Discover a world full of books!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Read online the first chapters of this book!
All characters reduced
Revista Observatório Itaú Cultural - N 18 - Perspectivas Sobre Política e Gestão Cultural na América Latina - cover

Revista Observatório Itaú Cultural - N 18 - Perspectivas Sobre Política e Gestão Cultural na América Latina

Enrique Saravia, Ana Letícia Fialho, Célio Turino, Cláudia Leitão, Eduardo Cruz Vázquez, Eric Nepomuceno, Fernando Barona Tovar, Ilana Goldstein, Jaime Ruiz-Gutiérrez, Joaquim Rius, Mariano M. Zamorano, Ricardo Klein, Rubens Bayardo

Publisher: Itaú Cultural

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

A edição 18 da Revista Observatório traz análises comparativas da política e da gestão cultural na América Latina e relata o Seminário Internacional realizado sobre o tema em março de 2015. Autores do Brasil, da Argentina, do Chile, do Paraguai, do Uruguai, da Colômbia e do México nos convidam a pensar sobre nossos modelos políticos e a importância do papel da cultura na integração dos povos latino-americanos.

Other books that might interest you

  • Better together: - o uso de tecnologias digitais na educação do Brasil e da Espanha - cover

    Better together: - o uso de...

    Gleny Terezinha Duro Guimarães,...

    • 0
    • 0
    • 0
    Esta obra pretende divulgar as atividades de professores de educação básica, bem como, de ensino superior, que utilizam Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) em salas de aula para o ensino de matemática e ciências. 
    As salas de aula aqui mencionadas estão dispersas por todo o país, pois este é o interesse desta obra: unir as produções que estão regionalmente distan¬tes, mas que, por pertencerem à educação, possuem uma natureza em comum. Esta publicação pretende, ainda, promover a troca de experiências entre Brasil e Espanha na área de educação.
    Show book
  • Como se faz um processo - cover

    Como se faz um processo

    Francesco Carnelutti

    • 0
    • 0
    • 0
    O objetivo principal de Francesco Carnelutti nesta obra é lecionar as etapas e as idiossincrasias de um processo de forma mais didática. Neste mister ele comenta: “Um aspecto comum, entre outros, à representação e ao processo é
    que ambos têm leis próprias, mas, se o público que os assistir não as conhece, não compreenderá coisa alguma”.6 Como bom educador que sempre foi, ele queria ensinar passo a passo até mesmo para o leigo, a importância e o andamento linear dos processos. Não devemos olvidar que o processo é a junção de regras públicas que fazem transparecer o veículo que conduz os direitos subjetivos e os deveres jurídicos das partes. Por isso, deve ser cristalino e de fácil compreensão.
    Show book
  • 2016 O ano do Golpe - cover

    2016 O ano do Golpe

    Thiago Rodrigues, Adriano de Freixo

    • 0
    • 0
    • 0
    Em 2016, como reflexo de uma situação que já havia se desenhado há algum tempo, um controverso processo de impeachment atinge o mandato da presidenta Dilma Rousseff. Os ensaios que compõem este volume, articulados por pensadores dos mais variados campos da reflexão, discutem a questão central que rodeia o cenário político brasileiro atual: não é só com tanques ou armas em punho que um golpe se cria.
    Show book
  • O processo de construção da questão quilombola - discursos em disputa - cover

    O processo de construção da...

    Amanda Lacerda Jorge

    • 0
    • 0
    • 0
    A “questão quilombola”, que vem se constituindo desde 1988 no Brasil, a partir de discursos e posicionamentos de vários agentes, não existia antes do próprio artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal. Com tal dispositivo legal, foi garantido o direito a terra para o heterogêneo grupo dos remanescentes de quilombos. No entanto, a imprecisão do comando constitucional gerou um intenso debate sobre os limites e possibilidades de operacionalização do acesso à propriedade fundiária. É diante deste cenário, que esta obra se situa. A partir das discursividades que compõem o que chamamos de “questão quilombola”, buscamos compreender como esta vem sendo construída e interpretada. O livro se volta para a análise dos agenciamentos colocados em jogo pelos “intérpretes” que circulam em torno da “questão quilombola” e que se alocam no campo das ciências sociais, do Estado e do direito. Trata-se de mapear a disputa pela legitimidade social da definição do que são os “quilombolas” e quais são as “suas terras”.
    Show book
  • Restauração Ambiental Do Dever Jurídico Às Técnicas Reparatórias - cover

    Restauração Ambiental Do Dever...

    Thiago Felipe Vargas Simões

    • 0
    • 0
    • 0
    O enfoque central da obra é a verificação da forma pela qual a implementação das técnicas de restauração ambiental pode contribuir para a preservação da biodiversidade, mediante a aplicação das técnicas mais condizentes com o dever constitucional de restauração dos processos ecológicos essenciais, trazido pela Constituição Federal de 1988 e recepcionado pela legislação infraconstitucional. Como contexto, traz a reflexão acerca da relação paradigmática existente entre homem e natureza. Sugere-se, ao longo do texto, a percepção das complexidades que perpassam tal relação. É analisada, também, a recepção jurídica do meio ambiente e da restauração ambiental. Além disso, a complexidade é discutida, principalmente quanto ao bem ambiental e aos contornos traçados pelo dano ambiental, tanto na sua avaliação, quanto na sua reparação.
    Show book
  • Além do Rosa e do Azul - Recortes Terapêuticos sobre Homosexualidade à luz da Doutrina Espírita - cover

    Além do Rosa e do Azul -...

    Gibson Bastos Silva

    • 0
    • 0
    • 0
    À medida que o homem se desenvolve, intelectualmente, vai desvendando e compreendendo as leis divinas que regem a vida dos seres humanos, e vai sendo obrigado a modificar os diversos conceitos que foram criados para dar sentido à sua vida e às normas estabelecidas para garantir sua sobrevivência, por reconhecer que tais regras ou normas são injustas e incapazes de promover a felicidade da  maioria.No campo da sexualidade, os padrões de normalidade estabelecidos para o homem e para a mulher a partir das diferenças biológicas e do caráter reprodutor que lhe é inerente, já não são parâmetros capazes de criar normas que garantam, a todos os seres, as condições básicas para que eles se desenvolvam com segurança e de forma harmônica. Hoje, o conceito de masculinidade e feminilidade está “além do rosa e do azul” para o homem e para a mulher, respectivamente...Assim, a partir do conhecimento científico atual e do conhecimento espírita, vamos compreender que todos nós, heterossexuais, homossexuais e bissexuais somos filhos de um mesmo Pai, e que essa diversidade sexual deve ser respeitada, inclusive através de leis que garantam direitos e deveres iguais para todos e promovam uma convivência pacífica e produtiva entre todos os membros de nossa sociedade.
    Show book