Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Charneca em Flor - cover

Charneca em Flor

Florbela Espanca

Publisher: Vermelho Marinho

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Obra-prima da portuguesa Florbela Espanca, publicada um ano após a sua morte, tem como principal tema o amor, reflexo de sua vida tumultuada, com muitos amores e separações. Uma vida atormentada, que a levou ao suicídio no dia em que completou 36 anos. Sua obra influenciou muitos outros autores e a coloca entre as grandes poetisas do século XX.

Other books that might interest you

  • Verso e reverso - cover

    Verso e reverso

    José de Alencar

    • 0
    • 0
    • 0
    Encenada pela primeira vez, em 1857, no Teatro do Ginásio Dramático, O Rio de Janeiro - Verso e Reverso marca a estreia de José de Alencar como autor de peças teatrais, revelando um lado menos conhecido do expoente representante do Romantismo do século 19. 
    Trata-se uma comédia em dois atos, que mostra o olhar analítico e crítico de um jovem estudante paulista, Ernesto, sobre a então capital imperial brasileira, Rio de Janeiro, local escolhido por ele para passar férias.
    É como romancista que José Martiniano de Alencar (1829-1877) é lembrado até os dias de hoje. No entanto, o autor também foi dramaturgo, folhetinista, jornalista, advogado e político, deixando entre a sua produção escrita, além de romances, crônicas, textos autobiográficos e críticas literárias. O Demônio Familiar, O Crédito e As Asas de um Anjo são outras peças também escritas pelo autor.
    Show book
  • Salada no liquidificador - cover

    Salada no liquidificador

    Daniel Faconti

    • 0
    • 1
    • 0
    Este livro não segue uma linha, linguagem ou critério; é uma mistura de músicas, letras, contos, cartas, história; por isso o nome: Salada no liquidificador.
    Show book
  • A Escrava Isaura - cover

    A Escrava Isaura

    Bernardo Guimarães

    • 0
    • 0
    • 0
    Um dos maiores clássicos da literatura brasileira, reconhecido mundialmente pela novela realizada um século depois, este romance de 1875 narra a história da mulata clara Isaura, moça boa e inocente, admirada por todos e invejada pelas concorrentes. Fruto do desejo de Leôncio, herdeiro da fazenda onde vive, Isaura perde todas as esperanças de ser libertada, como a mãe de Leôncio havia prometido.  Mesmo sofrendo a pressão de sua mulher Malvina, Leôncio faz de tudo para não libertar Isaura, inclusive rejeitando os dez contos de réis que Miguel, pai de Isaura, havia conseguido juntar  com dificuldade para comprar a liberdade da filha. Mas este preço foi definido pelo pai de Leôncio, que não cumpriu a promessa quando do falecimento de seu pai. Sucesso de público e de crítica, esta história de amor, desejo e sofrimento é fundamental dentro da história da literatura brasileira do século XIX.
    Show book
  • A Menininha que Queria Ver o Sol - cover

    A Menininha que Queria Ver o Sol

    Kleber Mazziero

    • 0
    • 0
    • 0
    Uma menina cega habita um quarto com 6 amigos: 3 bichinhos de pelúcia, uma boneca, uma televisão e um livro. A chegada de um abajur provoca um mal-estar indisfarçável: o que faria um abajur no quarto de uma menina cega?Laurinha tem um único desejo: ver o Sol. O antipático abajur zomba do desejo da menina. Como poderia uma cega querer ver o Sol?A certa altura, o malvado abajur, aproveita-se do fato de a menina não enxergar e prepara uma cilada: faz com que ela caia e se machuque. Os habitantes do quarto ameaçam agredir o abajur, que é salvo pela intervenção de Laurinha. Definitivamente convencido da grandeza da menina, ele resolve ajudá-la e traz a solução para que se realize o desejo dela. “A Menininha que Queria Ver o Sol” nos ensina a respeitar as deficiências e as diferenças, nos ensina a amar aqueles que consideramos diferentes, nos ensina que somente as ações feitas em com um têm a possibilidade de dar certo. Nos ensina, por fim, que nada é impossível.
    Show book
  • Bom Senso E Bom Gosto - Carta Ao Excelentissimo Senhor Antonio Feliciano De Castilho - cover

    Bom Senso E Bom Gosto - Carta Ao...

    Antero De Quental

    • 0
    • 0
    • 0
    Constitui um dos documentos mais importantes da polémica literária que ficou conhecida como a Questão Coimbrã ou mesmo a Questão do Bom Senso e Bom Gosto, tendo surgido como resposta à carta-posfácio de António Feliciano de Castilho inserta no Poema da Mocidade, de Pinheiro Chagas, de outubro de 1865, na qual o autor de Cartas de Eco a Narciso aludia ironicamente às teorias filosóficas e poéticas expostas nos prefácios a Visão dos Tempos e Tempestades Sonoras (ambas de 1864), de Teófilo Braga, e na nota posfacial das Odes Modernas, de Antero de Quental (de julho de 1865). Sentindo-se visado, Antero de Quental responde em novembro com o panfleto Bom Senso e Bom Gosto. Carta ao Exmo. Sr. António Feliciano de Castilho, onde qualifica o juízo de Castilho como uma crítica "à independência irreverente de escritores que entendem fazer por si o seu caminho, sem pedirem licença aos mestres, mas consultando só o seu trabalho e a sua consciência", que cometem "essa falta de querer caminhar por si, de dizer e não de repetir, de inventar e não de copiar".
    Show book
  • Lisboa no Ano Três Mil - cover

    Lisboa no Ano Três Mil

    Cândido de Figueiredo

    • 1
    • 5
    • 0
    Ocorreu-me uma grande e legítima ambição: viver no futuro; guindar-me ao vértice das civilizações vindoiras, e estirar a vista por todo o passado, abrangendo num lance de olhos todas as sociedades extintas e todo o quadro ingente dos progressos humanos. Devia ser um momento assombroso. Mas este plano, segundo o que me observou o doutor, era de execução dificílima. Para ler toda a história do futuro, seria mister um sono hipnótico de muitos meses ou de muitos anos, e à dificuldade acresceria o perigo. Tive que modificar a minha ambição: — Visto que em poucas horas não é possível fazer a revista dos séculos, como se faz a revista do ano para os teatros de terceira ordem, desejo, senhor conde, que por duas ou três horas a sugestão me transporte ao ano Três Mil, e que me coloque no ponto mais civilizado do mundo de então, podendo eu saber se ainda haverá memória do meu país e o que dele se pensa. — Far-se-á o que deseja, — rematou o hipnotizador. — E, sem pronunciar uma palavra mais, sentou-se defronte de mim, tocando nos meus joelhos com os dele. Abriu as mãos e espalmou-mas nas regiões temporais, obrigando-me a fixar os olhos no seu olhar, vivo, penetrante e ao mesmo tempo imóvel. Senti percorrer-me o corpo uma languidez estranha, e adormeci profundamente.
    Show book