Don't put off till tomorrow the book you can read today!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Read online the first chapters of this book!
All characters reduced
Silvio Santos a trajetória do mito - cover

Silvio Santos a trajetória do mito

Fernando Morgado

Publisher: Matrix Editora

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Silvio Santos nunca teve tantas falas suas reunidas em uma só publicação.
Nascido no Rio de Janeiro em 1930, Senor Abravanel começou a trabalhar aos 14 anos de idade como camelô. Pouco tempo depois, ingressou no rádio e, mais tarde, na televisão, onde se tornou sinônimo de domingo.
Formou um grupo empresarial bilionário, com milhares de empregados em todo o Brasil. Tentou ser prefeito, governador e até presidente.
Cercou sua vida pessoal de mistérios, cultivados pela distância que mantém dos repórteres. Mesmo assim, ao longo da carreira, já causou polêmica ao opinar sobre diversos assuntos: de empreendedorismo até homossexualidade, passando por economia, sexo, drogas e política.
Silvio Santos – A Trajetória do Mito conta toda a trajetória do animador e empresário através de um formato inédito, que combina textos ágeis, declarações dadas por Silvio ao longo das últimas seis décadas e uma completa linha do tempo.
Cada capítulo revela uma faceta especial: seu tino para os negócios, sua longa carreira artística, seu estilo próprio de comandar o SBT, sua meteórica trajetória política e sua reservada vida pessoal.Combinadas, compõem a figura de um mito, verdadeira marca da comunicação do Brasil

Other books that might interest you

  • Velhos tempos de infância - cover

    Velhos tempos de infância

    Luiz Ferreira Da Silva

    • 0
    • 0
    • 0
    O autor, nessa jornada, enaltece o nível educacional que recebera através da Escola Pública, mostrando a sua gratidão às Professoras e ao Estado que à época facultava ensino de qualidade. Descreve como era o seu dia-a-dia eivado de criatividade e gosto pela Natureza, absorvendo os seus ensinamentos, importantes para o resto da sua vida. Também expõe o mundo lúdico infantil da época, os personagens que deixaram saudades, a rígida educação doméstica proficiente, além da maneira ordeira e solidária da população. Finaliza, depois de discutir sucintamente aspectos potenciais do Município, uma convocação aos jovens de hoje para cuidar do seu rincão e, sobretudo, priorizar estratégias de desenvolvimento sustentável.
    Show book
  • Favelas Cariocas: - Ontem e hoje - cover

    Favelas Cariocas: - Ontem e hoje

    Silva Author, Simões Author,...

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro é uma obra de fôlego, composta a partir de artigos de pesquisadores que participaram do colóquio “Aspectos Humanos da Favela Carioca: ontem e hoje”, realizado pelo Laboratório de Etnografia Metropolitana, no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (LeMetro/IFCS-UFRJ), em maio de 2010. O colóquio e os artigos aqui reunidos são, ao mesmo tempo, uma homenagem ao cinquentenário da pesquisa pioneira da SAGMACS – realizada sob a coordenação do sociólogo José Arthur Rios e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, em 1960 –, e uma atualização da produção acadêmica sobre o tema neste início de século XXI, em plena era das chamadas cidades globais. Os autores que integram esta coletânea, oriundos de diversos campos disciplinares, evidenciam em seus trabalhos não apenas a ideologia urbana intervencionista e autoritária que vigorava à época — cuja marca maior é a política de remoção de populações —, mas revelam ainda que, mesmo nos dias de hoje, essa forma urbana chamada “favela” permanece fornecendo muitos elementos para acalorados e instigantes debates nas arenas públicas. Definida tecnicamente pelo IBGE como “aglomerado urbano subnormal”, a favela emerge no vocabulário da cidade — das letras de samba e funks às manchetes de jornais — por meio de curiosas metáforas e surpreendentes eufemismos.
    Show book
  • Psicomotricidade - a importância do lúdico na infância - cover

    Psicomotricidade - a importância...

    Andréa Botelle

    • 0
    • 0
    • 0
    Psicomotricidade: “Psique” significa fenômenos da mente, “Moto”
    ou “Motriz” significa força que dá movimento. É o estudo do homem
    através do movimento de seu corpo em relação ao mundo
    interno e externo. Está relacionada a três conhecimentos básicos: o
    movimento, o intelecto e o afeto. É, portanto, a concepção de movimento
    organizado e integrado com as experiências vividas, onde
    a ação é resultante da individualidade, linguagem e socialização.
    Show book
  • Os sentidos do humor: - possibilidades de análise do cômico - cover

    Os sentidos do humor: -...

    Thaís Leão Vieira, Lucía Aranda

    • 0
    • 0
    • 0
    O estudo do humor não é novo. Filósofos como Platão, Aristóteles, Kant, Hegel, Freud e Ortega y Gasset, escritores de renome como Baudelaire, Shakespeare ou Cervantes e acadêmicos como Bergson, Adorno ou Attardo, têm abordado o humor em suas obras. A centralidade e peso do humor na vida dos seres humanos é evidente no grande número de estudos que examinam diferenças e semelhanças de humor em inúmeros cenários como entre Oriente e Ocidente, em psicologia, na cognição, relações humanas, saúde, literatura, artes visuais ou mesmo política. Este volume é o trabalho de especialistas dedicados aos estudos do humor e tratou temas como o humor no mundo luso-hispânico por meio de representações sociais, linguagem e literatura.
    Show book
  • Dialogue Democracy and Authoritarianism - cover

    Dialogue Democracy and...

