sempre. Mas José Maria acaba criando uma estratégia e, assim, consegue preservar o irmão do sofrimento incontido que parecia inevitável. Uma história comovente, de amor e lealdade, que vai emocionar os leitores que acompanharem as aventuras desses dois meninos irmãos.

Other books that might interest you

  • A PROVA CIVIL - Parte Geral – O Conceito Jurídico da Prova - cover

    A PROVA CIVIL - Parte Geral – O...

    Francesco Carnelutti

    • 0
    • 0
    • 0
    Quando Carnelutti, na idade de trinta e seis anos, publicou em 1915 (ano de sua ascensão à cátedra processualística paduana) a Prova civil, tinha nas costas uma breve experiência como civilista, iniciada em 1903 com os estudos em matéria de infortúnios no trabalho (depois recolhidos nos dois volumes de 1913 e 1914) e continuada, a partir de 1909, com estudos de direito do trabalho e de direito comercial e industrial, que lhe valeram o encargo à Bocconi antes e a cátedra de Catania depois. Podemos pedir, a nós mesmos, portanto, por quais vias Carnelutti tenha atracado num estudo rigorosamente processualístico da prova civil, um tema por ele tocado de leve somente em algumas notas de jurisprudência sobre a forma escrita dos contratos (Riv. dir. comm., 1909, II, 580; 1911, II, 616) e sobre o ônus da prova da novidade da marca (aí, 1914, II, 439). A resposta a dá o próprio Carnelutti no prefácio da primeira edição da Prova civil, onde indica como “um aspecto saliente do progresso da teoria geral do direito o trabalhoso processo de desintegração do fenômeno jurídico substancial das formas de sua realização judiciária”. Enquanto tal evolução – ele afirma – está muito avançada “sobre o ponto da distinção entre ação e direito subjetivo”, diversamente estão as coisas “sobre a linha que separa a existência do direito da sua prova”, e os confirmam institutos como aquele “do ônus da prova ou o outro da forma documental do negócio, cuja teoria apresenta ainda um amálgama tão compacto de elementos substanciais e de elementos processuais que se deve reconhecer que aqui a respectiva autonomia das duas ordens jurídicas não é ainda madura”.
    Show book
  • Entre o corpo e a consciência: ensaios de interpretação da metapsicologia freudiana - cover

    Entre o corpo e a consciência:...

    Fátima Caropreso, Richard...

    • 0
    • 0
    • 0
    Os ensaios reunidos neste livro abordam aspectos particulares e questões específicas da metapsicologia freudiana. Esses aspectos dizem respeito, sobretudo, aos principais problemas com os quais ela se defronta: a natureza do mental; sua relação com os processos cerebrais; a justificativa da hipótese do inconsciente; as questões envolvidas na elaboração de uma teoria da consciência e de suas relações com a mente inconsciente; o problema mais amplo das relações entre a mente e o corpo, onde entra em cena a dimensão pulsional do psiquismo.
    Show book
  • Tendências Gerais da Filosofia na Segunda Metade do Século XIX - cover

    Tendências Gerais da Filosofia...

    Antero De Quental

    • 0
    • 0
    • 0
    Ensaio filosófico onde Antero de Quental aprecia a orientação das correntes de pensamento suas contemporâneas, como o hegelianismo e o positivismo, as quais, de um modo geral, à antiga conceção da realidade como emanação de um ser absoluto opõem a noção de uma realidade 'in fieri', um ser em potência, que se vai organizando numa evolução progressiva, comum à história do Homem e à história do pensamento. Antero contesta essas doutrinas, porquanto ignoram o papel da consciência individual, da força do espírito: "Uma ideia instintiva lateja surdamente, como uma pulsação de vida, nesse universo que a ciência mede e pesa, mas não explica: é a aspiração profunda de liberdade, que abala as molas estelares como agita cada uma das suas moléculas, que anima o protoplasma indeciso como dirige a vontade dos seres conscientes. É esse fim soberano, realizado em esferas cada vez mais largas, que torna efetiva a evolução das coisas."
    Show book
  • Para uma antropologia do Sertão: Ecologia e Sociologia do cotidiano - cover

    Para uma antropologia do Sertão:...

    Veronique Bulteau

    • 0
    • 0
    • 0
    Este estudo é sobre o Sertão que cobre a maior parte do Nordeste brasileiro. Ele parte de uma interação entre um corpus jornalístico e literário referente ao Sertão e a constatação com a realidade. Essa constatação se deu por uma observação pessoal e direta. Nos anos de 1983-1985, em virtude de uma seca particularmente intensa, a mídia reportava este terrível flagelo com a vida de sofrimento e de miséria ocasionada por este fato. Durante uma viagem ao Nordeste brasileiro, em 1987, tive a oportunidade inesperada de morar no Sertão, em Santa Quitéria, cidade do estado do Ceará. E, então, pude constatar diferenças entre a realidade observada e os fatos relatados pela imprensa ou pela literatura na descrição das difíceis condições de vida no conjunto do Sertão.
    Show book
  • A China Não Existe - Observação Comparativa da Realidade Moderna na China e o Panorama Económico Social e Político em Portugal - cover

    A China Não Existe - Observação...

    Daniel Marques

    • 0
    • 0
    • 0
    Enquanto o mundo continua a evoluir em direções imprevisíveis, mas a economia Portuguesa mantém-se previsivelmente em declínio permanente, como aliás tem sido há séculos desde a sua queda do primeiro lugar mundial, exista uma busca por explicações, soluções e respostas que se mostram aparentemente inexistentes.
     
