Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
O Herodes brasileiro - Em tempos de pandemia e 'ditadura' - cover

O Herodes brasileiro - Em tempos de pandemia e 'ditadura'

Fabio dos Santos

Publisher: Bibliomundi

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Imagine uma sociedade governada por um ditador! Imagina uma sociedade em meio ao caos! Imagina o medo em tempos de pandemia, do Covid-19! Imagine vozes amordaçadas! imagine uma sociedade dividida, onde os sujeitos estão destruindo a si mesmos! Imagine um governo que trabalha para os banqueiros e esquece os pobres e os trabalhadores! Numa sociedade onde todos, ricos e pobres, brancos e negros, estão sofrendo as consequências de seu fanatismo eleitoreiro... Apenas o poeta denuncia e nunca se cala! Bem ao moldes de Maiakovski e Graça, o poeta Fabio dos Santos, um dos mais premiados escritores da contemporaneidade, porém ainda ilustre desconhecido, expressa sua voz e seu grito contra o fascismo e o autoritarismo que ameaçam tomar o país. Cientista social e mestrando em Sociologia, Fábio representa a voz de seu tempo: hoje.

Other books that might interest you

  • As Vozes de Pessoa - cover

    As Vozes de Pessoa

    Fernando Pessoa

    • 0
    • 0
    • 0
    As Vozes de Pessoa traz os poemas completos de três mais importantes heterônimos do poeta Fernando Pessoa.(...)Mestre, só seria como tu se tivesse sido tu.Que triste seria como tu se tivesse sido tu.Que triste a grande hora alegre em que primeiro te ouvi!Depois tudo é cansaço neste mundo subjectivado,Tudo é esforço neste mundo onde se querem coisas,Tudo é mentira neste mundo onde se pensam coisas,Tudo é outra coisa neste mundo onde tudo se sente.Depois, tenho sido como um mendigo deixado ao relentoPela indiferença de toda a vila.Depois, tenho sido como as ervas arrancadas,Deixadas aos molhos em alinhamentos sem sentido.Depois, tenho sido eu, sim eu, por minha desgraça,E eu por minha desgraça, não sou eu nem outro nem ninguém.Depois, mas porque é que ensinaste a clareza da vista,Se não me podias ensinar a ter alma com que a ver clara?Porque é que me chamaste para o alto dos montesSe eu, criança das cidades do vale, não sabia respirar?(...)
    Show book
  • Arder a Palavra - e outros incendios - cover

    Arder a Palavra - e outros...

    Ana Luísa Amaral

    • 0
    • 0
    • 0
    O ENSAIO É UMA FORMA SELVAGEM NO UNIVERSO DA LITERATURA. O ensaio lida com outras obras, com problemas, com o tempo, criticamente, com espírito crítico mas sobretudo liberdade. Ana Luísa Amaral é poeta premiada e tradutora, lidando, portanto, com a literatura de dentro. É também professora e estudiosa, lidando de fora. O ensaio, num caso assim, fica numa espécie de lugar duplo, dentro da escrita mas fora da produção imediatamente ficcional, dentro da reflexão mas fora dos textos comentados, o que garante, inclusive, o próprio comentário. A experiência do ensaio resulta de uma experiência de leitura, e leitora, antes de tudo, é o que caracteriza Ana Luísa Amaral. Neste livro, vários são os problemas enfrentados, as temáticas visitadas, desde Emily Dickinson e Mário de Sá-Carneiro, velhas aventuras amorosas da ensaísta que tanto traduziu Emily, até a teoria queer, da qual a eminente professora é uma das mais destacadas especialistas em Portugal. E, ao final, em torno desse animal indócil que é a literatura, uma peça em três atos, celebração do hibridismo que não é sinal de glória, mas de pura vida, indomável e incerta vida. Arde a palavras e outros incêndios não é, portanto, apenas um livro de crítica literária, mas uma homenagem à literatura, sobretudo à capacidade que essa linguagem tem de fomentar leituras infinitas, leitores sem fim.
    Show book
  • Famosas últimas palavras - cover

    Famosas últimas palavras

    Luís Filipe Cristóvão

    • 0
    • 0
    • 0
    O poema sem o corte do verso. Este é o melhor modo de apresentar a poesia de Luís Filipe Cristóvão. O poeta de escrita prolífica tem 38 anos de palavras acumuladas na cabeça, já publicou mais de sete livros em Portugal e no Brasil, e obriga o leitor a investigar a sua própria identidade, sua noção de pertencimento, como também a identidade do poema. Luís Filipe mexe com nossa antecipação leitora, rompe com nosso ritmo, obriga-nos a pensar. Em "Famosas últimas palavras", depois de uma grande pausa desde 2009, Luís Filipe volta a escrever com um sabor próprio de despedida, com o cheiro característico da maresia a envolver suas palavras.
    Show book
  • O rio e a criança - cover

    O rio e a criança

    Rama Amaral

    • 0
    • 0
    • 0
    Estavam todas dispersas pelos cantos da casa entre livros pastas, cadernos… Às vezes, até no bolso de um calça velha; outras, já estiveram em lugares distantes nacionalmente, e até em outros países de língua portuguesa. Eis que surge a vontade de agrupá-las com uma só identidade: O Rio e a Criança!
    Imersos no corpo desse senhor (livro), sentimentos, fantasias, fé, mistério, razão, realidade, fingimento… Versificados em nome dessa ilustre arte, a poesia.
    E é através dessa ilustre forma de elevação da palavra e com um estilo flexível para abordar temas diversos, sobretudo ecológico e social, com leve lirismo e, claro, sem perder o romantismo, que Rama Amaral estreia na literatura, onde títulos como Caricatura da Exclusão, Estupro, Uno, Causa Perdida, Melodia, e outros poemas que fazem deste livro um prato de palavras degustável e extraordinariamente revelador.
    Show book
  • Reflexões mortais de uma criatura em busca do infinito - cover

    Reflexões mortais de uma...

    Marcelino Barboza De Souza

    • 0
    • 0
    • 0
    Coletânea de poesias reflexivas sobre vida, sentimento e fé.
    Show book
  • Da roça e outros cantos - cover

    Da roça e outros cantos

    Antonio Fernando Mattza

    • 0
    • 0
    • 0
    Semente doce silo da vida. Na letra de Armandinho encontrei o que esta obra quer dizer: 'Semente, semente, semente, semente, semente. Se não mente fale a verdade. De que árvore você nasceu? Eu sou a terra, você minha semente, na chuva a gente se entende, é na chuva que a gente se entende. Oh semente!'Esse livro é semente rica, que brota e, quando desabrocha, traz histórias inteiras para dentro de nós. É lição de terra molhada, chão de plantar emoção, é roça doce, área vasta capinada, é palavra de encantar cidade e campo, é alimento de palavra e emoção.Um livro que canta a literatura que alimenta um país, é doce alimento, pontuado de bem dizer, é a lavoura rica e verde, é palavra que podemos comer.Cada linha vem completa, traz o sabor do que brota no chão, vem repleta de raízes que se entrelaçam em nossas mãos.Da porteira pra dentro é lavoura, pasto e canção, é viola que nos toca por inteiro, palavra de livro, livro-plantação.
    Show book