    João Roberto Dos Santos Da Costa...

    • 0
    • 0
    • 0
    Digest
    
    Ramon Lull wants to establish peace among people: Christians, Jews and Muslims. Against Dubois’s political thought, he defends a permanent forum of debate in religion and philosophy opened to everybody. He thinks it is necessary a world authority supported by free will of people to establish a real dialogue of civilizations, tolerance, economic cooperation and solidarity. Lull considers justice an indispensable virtue to develop and preserve common good. Taking this into account, the deliberative power must strive to promote this common good. On the contrary, the bad governance causes a general lack of virtue that implies corruption. In this situation people are allowed to substitute bad politicians by others. In the modern state, this doctrine has not been taken into account, which explains the difficulties of democracy according to Tocqueville, an author that considers the classical concept of natural law to legislate and rule society. According to the Pope John Paul II, Christ offers the peace of the realm of God. I also identify a return to medieval Ramon Lull’s doctrine of justice and peace, which is possible due to the influence of Francisco de Vitoria and the Salamanca School. To reshape modern customs it would be necessary to educate societies economic and politically, which has much to do with the “political man” in the Aristotelian sense. Cardinal Joseph Ratzinger met the Philosopher Jürgen Habermas at the Catholic Academy of Bavaria in Munich on January 19, 2004. They talked about the integral function of the state to steady social order. They stimulated people to investigate the causes and possible solutions to overcome the global and moral crisis. Their method in Political Science is mainly based on intercultural dialogue, authority, tolerance and solidarity. They also agree that democratic social order around the world requires the link between state service and civil society participation. This is a return to Ramon Lull’s political thought based on a correct legislation and good costums to build effective social peace. This is a promising step in the context of modernity.
    
    Descrição
    
    Ramon Llull quer estabelecer a paz entre as pessoas: cristãos, judeus e muçulmanos. Ele defende, contra o pensamento político de Dubois, um fórum permanente de debate sobre religião e filosofia que seja aberto a todos. Para estabelecer um verdadeiro diálogo de civilizações, a tolerância, a cooperação econômica e a solidariedade, ele pensa que é necessária a existência de uma autoridade mundial apoiada pela livre vontade das pessoas. Llull considera a justiça uma virtude indispensável para desenvolver e preservar o bem comum. Levando isso em conta, considera necessário um poder deliberativo que se esforce para promover esse bem comum. Ao contrário, o mau governo causa uma falta geral de virtude que implica a corrupção. As pessoas têm permissão então para substituir os maus políticos por outros. No Estado moderno, esta doutrina não foi considerada, o que explica as dificuldades da democracia segundo Tocqueville, um autor que se baseia no conceito clássico de lei natural para legislar e governar a sociedade. Segundo o Papa João Paulo II, Cristo oferece ao mundo a paz do reino de Deus. Eu também identifico nele um retorno à doutrina medieval de Ramon Llull sobre a justiça e a paz, o que é possível devido à influência de Francisco de Vitória e da Escola de Salamanca. Para remodelar os costumes modernos, é necessário educar as sociedades econômica e politicamente, algo que tem muito a ver com o "homem político" no sentido aristotélico. O Cardeal Joseph Ratzinger reuniu-se com o filósofo Jürgen Habermas na Academia Católica da Baviera, em Munique em 19 de janeiro de 2004. Eles conversaram sobre a função integral do Estado para a consecução da estabilidade da ordem social. Também estimularam as pessoas na busca das causas e possíveis soluções para superar a crise globar e moral. O método de ambos, em Ciência Política, baseia-se principalmente no diálogo intercultural, a autoridade, a tolerância e a solidariedade. Eles também concordam em que uma ordem social democrática vigente em todo o mundo requer o nexo entre a mediação do Estado e a participação da sociedade civil. É um retorno ao pensamento político de Ramon Llull fundamentado na correta legislação e nos bons costumes para construir uma efetiva paz social. Trata-se de um passo promissor no contexto da modernidade.
    Show book
  • Estamos alunos - Um estudo sobre a identidade contemporânea dos alunos do Colégio Militar do Rio de Janeiro - cover

    Estamos alunos - Um estudo sobre...

    Fábio Facchinetti Freire

    • 0
    • 0
    • 0
    Os alunos dos Colégios Militares não são militares. Entretanto, experimentam diversos componentes desse “espírito militar”: as fardas, os comportamentos, a linguagem. Como os jovens de hoje, a geração do século XXI, se relacionam com a proposta formativa que o Exército lhes apresenta – seus costumes, valores e tradições – contida nestes componentes, que nesta investigação são tratados como “itens identitários”? Será que eles concordam com a proposta? Senão, como lidam com ela? A tese que deu origem a este livro buscou compreender estes questionamentos, realizando uma pesquisa de cunho etnográfico no mais tradicional dos Colégios Militares: o do Rio de Janeiro.
    Show book