    Uma análise ao passado revelaria inúmeras causas para a queda duma nação, mas tal estudo mostra-se tão ou mais relevante quanto a observação de novas nações emergentes.
     
    Perante este cenário, a China apresenta-se agora como um exemplo de boa economia e sociedade para os Portugueses, embora até mesmo nesta atitude se encontrem atrás de muitos outros, os quais já ultrapassaram esta fase e começam a olhar para uma nova possibilidade num futuro pós-China.
     
    Os investimentos Portugueses a oriente têm vindo a aumentar, da mesma forma que antes as trocas comerciais se estabeleceram em Países da Lusofonia, como o Brasil, Angola e Moçambique. Mas, será mesmo que a realidade Chinesa é assim tão promissora?
     
    Muitos estudos realizados na China têm esquecido detalhes extremamente importantes e que ditam o cenário real deste país. É com base nesta verdade oculta que este livro pretende retratar o que realmente se está  a passar neste novo número um mundial.
     
    Embora comparando duas realidades destintas, de dois países também eles de dimensões muito diferentes, existe aqui um estudo mais profundo, como é o caso que dois grandes impérios podem permitir compreender.
     
    Da queda do mais longo império mundial, como é o caso de Portugal, à emergência dum novo império ressurgido das cinzas e da pobreza, tal a situação da China, muito há para comparar a fim de se conseguir melhores previsões sobre mercados e economias no plano mundial.
     
    Assim sendo, este livro mostra-se muitíssimo relevante e necessário para empresários e políticos de qualquer país, em busca de estabelecer trocas comerciais e investimentos com a China, mas também para quem queira viver e trabalhar neste país.
     
    Esta obra não esconde muitas das mais perversas situações desta moderna nação e o modo de pensamento Chinês face ao ocidente, para evidenciar o que os Chineses realmente planeiam para o planeta inteiro. É uma oportunidade para conhecer este país profundamente e o que ele representa para o futuro da humanidade.
     
    Esta obra tem por base um estudo com mais de 6 anos, realizado em várias cidades de norte a sul, e composto por entrevistas com inúmeros cidadãos de ambos os países. Mas, apresenta ainda comparações relativamente a outros países Europeus e Asiáticos, principalmente, na área dos negócios.
    
     
    Esta obra revela a verdade escondida pelos media e filmes fantasiosos sobre o oriente, muito além das lendas, filosofias e histórias Chinesas, as quais representam um imagem falsa da China, a qual hoje existe escondida por detrás da sombra do passado.
    Show book
  • A Legitimidade das Ciências da Educação: A Investigação Científica e o Pensamento Humanitário nas Mudanças Educativas e Sociais - cover

    A Legitimidade das Ciências da...

    Neil Mars

    • 0
    • 0
    • 0
    "Não podemos compreender-nos fora da História. Não podemos conceber o historiador acima da história, pois o historiador é ele mesmo historizado" (Edgar Morin). Qualquer analise realizada ao significado da educação, obriga-nos a uma analise pessoa em simultâneo, nomeadamente, no que respeita aos nossos valores e objectivos, enquanto indivíduos e cidadãos. E actualmente, muito mais que antes, a ideia de uma pluralidade dos encaminhamentos históricos tem que estar associada ao pluralismo das culturas. A humanidade tem que evoluir como um conjunto unido. 
    Este tipo de análise torna o confronto de diferentes perspectivas sociais inevitável, e é na educação que um acordo se torna possível. 
    Para Durkheim, "educação é a acção exercida pelas gerações adultas sobre as que ainda não estão maduras para a vida social, tendo, por objectivo, suscitar na criança um determinado número de estados físicos, intelectuais e morais que a sociedade política, no seu conjunto, e o meio social , ao qual está particularmente destinada, reclamam." Já a Liga Internacional da Educação Nova considera a "educação como um conjunto de metodologias que visa favorecer o desenvolvimento tão completo quanto possível das aptidões de cada pessoa, simultaneamente como indivíduo e como membro de uma sociedade regida pela solidariedade. Para este movimento, a educação é inseparável da evolução social, constituindo uma das forças que a determinam." 
    Por volta dos anos sessenta, parece poder estabelecer-se uma distinção do seguinte tipo: enquanto que a educação se prende com o campo da acção, a pedagogia encontra-se completamente voltada para o campo da reflexão. É, no entanto, inviável a sua completa separação, uma vez que a acção e o pensamento constituem duas faces de um mesmo processo. Esta última conclusão conduz a uma expressão aglutinadora dos dois conceitos que começa a espalhar-se: Ciências da Educação. 
    Nos últimos decénios, a noção de educação alargou-se, estabelecendo relações com as disciplinas científicas tradicionais. Tudo isto levará ao problema da autonomia das Ciências da Educação. As ciências da Educação têm sido nas últimas décadas alvo de muito investimento e investigação mas também de muitas críticas e contestação.  
    Nunca iremos perceber o lugar das Ciências da Educação enquanto insistirmos em comparações com outras áreas do conhecimento que a constroem mas não a definem, e na qual a mesma se baseia sendo ao mesmo tempo original e única. Tudo respeita á diferença de perspectivas e ao carácter único desta área científica, que se mostra pertinente num mundo complexo e multifacetado, carente de uma linearidade condutora integrativa de várias aprendizagens cientificas contraditórias. Tudo parte de uma concepção de humanidade segundo critérios históricos irreversíveis para se chegar a uma sociedade que carece de critérios explícitos e claros que se tornem um espelho do próprio progresso. 
    Esta obra propõe uma reflexão sobre o significado das Ciências da Educação nos tempos actuais.
    Show book