Reading without limits, the perfect plan for #stayhome
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Read online the first chapters of this book!
All characters reduced
Jô e Ninha; Bullying na floresta - cover

Jô e Ninha; Bullying na floresta

Elvio Crudi

Publisher: Cia do eBook

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Jô e Ninha eram duas irmãs gêmeas joaninhas. Quando nasceram, logo se destacaram dos demais insetos da floresta, porque suas asas eram laranjas com manchinhas roxas.

Por serem diferentes, eram motivo de gozação entre os animais. Passaram a sofrer bullying na floresta e estavam super zangadas. Mas, certo dia, resolveram dar um basta nessa situação.

Other books that might interest you

  • Fundamentos de Antropologia - Fasciculo 13 - A vida econômica - Um ideal de excelência humana - cover

    Fundamentos de Antropologia -...

    Stork Author

    • 0
    • 0
    • 0
    Fascículo 13 de um total de 17 sobre Fundamentos de Antropologia. A vida econômica
    Show book
  • A linguagem das cidades - cover

    A linguagem das cidades

    Deyan Sudjic

    • 0
    • 0
    • 0
    A maioria de nós vive hoje em cidades. Mas o que faz uma cidade ser uma cidade? É um lugar? Uma ideia? E como deveríamos definir a cidade que evolui hoje? Deyan Sudjic, diretor do Design Museum de Londres, decodifica as forças fundamentais que configuram os espaços urbanos ao nosso redor, de seus prédios a seus nomes; do poder das multidões ao motivo de ser paulistano, nova-iorquino ou moscovita pode nos trazer uma sensação de identidade e pertencimento maior do que qualquer outra.
    "Um livro profundamente original e necessário."
    Alain de Botton
    "Um guia indispensável sobre aquilo que faz uma cidade ser uma verdadeira cidade."
    Evening Standard
    "Um pequeno e agradável guia sobre o que são as cidades e como elas funcionam."
    Financial Times
    Show book
  • Literatura brasileira contemporânea - um território contestado - cover

    Literatura brasileira...

    Regina Dalcastagnè

    • 0
    • 1
    • 0
    Resultado de quinze anos de pesquisa, este livro traz uma análise aprofundada sobre a narrativa brasileira contemporânea. Atenta a quem escreve e sobre quem se escreve, Regina Dalcastagnè investiga a literatura como artefato social, que dialoga com sua própria história e com o mundo que a cerca, inserida num campo de produção formado por autores, editores, críticos e leitores. O panorama que aqui surge do romance e do conto brasileiros das últimas décadas se baseia na leitura cuidadosa de um conjunto expressivo de obras representativas, revelando as estratégias discursivas que envolvem diferentes procedimentos estéticos e diferentes interesses políticos. O território contestado da literatura brasileira contemporânea é aquele em que a dicção e a temática populares lutam para obter legitimidade, em que o monopólio da voz é questionado e em que o enfrentamento entre os criadores e as questões do seu tempo chega a resultados que não estão determinados de antemão.
    Show book
  • Nervo Exposto - cover

    Nervo Exposto

    João Pavese, André Michiles

    • 0
    • 0
    • 0
    Com o coração dilacerado pela perda do primeiro amor, o autor, então com 26 anos, cruza Cuba de bicicleta na companhia do amigo André Michiles, 10 anos mais jovem. Eles entram e saem das casas e das ruas cubanas e o resultado é uma divertidíssima crônica de costumes, com descrições que nos fazem sentir as cores, os cheiros e os rebolados de Cuba. Com fina ironia, João Pavese também analisa o regime socialista, as pessoas e, colocando carga extra no sarcasmo, a si próprio.
    Show book
  • Dicionário do voto - cover

    Dicionário do voto

    Walter Costa Porto

    • 0
    • 0
    • 0
    Vota-se, no Brasil, há quase 500 anos. Pois, em 1535, já se registram eleições para a escolha dos que integrariam os Conselhos ou Câmaras: juízes, vereadores, almotacés e outros oficiais. Por todos os séculos XVI, XVII, XVIII e começo do século XIX ocorreram essas eleições, em que se reuniam, na Casa do Conselho, “homens bons e povo” nomeando, primeiramente, seis eleitores que, por sua vez, indicavam, depois, os escolhidos, para um mandato de três anos. 
    A primeira eleição geral no país foi em 1821, para designação de deputados à Corte Portuguesa. 
    Com a República, começamos a votar em presidentes. Houve, na Primeira República, uma escolha indireta e onze diretas; na Segunda, só uma eleição indireta; na Quarta, quatro escolhas diretas; na Quinta, seis indiretas e na Sexta, em que vivemos, até agora seis diretas.
    O primeiro de nossos códigos eleitorais, de 1932, traz o regime proporcional que, com pequenas modificações, perdura até hoje.
    Esses e mais tantos itens, relativos ao Brasil, e outros, referentes ao voto no mundo, são tratados neste Dicionário.  
    Se nossa experiência é a também vivida por todos os países, onde, progressivamente, se deu o alargamento da cidadania política e a correção dos males que distorcem a verdade das urnas, a análise desses temas contribui para o maior esclarecimento da classe política e dos eleitores que se empenham, como desejava, já no século XIX, nosso romancista José de Alencar, pela “alforria do voto”.         
    Uma obra indispensável para a compreensão do processo de tomada de decisões pelo qual a população escolhe pessoas para ocupar cargos públicos, o mecanismo com o qual a democracia representativa tem operado desde o século XVII.
    Show book
  • Varandas da alma - cover

    Varandas da alma

    Fábio Vieira

    • 0
    • 0
    • 0
    Palavras são varandas. Elas lançam luz em nossa interioridade, tocam nossos sentimentos, permitem contemplar nossas vivências e atribuir-lhes um novo significado.
    
    Ser capaz de reinterpretar a realidade é um exercício sagrado de reconciliação com a vida.
    
    Essa obra se propõe, a partir de textos singelos, a lançar um novo olhar em direção à existência.
    Show book