Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced

Other books that might interest you

  • Teatro do Oprimido - Raízes e Asas - Uma teoria da Práxis - cover

    Teatro do Oprimido - Raízes e...

    Bárbara Santos

    • 0
    • 0
    • 0
    Uma teoria da práxis combina teoria e prática para a análise do método do Teatro do Oprimido, uma criação do brasileiro Augusto Boal. O livro propõe uma discussão – consistente e acessível – sobre os conceitos que fundamentam o método em articulação com os avanços e desafios de sua práxis. Bárbara Santos trabalhou duas décadas com Augusto Boal como coordenadora do Centro de Teatro do Oprimido, na concepção e desenvolvimento do Teatro Legislativo e da Estética do Oprimido. Desde 2009, vive na Alemanha, onde é diretora artística de KURINGA, espaço para o Teatro do Oprimido em Berlim. Difusora do Teatro das Oprimidas, inovadora experiência estética sobre opressões enfrentadas por pessoas socializadas como mulheres, é diretora artística da Rede Ma(g)dalena Internacional.
    Show book
  • Impressões - cover

    Impressões

    Vera Lopes

    • 0
    • 0
    • 0
    O propósito da arte da escrita é retirar o leitor do lugar onde se encontra e abrir uma janela para um horizonte familiar e ao mesmo tempo inovador. Em que medida o texto vem de encontro ao repertório e, ao mesmo tempo, abre um leque para novas experiências? 
    Parte-se do local temporal, do olhar do poeta da realidade à sua volta, para o universal:  a montanha e suas curvas, A caminho de Burgas, e a viagem de todo indivíduo, em busca de paz; Decepção, sentimento gerado por situações adversas e inesperadas; Autobiografia, o relato da migração de um indivíduo e aquilo que este pode experimentar.
    Que as impressões do poeta toquem no querido leitor, produzindo identificação e extrapolação.
    Show book
  • Descoberto - cover

    Descoberto

    Fábio Siqueira

    • 0
    • 0
    • 0
    Poesias autobiográficas narram a jornada do autor por estados contínuos e consecutivos de ironia, tristeza, erotismo, afeição, decepção amorosa, luto e revolta, construindo sensações pendulares entre a esperança e a descrença. Nesse tom, emergem temas ainda negligenciados ou carregados de preconceito e vergonha, como depressão, sexualidade, insucesso e raiva. Poetifica-se um diálogo com a própria existência, entremeando o comodismo emocional e o desejo por uma abrupta transformação.
    Show book
  • Janelas - cover

    Janelas

    Flávia Apocalipse

    • 0
    • 0
    • 0
    'Dentro de mim, só mar revolto. Flávia Apocalypse, carioca, formada em Direito eJornalismo, gerente de comunicação interna de uma grande empresa, é discreta, tímida até, e simplifica assim a vida que a fascina: café com leite, vitamina C, mesa de trabalho, cafezinho,almoço, Coca-cola, trânsito, sala de jantar, revistas, travesseiro de fronha branca. Tudo corrimão pra que eu possa me segurar.Em seu livro de estreia, a poeta ausculta em si mesma as noites mais escuras, a vida que não passa de um jogo de sombras, onde ela se perde e se acha e se espanta. Segundo a poeta Thereza Christina Roque da Mota, “Flávia tem a voz de Adélia Prado que fala do dia e da noite, da sofreguidão das almas que se aquietam para uma manhã mais longa, uma noite que não acaba”.Como criança, Flávia experimenta a poesia iniciática do choro do perdão. O indecifrável do armário que ela não abre para ninguém. Tudo que se oculta sob as roupas, a lama, a angústia e o pudor.Com o livro, a poeta, conciliando sua vida de profissional, mãe e mulher, empresta a voz de Adelia, faz emergir a própria voz , abre as janelas e convida seus leitores a fazerem o mesmoÉ o primeiro livro de poesias do autor que já publicou dois romances,  livro de contos, ensaios, e centenas de artigos científicos.  Como o titulo induz, os poemas parecem uma livre associação de ideias e imagens. Mas ao ser lido com um pouco de atenção, mostra um escritor maduro, cosmopolita que escolhe cuidadosamente cada palavra como diz no primeiro poema do livro: Ai da minha poesia se não fosse eu! / Provavelmente morreria à míngua| Combalida, desmilinguida. | Coitada se dela não cuidasse o degas, | Pessoalmente. | Mas, pai zeloso,| Afago-a, terno, | E a curo, | Mertiolate e tudo, | Nunca descuro. | Se dela falam mal, | Desconjuro!'
    Show book
  • Arrastão e outros poemas - cover

    Arrastão e outros poemas

    Marlon De Almeida

    • 0
    • 0
    • 0
    Talhados com mãos de artesão tanto na concepção como no tratamento da linguagem, os poemas reunidos em Arrastão estruturam-se em dois arrastões: no mar e na rua, acrescidos a outros poemas.
    Show book
  • As visões de Santa Tereza - cover

    As visões de Santa Tereza

    Francisco Mangabeira

    • 0
    • 0
    • 0
    Único livro em prosa do poeta. Em sua obra podemos perceber o escritor espontâneo e natural, às vezes melancólico, contraditório, de alma complicada, grande expoente do movimento simbolista.
    Show book